Colégio Técnico da UFMG

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de COLTEC)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
COLTEC - UFMG
Colégio Técnico da UFMG
Logo UFMG
Tipo Pública federal
Fundação 1969 (46 anos)
Localização Brasao de Belo Horizonte.png Belo Horizonte, Minas Gerais,  Brasil
Bairro Pampulha
Endereço Av. Antônio Carlos, 6627
CEP 31270-901
Cursos oferecidos ensino médio, ensino técnico
Diretor(a) Professor Adriano Borges da Cunha
Vice-diretor(a) Professor Carlos Eduardo Porto
Mantenedor(a) Coat of arms of Brazil.svg Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Mensalidade gratuito (exame de seleção: regular e pós-médio no Sisutec)[1]
Orçamento anual R$4 328 268,54 (2013)[2]
Página oficial www.coltec.ufmg.br
Contato (31) 3409-4964
Colégio Técnico em 2006, ainda sem as grades em volta da instituição.

O Colégio Técnico da UFMG[nota 1] [4] (Coltec) é uma escola pública federal brasileira de ensino médio técnico. Foi inaugurado em 1969, fruto da celebração de um convênio entre o Conselho Britânico e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com o objetivo de formar técnicos para atender à demanda do mercado de trabalho.

O colégio oferece cinco cursos técnicos integrados: Química, Informática, Automação Industrial (antiga Instrumentação), Eletrônica e Análises Clínicas (antiga Patologia Clínica).[5] [nota 2] Esses cursos contemplam as disciplinas do ensino médio e disciplinas técnicas. A quem já tenha concluído o ensino médio o Coltec oferece cursos técnicos subsequentes,[9] que são cursos técnicos cujo programa contempla exclusivamente disciplinas técnicas (não há disciplinas do ensino médio). Esses cursos são ofertados por intermédio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) do Coltec. Nos cursos subsequentes de Radiologia e Enfermagem lecionam professores do curso superior de graduação em Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, e também membros de Conselhos Regionais.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

1969–2000[editar | editar código-fonte]

Sediado no prédio mais antigo do campus Pampulha (antigo Instituto de Mecânica),[10] o Coltec UFMG foi inaugurado em 1969 durante a gestão do reitor Gerson Boson, o Coltec foi planejado durante a gestão anterior, conduzida pelo professor Aluísio Pimenta. De acordo com a pesquisa realizada pela professora de História Anny Jackeline Torres Silveira, a iniciativa não foi isolada: ela estava inserida em um plano de reestruturação geral da UFMG que deu origem a novas unidades acadêmicas. Porém, possuía um caráter bastante particular: deveria atender à necessidade de formação profissional.[11]

A oferta de cursos adequava-se à proposta de preparação de técnicos e especialistas necessários às universidades, à indústria, aos serviços de saúde e às pesquisas científicas e tecnológicas”, relata texto produzido pela pesquisadora.
 
Anny Jackeline Torres Silveira[11] .

Esse objetivo foi concretizado por intermédio de um convênio firmado entre o Conselho Britânico, a UFMG, o MEC e o CNPq, no final dos anos 60. De acordo com a pesquisadora, o apoio dos ingleses incluía serviço de aconselhamento especializado, treinamento de pessoal brasileiro em instituições inglesas e fornecimento de equipamentos e capital para instalação de laboratórios.

O projeto da nova escola propunha uma aprendizagem de qualidade, através do método empírico, valorizando o contato mais próximo entre alunos e professores.
 
Anny Jackeline Torres Silveira[11] .

Em 1972 esse convênio quádruplo foi prorrogado por mais cinco anos, até que em 1977 o Coltec se emancipou do Conselho Britânico e passou à gestão do Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais (antigo Colégio de Aplicação da UFMG), mantido pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE).[12]

Até 1997, o Colégio Técnico da UFMG ofereceu quatro cursos técnicos de nível médio na modalidade integrado: Eletrônica, Patologia Clínica, Instrumentação e Química. Os alunos estudavam em horário integral. Com a publicação da Portaria UFMG nº 646, de 14 de maio de 1997, o colégio passou a oferecer ensino profissional de nível técnico concomitante ao ensino médio: o aluno passou então a poder se formar separadamente no ensino médio ou ensino técnico.

