Burocracia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Em sociologia das organizações, burocracia é uma organização ou estrutura organizativa caracterizada por regras e procedimentos explícitos e regularizados, divisão de responsabilidades e especialização do trabalho, hierarquia e relações impessoais.[1] Em princípio, o termo pode referir-se a qualquer tipo de organização - empresas privadas, públicas, sociais, com ou sem fins lucrativos.

Popularmente, o termo é também usado com sentido pejorativo, significando uma administração com muitas divisões, regras, controles e procedimentos redundantes e desnecessários ao funcionamento do sistema; veja p.ex. em red tape.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo grego antigo πυρρός, translit. purrós ("cor de fogo") deu origem à palavra latina burrus ("marrom avermelhado"), [2] da qual se originou, em latim vulgar, o termo bura(m), que designa um pano grosseiro de lã de cor marrom avermelhado, que, em francês, era chamado burel. Esse tecido (geralmente pardo, marrom ou preto), usado para confeccionar a vestimenta dos monges e penitentes, era também empregado para forrar a superfície sobre o qual se faziam contas e passou a designar a própria mesa de trabalho.[3] O termo acabou por se estender às escrivaninhas das repartições públicas. Daí deriva a palavra bureau, que inicialmente se referia às mesas de trabalho cobertas com esse tecido e, posteriormente, por sinédoque, passou a designar todo o escritório.

A um negociante e funcionário do governo francês do século XVIII, Jacques Claude Marie Vincent, Seigneur de Gournay (1712-1759, economista), atribui-se a criação do termo bureaucratie, por volta de 1740. O termo se aplicava a todas as repartições públicas e tinha um sentido bem crítico e irônico. Embora Gournay não tenha deixado registro escrito da palavra, isso foi feito em uma carta de seu contemporâneo, o enciclopedista Barão von Grimm:

"O falecido M. de Gournay (...) costumava dizer: Temos […] uma doença que faz muitos estragos; essa doença se chama buromania. Às vezes ele se referia a isso como uma quarta ou quinta forma de governo,[4] com o nome de burocracia."[5] [6]

Assim, "burocracia" é um termo híbrido, composto pelo francês, bureau (escritório) e pelo grego, krátos (poder ou regra), significando uma forma de dominação exercida por funcionários de escritórios.

O modelo weberiano[editar | editar código-fonte]

De acordo com Max Weber, os atributos da burocracia moderna incluem a impessoalidade, a concentração dos meios da administração, um efeito de nivelamento entre as diferenças sociais e econômicas e a execução de um sistema da autoridade que é praticamente indestrutível.[1]

A análise weberiana da burocracia relaciona-se a:[1]

  • As razões históricas e administrativas para o processo da burocratização (especialmente na civilização ocidental).
  • O impacto do domínio da lei no funcionamento de organizações burocráticas.
  • A orientação pessoal típica e a posição ocupacional dos oficiais burocráticos como um grupo de status.
  • Os atributos e as consequências mais importantes da burocracia na organização burocrática no mundo moderno

Princípios da burocracia[editar | editar código-fonte]

Uma organização burocrática é governada por sete princípios:

  1. O negócio oficial é conduzido em uma base contínua de conhecimento empírico
  2. O negócio oficial é conduzido estritamente de acordo com as seguintes regras:
    1. O dever de cada funcionário ao fazer certo tipo de trabalho é delimitado em termos de critérios impessoais
    2. O funcionário tem a autoridade necessária para realizar suas funções tal como definidas
    3. Os meios de coerção à sua disposição são estritamente limitados e seu uso é estritamente definido
  3. A responsabilidade e autoridade de cada funcionário são partes de uma hierarquia de autoridade vertical, com respectivos direitos de supervisão e apelação.
  4. Os funcionários não são proprietários dos recursos necessários para desempenho das funções a eles atribuídas mas são responsáveis pelo uso desses recursos
  5. A renda e os negócios privados são rigorosamente separados da renda e negócios oficiais;
  6. O escritório não pode ser apropriado pelo seu encarregado (herdado, vendido, etc.).
  7. O negócio oficial é conduzido na base de documentos escritos.

Um funcionário burocrático:

  • é pessoalmente livre e nomeado para sua posição com base na sua habilitação para o cargo;
  • exercita a autoridade delegada a ele de acordo com regras impessoais, e sua lealdade é relacionada à execução fiel de seus deveres oficiais;
  • sua nomeação e a designação de seu local de trabalho dependem de suas qualificações técnicas;
  • seu trabalho administrativo é uma ocupação de tempo integral;
  • seu trabalho é recompensada por um salário regular e a perspectiva de avanço em uma carreira por toda a vida.

Um funcionário deve exercitar seu julgamento e suas habilidades, colocando-os, porém, a serviço de uma autoridade mais elevada. Em última instância, é responsável somente pela execução imparcial de tarefas atribuídas e deve sacrificar seu julgamento, caso esteja em conflito com seus deveres oficiais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Renato Cancian. Burocracia:Max Weber e o significado de "burocracia" (em português) UOL - Educação. Página visitada em 17 de outubro de 2012.
  2. Harrison, Henry Surnames of the United Kingdom: A Concise Etymological Dictionary
  3. TLF. "bureau"
  4. As outras formas seriam: monarquia, aristocracia e democracia. Ver Riggs, Fred W. "Introduction : Évolution sémantique du terme 'bureaucratie'". Revue internationale des sciences sociales. Unesco, Paris vol. XXX I (1979), n° 4
  5. Raadschelders, Jos C. N. Handbook of Administrative History, p. 142.
  6. Citado por EMGE, C. A. "Bürokratisierung", Kölner Zeitschrift für Soziologie und Sozialpsychologie, 3, p. 179-195. (1950/51) p. 179, apud Anter, Andreas L'histoire de l'État comme histoire de la bureaucratie. Trivium, 7 , 2010, 6 décembre 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]