Cólera (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Cólera
Cólera.jpg
Cólera ao vivo em 1985.
Informação geral
Origem São Paulo, São Paulo
País BRA
Gênero(s) Punk rock
hardcore punk
Período em atividade 1979 - atualmente
Gravadora(s) Ataque Frontal
A. Indie Records
Devil Discos
Página oficial Bandacoleraoficial
Integrantes Val>Baixo

Pierre>Bateria Wendel>vocal Fábio>Guita

Ex-integrantes Redson Pozzi> Fundador e letrista da banda.

Elinho> Primeiro Guitarrista. Fábio Bossi>Baixista. JB>Baixista

A Cólera é das primeiras bandas brasileiras de punk rock, formada em São Paulo no ano de 1979.

História[editar | editar código-fonte]

Formada em 1979, pelos irmãos Edson "Redson" Lopes Pozzi (baixo e vocais) e Carlos "Pierre" Lopes Pozzi (bateria) acompanhados de Kinno (vocais) e Hélinho (guitarra), o Cólera se tornaria uma das bandas de maior longevidade no cenário punk brasileiro.

Inicialmente influenciada pelo existencialismo rústico da vila carolina as letras traziam um pouco das idéias do Condutores de Cadáver, banda da qual Hélinho participou. Hélio escrevia versos como "agitação, revolução destruição eu quero ver", algo que na fase madura da banda seria trocado por "Pela Paz em todo o Mundo".

O resgate da produção musical desse período da banda seria feito em 2006 com disco Primeiros Sintomas, do qual Hélinho também participou.

Por volta de 1981, Hélio e Kino saem da banda, e entra Valdemir "Val" Pinheiro.[1] assumindo o Baixo e Redson foi para a Guitarra e vocal.

A partir daí o Cólera encontrou sua mensagem numa postura pacifista, antimilitarista e ecológica.

Em 1982, participaram da compilação Grito Suburbano[1] , com as bandas Inocentes e Olho Seco.

Nesse mesmo ano, participam do festival O Começo do Fim do Mundo[1] no SESC Pompéia em São Paulo, e participam das compilações internacionais em K7 Punk Is... e Hardcore or What? do selo XCentric Noise Records.

Em 1983, Redson cria o selo Estúdios Vermelhos e lança a compilação SUB, que conta com o Cólera, além das bandas Ratos de Porão, Psykóze e Fogo Cruzado. Nesse mesmo ano, participam do álbum-compilação internacional Beating the Meat do selo XCentric Noise Records.

Em 1984, lançam a demo-tape 1.9.9.2..

Em 1985, Redson muda o nome do selo para Ataque Frontal e lança o álbum de estréia do Cólera, Tente Mudar o Amanhã.[1] No mesmo ano o show de lançamento do álbum no Lira Paulistana é gravado, e sai no formato split-LP com a banda Ratos de Porão e o selo também lança a compilação Ataque Sonoro que inclui músicas da banda.

Em 1986, lançam o álbum Pela Paz em Todo Mundo, que foi um recordista de vendas em se tratando de um produção independente: 85 mil cópias[1] , e participam da compilação internacional Empty Skulls, vol. 2 do selo Fartblossom Enterprizes. Também sai pelo selo Hageland Records, o EP Dê o Fora.

Em 1987, lançam o EP É Natal!!? e tornaram-se a primeira banda de punk rock do Brasil a excursionar pela Europa, num circuito alternativo, pelo underground punk europeu[1] , tocando em squats com bandas como a alemã Inferno e a inglesa Disorder, entre outras.

Voltam para o Brasil sem dinheiro e param de lançar seus álbuns independentes. Isso faz com que os próximos álbuns só saiam em 1989, quando foi lançado o álbum ao vivo European Tour '87 e o vídeo 20 Minutos de Cólera, ambos com gravações dos shows da turnê européia, lançados pela A. Indie Records. Também é lançado esse ano, o álbum de estúdio Verde, Não Devaste! pela Devil Discos.[1] Durante esse intervalo entre os álbuns fazem diversos shows com a banda brasiliense Plebe Rude.