Em 1998, o colégio passou a oferecer durante a noite o ensino médio para adultos que não haviam completado o ensino básico: o Projeto de Ensino Médio de Jovens e Adultos (PEMJA), similar à Educação de Jovens e Adultos (EJA).[nota 3] No mesmo ano foi instituído o Programa de Vocação Científica (PROVOC), em parceria com o Centro de Pesquisas René Rachou (Fiocruz Minas Gerais), como uma forma de disponibilizar bolsas de iniciação científica júnior.[13] O programa que já existia desde 1986 na Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro, mas até então não existia em nenhuma escola de Minas Gerais.

Reformas em 2009 ao redor do Coltec (edifício ao fundo), para instalação de grades em volta do colégio e remodelagem do estacionamento, que é compartilhado com a Escola de Engenharia da UFMG.

2001–atual[editar | editar código-fonte]

Com a publicação da Resolução UFMG nº 5, de 3 de maio de 2007, o Coltec passou a ser subordinado à Escola de Educação Básica e Profissional (EBAP) e então o Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais passou a ser apenas o nome da escola fundamental da EBAP. Com isso, o nome do colégio foi alterado de Colégio Técnico do Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais para o atual Colégio Técnico da UFMG.[3]

Até 2008 o Coltec possuía 4 cursos técnicos integrados. Em 2008, com a construção do anexo da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, a entrada do estacionamento do colégio passou a ser por trás do colégio, não mais pela frente. No final desse mesmo ano foi aprovado o curso técnico de Informática, que começou a funcionar a partir do ano letivo de 2009. Em 2009 algumas alterações elevaram de 136 para 176 o número de vagas para os cursos técnicos integrados, e os cursos de Instrumentação e Patologia Clínica foram renomeados respectivamente para Automação Industrial e Análises Clínicas. O ensino médio também voltou a ser integrado ao técnico.

Os cursos profissionalizantes (cursos técnicos subsequentes) estão estruturados sobre uma base de conhecimentos gerais e específicos e possuem carga horária máxima total de 3 618,8 h: 2 622,8 h (72%) destinadas ao núcleo comum (conhecimentos gerais) e 996 h (28%) à formação profissional específica (conhecimentos específicos).[carece de fontes?] Para a conclusão da formação profissional o estudante deve cumprir 320 horas de estágio obrigatório.[14]

Cursos técnicos[editar | editar código-fonte]

Curso técnico integrado[editar | editar código-fonte]

Nessa modalidade, o aluno realiza o curso técnico integrado ao ensino médio. O curso técnico é aquele selecionado pelo aluno durante o processo seletivo de ingresso ao Coltec.

Curso técnico subsequente[editar | editar código-fonte]

Nessa modalidade, o aluno aprovado no processo seletivo e portador do certificado de conclusão do ensino médio ou equivalente pode iniciar o curso técnico pretendido. Não há disciplinas do ensino médio.

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Uma das entradas do Colégio Técnico da UFMG.

Desde sua fundação, o Coltec tem atuado com o propósito de ser referência para as demais escolas do país. Sua influência tem sido justificada em função de sua organização, crescente qualificação de seu pessoal docente e técnico, infraestrutura de seus laboratórios e, principalmente, seu projeto educativo, que possibilita a formação do estudante de nível médio e técnico com uma significativa base científica, experimental e humanística, além do contato permanente com instrumentos e técnicas atualizadas.

