Câmera escondida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Sérgio Mallandro usa pegadinhas em seus programas.

Uma câmera escondida, também chamada de pegadinha, câmera oculta ou apanhados é uma situação forjada ou verdadeira (que pode ser chamada de brincadeira) pela produção de algum programa onde se cria um constrangimento, uma situação absurda e inesperada com alguém que supostamente ignora a armação da qual será vítima.[1] [2]

O extinto programa Topa Tudo por Dinheiro tinha um quadro de Câmeras Escondidas que teve um enorme sucesso em todos os anos em que o programa foi exibido

Hoje em dia, vários programas de TV se utilizam ou se utilizaram de pegadinhas, dentre eles os de João Kléber, Sérgio Mallandro, Silvio Santos, Gugu Liberato, Fausto Silva[3] , Luciana Gimenez, etc. Nos Estados Unidos, o programa precursor dessa modalidade na televisão é o Candid Camera, que faz sucesso desde a década de 1950 até os dias de hoje.

Muitos telespectadores duvidam da veracidade dessas brincadeiras, que de fato, muitas vezes são forjadas a suposta vítima mas na maioria das vezes as vitimas são atraidas por ofertas tentadoras e pela oportunidade de levar uma grande vantagem, seja ao se aproximar de uma mulher jovem e bonita, ou adquirir algo por um preço irrisório .

Origem[editar | editar código-fonte]

Mundialmente falando, o precursor das pegadinhas, foram experimentos radiofônicos de Orson Welles nos Estados Unidos o qual desencadeou num destruidor efeito cascata na sociedade nova-iorquina mas pelo que se sabe aqui no Brasil, tudo indica que foram os freqüentadores de um posto de combustível localizado no bairro do Engenho Novo no Rio de Janeiro em comum acordo com um radialista que interagia radiofonicamente no próprio rádio da vítima e "em tempo real" chamando a atenção de suas baboseiras. Isso só era possível porque os frentistas ou freqüentadores do posto conversavam com os taxistas (a maioria) sobre seu dia a dia e de posse desses elementos, telefonavam ao estúdio instruindo o radialista onde e quem deveria atacar. Muitas das pessoas que ouviam o programa do Wilson Mussauer (assim se chamava) não entendiam como o locutor conhecia tantos detalhes da vida dessas pessoas e em tempo real sem sair da emissora.

Mais tarde com a banalização das filmadoras ficou mais simples, atualmente um ator (ou mais de um, em sendo o caso) são solicitados para encenar uma situação com um terceiro, geralmente um transeunte ou um cliente - escolhido para ser a vítima da brincadeira - até que este se irrite e parta para agressão ou outras reações contra seu algoz, que ao final, muitas vezes quando já não se filma mais, pedirá desculpas à sua vítima ou dirá que é brincadeira.[4] [5]

Programas[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Alguns atores e atrizes de pegadinhas[editar | editar código-fonte]

Na Internet[editar | editar código-fonte]

Atualmente existem alguns canais de humor na internet investindo em pegadinhas, com postagens semanais, que misturam o tradicional formado com experimentos sociais e uma linguagem mais voltada para os internautas. Dentre esses canais, podemos destacar o Na Sarjeta (youtube.com/NaSarjaVideos), com o quadro Stupidshow, um dos pioneiros do gênero no youtube e que somam mais de 3 milhões de acessos:

  • Pegadinha: Ponto de Referência
  • Pegadinha: Dando Foras em Homens
  • Pegadinha: Derrubando o Pirocom

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.