Em 1992, é lançado o álbum Mundo Mecânico, Mundo Eletrônico[1] pela Devil Discos, que conta com a regravação da música "1.9.9.2." do primeiro álbum.

Somente em 1998, foi lançado um novo álbum, Caos Mental Geral.[1]

Em 2000, a banda ficaria em evidência com a regravação da música "Medo" pelo Plebe Rude em seu álbum ao vivo Enquanto a Trégua não Vem, e pela regravação da música "Quanto Vale a Liberdade?" pelos Inocentes em seu álbum O Barulho dos Inocentes.[1]

Em 2002, é lançado o álbum 20 Anos ao Vivo, e em 2004 o álbum de estúdio Deixe a Terra em Paz!.[1]

Em 2006, é lançado o álbum Primeiros Sintomas com gravações de 1979 e 1980. Nesse ano, o baixista Fábio sai da banda, sendo subtituido pelo antigo baixista, Val.[1]

Em 2008, fizeram outra turnê européia, comemorando os 29 anos de banda.[1]

Em 2009, deram início a turnê 30 Anos Sem Parar! pelo Brasil, comemorando os 30 anos de banda.[1]

Na madrugada de 27 de setembro de 2011, por volta das 00:30 hs, foi informada a morte de Redson, que segundo a fotógrafa da banda Renata Lacerda, veio a falecer devido à uma hemorragia interna, causada por uma úlcera no estômago[2]

Em 2012 um ano após a morte de Redson, a banda anuncia um novo vocalista e resolve continuar com as atividades.

O novo vocal da banda foi assumido por Wendel Barros ex roadie, e tbm vocalista da banda sociedade sem hino aluno e amigo de Redson Pozzi.

O mesmo foi bem aceito e se encaixou perfeitamente de acordo com os antigos parâmetros da banda.

Em 2013 os integrantes da banda Excomungados lançam um projeto de CD duplo juntamente com outras bandas do punk nacional em homenagem a Redson, e o falecido integrante da banda Excomungados Johni Raoni Galanciak.

A banda segue em frente e lançará novo àlbum com inéditas até o final de 2015
Ficheiro:Cólera formação original.jpg
Cólera com a sua formação original: Pierre (Bateria), Redson (Vocal e Guitarra), Val (Baixo).
Ficheiro:Colera2.jpg
Formação de 2012: Anselmo (Guitarra), Wendel (Vocal), Pierre (Bateria), Val (Baixo)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

EPs[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

  • Ataque Frontal (LP, 2000, Order & Progress Records) [Bootleg]
  • Grito Suburbano - The Best of (CD e LP, 2004, Dirty Faces)
  • Primeiros Sintomas (CD, 2006)

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • Grito Suburbano (LP, 1982, Punk Rock Discos)
  • Punk Is... (K7, 1982, Xcentric Noise Records)
  • Hardcore or What? (K7, 1982, Xcentric Noise Records)
  • SUB (LP, 1983, Estúdios Vermelhos)
  • O Começo do Fim do Mundo (LP, 1983, SESC)
  • Volks Grito (LP, 1984, Vinyl Boogie)
  • Beating The Meat (LP, 1984, Xcentric Noise Records)
  • Tropical Viruses #1 (K7, 1984, BCT)
  • Tropical Viruses #2 (K7, 1984, BCT)
  • Ataque Sonoro (LP, 1985, Ataque Frontal)
  • Empty Skulls, vol.2 (LP, 1986, Fart Blossom Enterprises)
  • Let's Get Pissed - It's Christmas, vol. 2 (LP, 1986, Cult Records)
  • Bunker (7" EP, 1987, Bunker Musyk)
  • 1984, The Third Sonic World War (2xLP, 1988, New Wave Records)
  • Tributo ao Olho Seco (CD, 2000, Redstar Records)
  • Compilação Beneficente PEA (CD, 2005)

Videografia[editar | editar código-fonte]

VHS[editar | editar código-fonte]

  • 20 Minutos de Cólera (1989, A. Indie Records)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]