O Coltec mantém sua relevância histórica no cenário educacional brasileiro com a adoção de uma metodologia de atuação solidária às necessidades da formação do aluno, ao desenvolvimento de seu potencial, à realização de seu projeto de vida e à atuação competente no campo do trabalho. Alguns dos principais objetivos da proposta político-pedagógica do Coltec incluem:

  • Formar profissionais técnicos de nível médio habilitados a exercer sua profissão de maneira destacada.
  • Possibilitar interações com as unidades acadêmicas da UFMG responsáveis pela formação dos professores da educação básica, no desenvolvimento de projetos pedagógicos inovadores, na realização de diagnósticos das práticas docentes e na identificação de problemas e alternativas de solucionamento, de modo a consolidar a estreita relação que há e deve existir entre ensino, pesquisa e extensão, na educação básica e superior.
  • Progressivamente expandir a área de abrangência da educação profissional do Coltec, de modo a consolidá-lo como centro de referência em educação profissional de nível médio que prioriza práticas docentes favoráveis ao pleno desenvolvimento do aluno.[12]

Cursos técnicos subsequentes por eixos tecnológicos[editar | editar código-fonte]

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) do Coltec disponibiliza os seguintes cursos técnicos subsequentes por área tecnológica:[9]

Ambiente, Saúde e Segurança


  • Agente Comunitário de Saúde
  • Análises Clínicas
  • Controle Ambiental
  • Cuidados de Idosos
  • Enfermagem
  • Estética
  • Meio Ambiente
  • Prótese Dentária
  • Radiologia
  • Reabilitação de Dependentes Químicos
  • Registros e Informações em Saúde
  • Vigilância em Saúde
Desenvolvimento Educacional


  • Alimentação Escolar
  • Biblioteca
  • Infraestrutura Escolar
  • Secretaria Escolar
Controle e Processos Industriais


  • Análises Químicas
  • Eletrônica
  • Eletrotécnica
  • Mecânica
  • Refrigeração e Climatização
Gestão e Negócios


  • Administração
  • Logística
Produção Cultural e Design


  • Conservação e Restauro
  • Fabricação de Instrumentos Musicais
  • Instrumento Musical
Informática e Comunicação


  • Informática
  • Rede de Computadores
Infraestrutura


  • Aeroportuário
  • Edificações
  • Estradas
Produção Alimentícia


  • Alimentos
Recursos Naturais


  • Agropecuária

Pesquisa e Iniciação Científica Júnior[editar | editar código-fonte]

O Programa de Iniciação Científica Júnior da UFMG (PIC JR), coordenado pelo Colégio Técnico da UFMG em parceria com a Pro Reitoria de Pesquisa e custeado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e pela Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais, oferece para alunos de ensino médio e profissional a oportunidade de participar de atividades de pesquisa no âmbito da UFMG e, nesse contexto, desenvolver pensamento analítico, senso crítico e criatividade científica a partir das condições criadas pelo confronto direto com os problemas de pesquisa. O programa oferta bolsas de R$ 100,00 com duração de 12 meses.[15]

Na área de desenvolvimento e pesquisa, uma vem se destacando: com o objetivo de proporcionar um tratamento mais efetivo para as leishmanioses, através do uso de substâncias purificadas a partir extrato do cogumelo do Sol Agaricus blazei, vem sendo realizados por um grupo de professores da UFMG, Coltec, Instituto de Ciências Biológicas e da PUC Minas, testes no Laboratório de Biotecnologia Aplicada ao Estudo das Leishmanioses, situado no Setor de Patologia Clínica do Coltec, sob a supervisão de um professor do colégio com a colaboração de outros professores. O Coltec contribuiu com a infraestrutura e investimento parcial no projeto. A pesquisa vem rendendo publicações em sites e revistas de abrangência nacional e internacional.[16]

O Coltec também disponibiliza frequentemente cursos de extensão (curta duração) nas áreas de Informática, Língua Estrangeira, Música, Dança, Esportes e Tecnologia de materiais, como exemplo, o Coli (Coltec Idiomas), que trata-se de uma iniciativa do Setor de Língua Estrangeira do Coltec e tem por finalidade oferecer o ensino de língua inglesa, tanto para o público infanto-juvenil, quanto para o público adulto.[17]

Setores acadêmicos[editar | editar código-fonte]

O Coltec possui 13 setores acadêmicos responsáveis pela gestão dos cursos (integrais e subsequentes) oferecidos:

