CTE Babitonga (D-16)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
USS Alger (DE-101)
CTE Babitonga
CTE Babitonga (D-16).JPG
CTE Babitonga (D-16).
Carreira   Bandeira da marinha que serviu Estados Unidos
Operador  Marinha dos Estados Unidos
Fabricante Dravo Corporation, Estados Unidos
Homônimo Oficial naval Philip Rounsevile Alger
Batimento de quilha 2 de janeiro de 1943
Lançamento 8 de julho de 1943
Comissionamento 12 de novembro 1943
Descomissionamento 10 de março de 1945[1]
Fatalidade Transferido para a Marinha do Brasil em 10 de março de 1945
Carreira Flag of Brazil.svg Brasil
Nome CTE Babitomga (D-16)
Operador  Marinha do Brasil
Homônimo Baía da Babitonga
Comissionamento 10 de março de 1945
Descomissionamento 1964[1]
Fatalidade Vendido e desmanchado em 1964
Características gerais
Tipo de navio Contratorpedeiro de escolta
Classe Classe Bertioga
Tonelagem 1 240 t (1 620 t plena carga)
Largura 11, 2 m
Comprimento 93 m
Calado 2,7 m
Propulsão 4 x motores diesel-elétricos General Motors M 16-278A[1]
2 x eixos[1]
- 6 000 hp (4 470 kW)
Velocidade 21 nós
Autonomia 10 800 mn (velocidade 12 nós)
Tripulação 15 oficiais/201 marinheiros[2]
Notas
Indicativo de chamada na MB: PWIG[1]

O CTE Babitonga (D-16) foi um navio de guerra do tipo contratorpedeiro de escolta da Marinha do Brasil.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

Foi o primeiro navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil. Babitonga é uma baía do litoral de Santa Catarina, situada na foz do rio Palmital, junto a cidade de Joinville e a ilha de São Francisco do Sul.[3]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

O Babitonga foi construído pelo estaleiro Dravo Corporation, em Wilmington, Delaware. Esteve a serviço da Marinha dos Estados Unidos aonde recebeu o nome USS Alger (DE-101) no período de 2 de novembro de 1943 a 10 de março de 1945. Durante a Segunda Guerra Mundial atuou como navio de patrulhamento e escolta no litoral brasileiro e na região do Caribe.[2]

Marinha do Brasil[editar | editar código-fonte]

Foi transferido por empréstimo e incorporado à Marinha do Brasil em 10 de março de 1945, na Base Naval de Natal, no estado do Rio Grande do Norte, recebendo o indicativo de casco Be 7.[4]

Em junho de 1962 apresou ao longo do litoral do Rio Grande do Norte os navios lagosteiros da França, Plomarch e Lonk Ael. Em agosto do mesmo ano a corveta Ipiranga no litoral do Ceará, abordou os pesqueiros franceses Folgor e Françoise Christine. Estes incidentes fizeram parte de chamada Guerra da Lagosta.[5]

Foi devolvido aos Estados Unidos em 1964, para ser desmontado.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portais relacionados ao artigo

Referências

  1. a b c d e CTE Babitonga - Be 7/D 16/U 29, Classe Cannon - DET/ Bertioga Navios de Guerra Brasileiros. Visitado em 20 de março de 2015.
  2. a b c Mike Smolinski. USS Alger (DE 101) (em inglês) Navsource Naval History. Visitado em 19 de janeiro de 2015.
  3. Baía Babitonga Prefeitura Municipal de São Francisco do Sul. Visitado em 19 de janeiro de 2015.
  4. MB na Segunda Guerra Mundial Defesa BR. Visitado em 19 de janeiro de 2015.
  5. Kadu Queiroz (17 de junho de 2012). Operação Lagosta - A Guerra que não Aconteceu. Visitado em 19 de janeiro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre CTE Babitonga (D-16)