Cério

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Cério Stylised Lithium Atom.svg
LantânioCérioPraseodímio
-
  Cubic-face-centered.svg
 
58
Ce
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Ce
Th
Tabela completaTabela estendida
Aparência
branco prateado

Informações gerais
Nome, símbolo, número Cério, Ce, 58
Série química Lantanídios
Grupo, período, bloco -, 6, f
Densidade, dureza 6 689 kg/m3, 2,5
Número CAS 7440-45-1
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica 140,116(1) u
Raio atómico (calculado) 185 pm
Raio covalente pm
Raio de Van der Waals pm
Configuração electrónica [Xe] 4f 5d 6s2
Elétrons (por nível de energia) 2, 8, 18, 19, 9, 2 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação 4, 3, 2 (óxido ligeiramente alcalino)
Óxido
Estrutura cristalina cúbico de faces centradas
Propriedades físicas
Estado da matéria sólido
Ponto de fusão 1071 K
Ponto de ebulição 3699 K
Entalpia de fusão 5,46 kJ/mol
Entalpia de vaporização 414 kJ/mol
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Pressão de vapor 100 Pa a 2442 K
Velocidade do som 2100 m/s a 20 °C
Classe magnética
Susceptibilidade magnética
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie  K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling) 1,12
Calor específico J/(kg·K)
Condutividade elétrica 1,15 x 106 S/m
Condutividade térmica 11,4 W/(m·K)
Potencial de ionização 534,4 kJ/mol
2º Potencial de ionização 1050 kJ/mol
3º Potencial de ionização 1949 kJ/mol
4º Potencial de ionização 3547 kJ/mol
5º Potencial de ionização kJ/mol
6º Potencial de ionização kJ/mol
7º Potencial de ionização kJ/mol
8º Potencial de ionização kJ/mol
9º Potencial de ionização kJ/mol
10º Potencial de ionização kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Meia-vida MD Ed PD
MeV
134Ce Sintético 3,16 d ε 0,500 134La
136Ce 0,185% estável com 78 neutrões
138Ce 0,251% estável com 80 neutrões
139Ce Sintético 137,640 d ε 0,278 139La
140Ce 88,450% estável com 82 neutrões
141Ce Sintético 32,501 d β- 0,581 141Pr
142Ce 11,114% >5·1016 a β- ? 142Nd
144Ce Sintético 284,893 dias β- 0,319 144Pr
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

O cério (do latim "cerium", em homenagem ao asteróide Ceres), é um elemento químico de símbolo Ce , número atômico 58 (58 prótons e 58 elétrons) com massa atómica 140,1 u. É um elemento metálico da série transição interna (terra rara , lantanídio) encontrado principalmente nos minerais monazita e bastnasita. À temperatura ambiente, o cério encontra-se no estado sólido.

É usado principalmente na forma de ligas para a produção de pedras de ignição de isqueiros e eletrodos de arco de grafite na indústria cinematográfica. O seu óxido é usado como catalisador em fornos auto-limpantes e na indústria do petróleo. O seu sulfato é um forte agente oxidante usado em análises químicas volumétricas.

Foi descoberto em 1803 pelo sueco Jöns Jacob Berzelius.

Características principais[editar | editar código-fonte]

O cério é um elemento metálico prateado, pertencente a série química transição interna ( terra rara , lantanídio ). É usado em algumas ligas terras raras. Assemelha-se ao ferro na cor e no brilho, mas é macio, maleável e dúctil. Perde o lustre rapidamente em presença do ar.

Somente o európio é mais reativo entre os elementos terras raras. As soluções alcalinas e os ácidos diluídos e concentrados atacam o metal rapidamente. O metal puro pode inflamar-se quando riscado com uma faca. O cério reage lentamente em água fria e rapidamente em água quente.

Devido a distribuição eletrônica no subnível 4f e de outros orbitais mais externos, o cério exibe características químicas interessantes. Por exemplo, a compressão ou refrigeração do metal pode modificar o seu estado de oxidação de +3 a +4.

O cério com estado de oxidação +3 é denominado ‘’’ceroso’’’ , quando apresenta estado de oxidação +4 de ‘’’cérico’’’.

Os sais de cério IV ( céricos ) são vermelhos, alaranjados ou amarelos, e os de cério III (cerosos) são geralmente brancos.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

  • Em metalurgia:
    • É usado para a produção de ligas de alumínio, aços e ferros..
    • Adicionar cério ao ferro fundido para produzir ferro maleável.
    • No aço o cério pode ajudar a reduzir sulfatos e óxidos.
    • O cério é usado em aço inoxidável como agente endurecedor.
    • 3 a 4% de cério são adicionados a ligas de magnésio para dar resistência ao calor..
    • O cério é usado nas ligas que são usadas para a produção de imãs permanentes
    • O cério é um componente de ligas pirofosfóricas usados para a produção de pedras de isqueiros.
  • Óxido de cério
    • O óxido foi usado em mantas ( camisas ) de lampiões à gás
    • O óxido está emergindo como catalisador de hidrocarbonetos em fornos auto-limpantes, incorporado nas paredes do forno.
    • O óxido de cério é usado como abrasivo na indústria de polimento de vidros..
    • O óxido de cério está encontrando uso como catalisador no craqueamento e refinamento do petróleo
  • O cério é usado em lâmpadas de arco de carbono, principalmente na indústria cinematográfica.
  • O sulfato cérico é usado extensivamente como agente oxidante em análises quantitativas volumétricas:( titulação volumétrica ).
  • Compostos de cério são usados na manufatura do vidro , tanto como componente como descorante.
  • Compostos de cério são usados para a coloração de esmalte
  • No vidro, o óxido de cério permite a absorção da luz ultravioleta.
  • Compostos de cério III e cério IV são usados para catalisar sínteses orgânicas.
  • É usado como componente do cristal de cintilação em câmera gama de última geração em medicina nuclear.

História[editar | editar código-fonte]

O cério foi descoberto na Suécia por Jöns Jacob Berzelius e Wilhelm von Hisinger, e independentemente na Alemanha por Martin Heinrich Klaproth, ambos em 1803.

O cério foi assim nomeado por Berzelius em homenagem ao asteróide Ceres descoberto dois anos antes (1801). O metal foi isolado em 1875 por Norton e Hillebrand.

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

O cério é o mais abundante entre os elementos terras raras, perfazendo aproximadamente 0.0046% da crosta terrestre. É encontrado em vários minerais incluindo a alanita ( ortita - ( Ca, Ce, La, Y )2( Al, Fé )3( SiO4 )3( OH ), monazita ( Ce, La, Th, Nd, Y )PO4, bastnasita( Ce, La, Y )CO3F, hidroxilbastnasita ( Ce, La, Nd )CO3(OH, F), rabdofano ( Ce, La, Nd )PO4-H2O, e sinquisita Ca( Ce, La, Nd, Y )( CO3 )2F. A monazita e a bastnasita são atualmente as duas mais importantes fontes de cério.

O cério é preparado geralmente através de um processo de trocas de íons que usa areias monazíticas como fontes de cério. Grandes depósitos de monazita, alanita e bastnasita fornecerão cério, tório e outros metais terras raras durante muitos anos.

Os mais importantes depósitos de areias monazíticas são encontradas nos Estados Unidos ( Idaho-Montana e Flórida ), Brasil ( Espírito Santo e Catalão-Ouvidor ), Austrália, África do Sul e Índia. A bastnasita é encontrada principalmente na Califórnia ( Estados Unidos ).

Compostos[editar | editar código-fonte]

O cério tem dois estados de oxidação, 3+ e 4+. O composto mais comum de cério é o óxido de cério IV ( CeO2 ), usado como "jeweller's rouge" e nas paredes de alguns fornos auto-limpantes. Dois agentes oxidantes comuns usados em titulometria são o sulfato de cério (IV) e amônio, ( NH4 )2Ce( SO4)3 ) e o nitrato de cério (IV) e amônio ou CAN, ( NH4 )2Ce( NO3 )6 ).

O cério forma também um cloreto, CeCl3 ou cloreto de cério (III), usado para facilitar reações em grupos carbonilas em química orgânica. Outros compostos de cério são o carbonato de cério (III) ( Ce2( CO3 )3 ), o fluoreto de cério (III) ( CeF3 ), e o sulfato de cério (IV) , Ce( SO4 )2 .

Isótopos[editar | editar código-fonte]

O cério natural é composto por 3 isótopos estáveis e um radioisótopo: Ce-136, Ce-138, Ce-140, e Ce-142, sendo o Ce-140 o mais abundante (88.48% ). 27 radioisótopos tem sido caracterizados, sendo os mais estáveis e/ou abundantes o Ce-142 com uma meia-vida acima de 5 x 1016 anos, o Ce-144 com uma meia-vida de 284.893 dias, o Ce-139 com uma meia vida de 137.640 dias, e o Ce-141 com uma meia-vida de 32.501 dias. Todos os demais radioisótopos tem meias-vidas inferior a 4 dias e, destes, a maioria com períodos de semi-desintegração abaixo de 10 minutos. Este elemento apresenta, também, 2 isótopos meta estáveis.

As massas atômicas dos isótopos de cério variam de 123 u ( Ce-123 ) até 152 u ( Ce-152 ).

Precauções[editar | editar código-fonte]

O cério, como todos os metais terras raras, apresenta uma toxicidade de moderada a baixa. O cério é um forte agente redutor e inflama-se espontaneamente com o ar entre 65 °C e 80 °C. O cério pode reagir explosivamente com o zinco, e suas reações com bismuto e antimônio são muito exotérmicas. As emanações da combustão do cério são muito tóxicas. A água não deve ser usada como extintor na queima do cério porque este metal reage com a água e com o gás hidrogênio resultante. Trabalhadores expostos ao cério apresentaram coceiras, sensibilidade ao calor e lesões na pele. Animais injetados com altas doses de cério morreram devido a colapsos cardiovasculares O óxido de cério IV é poderoso agente de oxidação em altas temperaturas e reagirá com os materiais orgânicos combustíveis. Quando o cério não é radioativo, a classe comercial impura pode conter tório, que é radioativo. O cério não apresenta nenhuma função biológica conhecida.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Cério