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

O Colégio Técnico da UFMG (Coltec) está entre as 4 melhores escolas públicas do Brasil, de acordo com o resultado do exame nacional do ensino médio de 2013. O Coltec aparece na 4ª posição do ranking das melhores escolas públicas do país, segundo dados do desempenho por escola divulgados pelo Ministério da Educação (MEC). Em âmbito estadual, o Coltec aparece como a 3ª melhor instituição pública do estado de Minas Gerais e, em âmbito municipal, é a melhor instituição pública de Belo Horizonte, ocupando a 1ª colocação no ranking.[18] [19] [20]

Com o respaldo de uma das mais renomadas universidades do país (UFMG), o Coltec vem ao longo dos anos demonstrando ser umas das melhores instituições de ensino do Brasil, alcançando excelentes resultados em avaliações de desempenho. Em 2011, o Colégio Técnico da UFMG (Coltec) apareceu na 8ª posição do ranking das melhores escolas públicas do Brasil, segundo o Ministério da Educação (MEC). [21]

Anos antes, em 2008, o Colégio Técnico também já estava entre as melhores instituições públicas brasileiras de ensino, sendo apontado como a 11ª melhor escola pública do Brasil, e a 4ª do estado de Minas Gerais, segundo dados do INEP.[22]

Processo seletivo[editar | editar código-fonte]

Aqueles que querem se matricular devem fazer uma prova de seleção (anual), semelhante a um vestibular, da qual apenas 122 alunos são aprovados. O exame de seleção consiste em prova escrita com 60 questões de múltipla escolha sobre as seguintes matérias: Língua Portuguesa, Ciências Naturais, Matemática, Geografia e História Geral e do Brasil.[23] A prova é um processo de seleção tão (ou mais) concorrido quanto diversos vestibulares de universidades,[24] chegando há ter 40 candidatos por vaga.[25] No ano de 2015, o número de candidatos por vaga chegou a 37,3 na modalidade livre concorrência.[26]

Alternativamente, o aluno pode ingressar caso haja se formado no ensino fundamental do Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais, ou ainda caso seja aprovado no processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec):[27] neste caso, o candidato usará a nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).[28]

Relação Candidato/Vaga - Processo Seletivo COLTEC UFMG 2015.[26]
Vagas Candidatos Candidatos por Vaga
Téc. em Análises Clínicas - Livre Concorrência 13 557 42,85
Téc. em Automação Industrial - Livre Concorrência 13 433 33,31
Téc. em Eletrônica - Livre Concorrência 13 443 34,08
Téc. em Informática - Livre Concorrência 13 494 38
Téc. em Química - Livre Concorrência 13 503 38,69
Total 65 2430 37,3

Notas

  1. O nome oficial do colégio consta no anexo III da lei federal ordinária 11.892/08[3]
  2. Como ocorre com todos os nomes na língua portuguesa, as iniciais devem ser todas grafadas em caixa alta. Evidência documental disso é a norma brasileira denominada Resolução nº 1763/2005, do Conselho Federal de Medicina (CFM), na qual a Patologia Clínica é grafada com iniciais maiúsculas.[6] A Base XIX do Novo Acordo Ortográfico[7] e o usus na redação formal[8] reiteram a aplicação de iniciais maiúsculas a antropônimos, topônimos, nomes de disciplinas (áreas de estudo, ramos do saber humano), de ramos das artes, designações de títulos honoríficos etc.
  3. A este respeito, atente para o trecho da história do Coltec em que consta o que segue nesta Citação: o projeto de Ensino Médio para Jovens e Adultos (...) completou, em 2008, dez anos de funcionamento.[12]

