Câncer endometrial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Câncer endometrial
Câncer de endométrio
Classificação e recursos externos
CID-10 C53 C54 C55
CID-9 182.0
OMIM 608089
DiseasesDB 4252
MedlinePlus 000910
eMedicine med/674
Star of life caution.svg Aviso médico

Câncer endometrial aos cânceres que surgem no endométrio, o revestimento do útero. Os cânceres endometriais são os cânceres ginecológicos mais comuns, sendo quase 95% deles do tipo adenocarcinoma (câncer de tecido epitelial).

É o tipo mais comum de câncer do útero, respondendo por mais de 80% dos casos, mas não é o único. Outros cânceres de útero incluem câncer cervical, sarcoma do miométrio, carcinossarcoma uterino e doença trofoblástica.

Causa[editar | editar código-fonte]

Útero com adenocarcinoma de grau III, invadindo miométrio.

A causa mais comum do cancro endometrial é ter muito mais hormônio estrogênio do que progesterona no organismo. Este desequilíbrio hormonal durante muitas décadas faz com que o revestimento do útero se torne mais e mais denso, e células cancerosas começam a ocorrer e crescer.[1]

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

Dentre os muitos fatores de risco se destacam[2] :

Pesquisas demonstraram que este tipo de câncer é 3 vezes mais frequente em mulheres com a Síndrome do Ovário Policístico (SOP) do que em mulheres sem a referida síndrome. [3]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas mais comuns incluem[4] :

  • Sangramento ou secreção vaginal fora do período menstrual
  • Períodos largos e mais frequentes de sangramento vaginal
  • Dor pélvica, especialmente após relação sexual
  • Dificuldade ou dor ao urinar

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

O tratamento frequentemente envolve uma histerectomia abdominal total (remoção cirúrgica do útero) com salpingo-ooforectomia bilateral (remoção de ambas trompas e ovários) e dos gânglios linfáticos da pélvis. Além disso geralmente envolve quimioterapia e radioterapia. Pode-se fazer terapia hormonal para aumentar os níveis de progesterona e reduzir os de [estrógeno]], para desacelerar o crescimento de tumores ginecológicos.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências