Cú Chulainn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cúchulainn e Emer por H.R.Millar (1905).

Na mitologia irlandesa Cú Chulainn (Cão de Culann em irlandês; também escrito Cúchulainn, Cú Chulaind, Cúchulain, ou Cuchullain; conhecido na infância como Sétanta ["chei-dan-ta"]) é uma lenda do folclore irlandês e o grande herói do Ulster no Ciclo do Ulster. Sua mãe foi Deichtine, irmã mais nova do rei Conchobar mac Ness; seu pai foi ou o deus Lug ou o marido mortal de Deichtire, Sualtam, e seu padrasto foi Fergus mac Róich. Seu cocheiro, Láeg, sempre está presente ao seu lado. Ele também aparece no folclore escocês e no folclore da Ilha de Man.

Cú Chulainn hoje[editar | editar código-fonte]

A imagem de Cú Chulainn é invocada tanto por nacionalistas irlandeses quanto por unionistas do Ulster, em murais, poesia, literatura e outras formas de arte. Os nacionalistas irlandeses o vêem como o mais importante herói céltico irlandês e, por conseguinte, como o mais importante de toda a sua cultura. Uma escultura de Cú Chulainn agonizante feita por Oliver Sheppard foi colocada em frente ao General Post Office de Dublin em comemoração à Revolta da Páscoa de 1916. Por contraste, os unionistas o vêem como o homem do Ulster que defende a província de seus inimigos do sul; por exemplo, um mural na Estrada Newtownards em Belfast Leste, ironicamente baseada na escultura de Sheppard, descreve-o como o "defensor do Ulster contra os ataques irlandeses".

Na Associação Nacional dos Escoteiros da Irlanda, a mais alta condecoração é a Ordem de Cú Chulainn, que consiste numa fita comemorativa com um cão de caça pendente. O Serviço Naval Irlandês possuía um barco cujo nome fazia uma referência ao herói, o LÉ Setanta, que foi vendido em 1980.

A história de Cú Chulainn foi contada na tradução inglesa de Lady Gregory em seu livro de 1902 intitulado Cuchulain of Muirthemne. Foi também assunto em 1989 do romance de ficção histórica Red Branch, de Morgan Llywelyn e de uma série de adaptações de Randy Lee Eickhoff. O conto de Cú Chulainn consumido pela enfermidade fornece o título da canção do The Pogues, "The Sickbed of Cuchulainn", de seu álbum Rum, Sodomy, and the Lash, enquanto o tema de abertura de Jeff Danna para o filme Boondock Saints de 1999, é denominado "The Blood of Cuchulainn".

Cú Chulainn na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • Em Final Fantasy XII, há um Esper chamado Cúchulainn e em Final Fantasy Tactics ele é o primeiro demônio Lucavi que se deve derrotar.
  • Na série de jogos Shin Megami Tensei, Cuchulainn é um dos demônios que pode ser invocado para participar do time do protagonista. Em Persona, spin-off da série principal, Cuchulainn é um dos Personas que pode ser invocado pelo protagonista.
  • Na visual novel Fate/stay night, assim como no anime, Cúchulainn é evocado como lancer na 5° Guerra pelo Santo Gral.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • The Tain, traduzido por Thomas Kinsella do Táin Bó Cuailnge, Oxford University Press, 1969. ISBN 0-19-281090-1
  • Simon James, The World of the Celts, Thames and Hudson Ltd, Londres, 1993. ISBN 0-500-05067-8

Ligações externas[editar | editar código-fonte]