Referências

  1. BRASIL. Coltec Colégio Técnico da UFMG. Visitado em 3 de janeiro de 2015.
  2. BRASIL. Gastos Diretos por Órgão Executor Portal da Transparência. Visitado em 3 de janeiro de 2015.
  3. a b BRASIL (29 de dezembro de 2008). Lei nº 11.892 Presidência da República. Visitado em 3 de janeiro de 2015. "Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências"
  4. BRASIL. Colégio Técnico da UFMG (COLTEC-UFMG) Ministério da Educação (MEC). Visitado em 4 de janeiro de 2015.
  5. BRASIL. Cursos técnicos Colégio Técnico da UFMG. Visitado em 4 de janeiro de 2015.
  6. BRASIL. Conselho Federal de Medicina (CFM). Resolução CFM nº 1763/2005. Visitado em 3 de janeiro de 2015. "Publicada no Diário Oficial da União de 9 de março de 2005, Seção I, págs. 189 a 192"
  7. BRASIL (29 de setembro de 2008). Decreto nº 6.583 Presidência da República. Visitado em 3 de janeiro de 2015. "Promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990"
  8. Letras maiúsculas e minúsculas – circunstâncias de uso Português. Visitado em 3 de janeiro de 2015.
  9. a b BRASIL. Cursos ofertados Colégio Técnico da UFMG. Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  10. BRASIL. . "História UFMG" (SHTML). Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  11. a b c BRASIL. (20 de abril de 2009). "Na idade da razão" (SHTML). Boletim da UFMG (1649). Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (ano nº 35). Visitado em 3 de janeiro de 2015.
  12. a b c BRASIL (2013). A História do Coltec Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Visitado em 3 de janeiro de 2015.
  13. Cirino, Priscila. (25 de novembro de 1998). "Pesquisa no Coltec – Quanto mais cedo melhor". Boletim da UFMG (1212). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (ano nº 25). Visitado em 3 de janeiro de 2015.
  14. BRASIL (2014). Informações Gerais e Normas (PDF) p. 10. 23 pp. Colégio Técnico da UFMG. Visitado em 3 de janeiro de 2015. "item 2.2 — Estágio Curricular Obrigatório"
  15. BRASIL (23 de outubro de 2014). Avaliação IV Seminário PIC JR - 2014. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  16. BRASIL (28 de março de 2011). Testes indicam que formulações feitas com o fungo apresentam vantagens em relação a fármacos já comercializados. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  17. BRASIL. Inglês - COLI - Coltec Idiomas - 1º semestre de 2012 - 2014. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  18. (22 de dezembro de 2014) "SP, RJ e MG reúnem maioria das cem melhores escolas; apenas 7 são públicas". Visitado em 28 de dezembro de 2014.
  19. (22 de dezembro de 2014) "Enem 2013 por Escola: conheça as 20 melhores de Minas Gerais". UOL Educação. São Paulo: Universo Online. Visitado em 28 de dezembro de 2014.
  20. (22 de de dezembro 2014) "Minas tem sete escolas entre as 20 melhores do Enem 2013". Estado de Minas. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  21. (23 de novembro de 2012) "Ensino público só emplaca escolas "modelo" entre as mil melhores no Enem 2011". UOL Educação. São Paulo: Universo Online. Visitado em 27 de dezembro de 2014.
  22. Calgaro, Fernanda. (28 de abril de 2009). "MEC divulga as melhores e as piores escolas no Enem 2008". G1. São Paulo: Globo. Visitado em 27 de dezembro de 2014.
  23. (04 de setembro de 2012) "UFMG abre na próxima semana inscrições para seleção do Coltec, Centro Pedagógico e TU.". Estado de Minas. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  24. (14 de setembro de 2006) "Processo seletivo concorrido". Universia. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  25. (11 de setembro de 2012) "Cota está indefinida nos colégios federais da capital". Estado de Minas. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  26. a b BRASIL. PROCESSO SELETIVO DO COLÉGIO TÉCNICO - COLTEC 2015. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  27. (14 de agosto de 2014) "MEC divulga a primeira chamada de aprovados no Sisutec". G1. Minas Gerais: Globo. Visitado em 23 de janeiro de 2015.
  28. (6 de dezembro de 2012) "UFMG divulga resultado do processo seletivo do Coltec para 2013". G1. Minas Gerais: Globo. Visitado em 3 de janeiro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons