Códice Gnóstico de Berlim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Códice Gnóstico de Berlim (ou somente Códice de Berlim), também conhecido como Códice Akhmim, classificado como Papyrus Berolinensis 8502 (BG 8502), é um manuscrito copta do século V dC (possivelmente do final do século IV), descoberto em Akhmim, Egito.

História[editar | editar código-fonte]

No Cairo, em janeiro de 1896, Carl Reinhardt comprou o códice, recém descoberto envolto em penas num nicho de uma parede de uma sepultura Cristã. Era um códice escrito no dialeto sahídico do copta, que era de uso corrente no Egito naquele tempo.

Ele foi enviado para Berlim para o Berliner Museen, onde chamou a atenção da Academia de Ciências da Prússia através de Carl Schmidt, em julho. Ele traduziu e publicou os Atos de Pedro em 1903[1] e a Sophia de Jesus Cristo em 1907. Porém, o conteúdo gnóstico do Códice de Berlim só foram totalmente traduzidos em 1954.[2] Poucas pessoas prestaram atenção nele até os anos 70, quando uma nova geração de estudiosos do Cristianismo primitivo retomaram o interesse no assunto na onda da tradução dos textos gnósticos descobertos na mais famosa Biblioteca de Nag Hammadi em 1945.[3]

O Códice[editar | editar código-fonte]

O "Códice de Berlim" é formado por um conjunto de folhas costuradas juntas, envolto por tábuas cobertas com um couro que não parece curtido, nem pergaminho e nem pele descolorida quimicamente.[4]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Quatro textos estão costurados juntos. Todos são trabalhos gregos traduzidos para o copta. O primeiro, em duas seções, é o Evangelho de Maria, fragmentado, e para o qual este é o manuscrito principal. Embora as páginas sobreviventes estejam bem preservadas, o texto não está completo e é perceptível pelo que foi encontrado que o Evangelho de Maria continha originalmente dezenove páginas. Estão faltando as páginas 1-6 e 11-14.

O Códice também contém o Apócrifo de João, Sophia de Jesus Cristo e uma epítome do Atos de Pedro. Estes textos são frequentemente discutidos junto com os textos mais antigos de Nag Hammadi.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Schmidt, Carl. Die alten Petrusakten (em <código de língua não-reconhecido>). Leipzig: [s.n.], 1903.
  2. Till, W.. Die gnostischen Schriften des Koptischen Papyrus Berlinensis 8502 (em <código de língua não-reconhecido>). Berlim: Akademie-Verlag, 1954.
  3. Secret books (em inglês) J. R. Ritman Library. Visitado em 30/08/2010.
  4. A encadernação é discutida em detalhes em Myriam Krutzsch e Günter Poethke. (1984) "Der Einband des koptisch-gnostischen Kodex Papyrus Berolinensis 8502, Forschungen und Berichte" (em alemão). Archäologische Beiträge (24)., páginas 37-40 e tabelas T5-T6.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]