Célula progenitora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Como células-tronco,as células progenitoras têm a capacidade de se diferenciar em um tipo especializado de célula.[1] Em contraste com as células-tronco, no entanto, as células progenitoras são mais diferenciadas, sendo estimuladas a se diferenciar em suas "células alvo". A diferença mais importante entre as células-tronco e as células progenitoras é que as células-tronco podem se replicar indefinidamente, enquanto que as células progenitoras podem se dividir apenas em um número limitado de vezes. A controvérsia sobre a definição exata dessas células existe, pois o conceito ainda está evoluindo. Assim, por vezes, os termos de "células progenitoras" e "células-tronco " são equiparados.[2]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

A maioria das células progenitoras são descritas como oligopotentes. Sob esse ponto de vista, elas podem ser comparadas com células-tronco adultas, mas estão numa etapa mais avançada de diferenciação celular. Isto é, em termos de diferenciação estão em "posição intermediária" entre as células tronco e as células totalmente diferenciadas. O tipo de célula que pode gerar depende da célula que a originou e também de seu nicho. Em geral, são formadas e transportadas em colônia, com as condições adequadas para que possam crescer e se diferenciar nos tecidos-alvo.

Em contrapartida, durante pesquisas foram encontradas e isoladas algumas células que têm a capacidade de migrar pelo corpo até o tecido onde são necessárias. Muitas propriedades são compartilhadas tanto por células-tronco adultas quanto por células progenitoras. Mas, ainda assim a controvérsia permanece porque células-tronco embrionárias são as verdadeiras células-tronco, no sentido em que são pluripotentes e demonstram capacidade ilimitada de auto-renovação. Em contraste, muitas das células denominadas células-tronco adultas seriam melhor definidas como células progenitoras, uma vez que sua capacidade de auto-renovação e sua plasticidade ainda não foram exaustivamente demonstradas.

Células progenitoras são encontradas em organismos adultos e agem como um sistema de reparo para o corpo. Elas provêem o organismo com células especiais, mas também mantêm o sangue, a pele e os tecidos intestinais. Também podem ser encontradas no tecido pancreático embrionário em desenvolvimento.

Célula Tronco Célula Progenitora
Auto-renovação in vivo Ilimitada Limitada
Auto-renovação in vitro Ilimitada Limitada
Potencialidade Multipotente Unipotente, às vezes oligopotente
Manutenção da auto-renovação Sim Não
População Atinge o número máximo de células antes de diferenciar Não atinge populações máximas

Função[editar | editar código-fonte]

A maioria das células progenitoras permanece dormente ou possui pouca atividade no tecido em que residem. Elas apresentam lento crescimento e seu papel principal é substituir as células perdidas por desgaste normal. Em caso de lesão de tecidos, de células danificadas ou mortas, as células progenitoras podem ser ativadas. Fatores de crescimento ou citocinas são duas substâncias que desencadeiam a mobilização das progenitoras para o tecido danificado. Ao mesmo tempo, elas começam a se diferenciar em células alvo. Nem todas as progenitoras são móveis e estão situadas próximas de seu tecido alvo de diferenciação. Quando as citocinas, os fatores de crescimento e estimuladores da divisão celular de outras células chegam às células progenitoras, ocorre uma maior taxa de divisão celular, levando à recuperação do tecido.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

A caracterização das células progenitoras é mais baseada em seus marcadores do que em sua aparência morfológica.

  • Células satélite, encontradas no músculo. Elas exercem importante papel na diferenciãção muscular e na recuperação de lesões.
  • Células progenitoras intermediárias, formadas na zona subventricular.[3] Algumas destas progenitoras ampliam o trânsito neural, migrando através da corrente migratória rostral do bulbo olfatório e se diferenciam em tipos específicos de células neurais.
  • Células do estroma da medula óssea, as células basais da epiderme têm 10% de células progenitoras, embora sejam frequentemente classificados como células-tronco por sua elevada plasticidade e capacidade potencialmente ilimitada de auto-renovação.
  • O periósteo contém células progenitoras que se desenvolvem em osteoblastos e condroblastos.
  • Células progenitoras pancreáticas estão entre as mais estudadas. São empregadas em pesquisas para desenvolvimento da cura para o diabetes tipo 1.
  • Angioblastos (ou células progenitoras endoteliais) são muito importantes nas pesquisas sobre reparação de lesões e fraturas

Desenvolvimento do córtex cerebral humano[editar | editar código-fonte]

Antes do quadragésimo dia fase embrionária, as células progenitoras se reproduzem. Após esse período, elas produzem somente algumas poucas células filhas. As células derivadas de uma única célula progenitora formam uma unidade proliferativa que dá origem a uma variedade de neurônios de diversos formatos.

Referências

  • Barber CL, Iruela-Arispe ML(2006). The ever-elusive endothelial progenitor cell: identities, functions and clinical implications. Pediatric Researc 59, 722
  • I. Todorov,, I. Nair, K. Ferreri, J. Rawson, A. Kuroda, M. Pascual, K. Omori, L. Valiente, C. Orr, I. Al-Abdullah, A. Riggs, F. Kandeel(2005). Multipotent Progenitor Cells Isolated From Adult Human Pancreatic Tissue. Transplant Proceedings 37, 3420-3421
  • Raewyn M. Seaberg and Derek van der Kooy(2003). Stem and progenitor cells: the premature desertion of rigorous definitions. Trends in Neurosciences 26, 125-131