C Tamandaré (C-12)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Outubro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Cruzador Tamandaré (C-12)
O então USS St. Louis em 1944.
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Construção 1936-1938
Estaleiro Newport News Shipbuilding
Comissionamento 29 de janeiro de 1951
Descomissionamento 28 de junho de 1976
Patrono Almirante Tamandaré
Período de serviço 1951-1976
Outro(s) nome(s) USS St. Louis (CL-49)
Características gerais
Tipo de navio Cruzador
Comprimento 185,4 m
Velocidade 32,5 nós

O Cruzador Tamandaré (C-12) foi um navio de guerra da Marinha do Brasil. Fora adquirido, junto com o Cruzador Barroso (C-11), nos Estados Unidos, em 1951, onde o mesmo era denominado USS St. Louis (CL 49). Juntamente com o USS Helena (CL 50), possuía modernizações na parte de armamento antiaéreo e configuração do sistema de propulsão, em relação à classe Brooklyn (a qual pertencia o Cruzador Barroso).

Em serviço da Armada Estadunidense[editar | editar código-fonte]

O Cruzador Ligeiro USS St.Louis - CL 49, foi construído pelo estaleiro Newport News Shipbuilding & Drydock Co. Teve sua quilha batida em 10 de dezembro de 1936, foi lançado ao mar e batizado em 15 de abril de 1938, tendo como madrinha a Sra. Nancy Lee Morrill. A sua prontificação foi concluída em 10 de fevereiro de 1939 na Base Naval de Norfolk (Virginia), onde foi incorporado em 19 de maio de 1939. Naquela ocasião, assumiu o comando, o Capitão-de-Mar-e-Guerra (USN) Charles H. Morrison, que por coincidência era natural da cidade de St. Louis.[1]

Durante a Segunda Guerra Mundial operou na costa oeste e estava em Pearl Harbor durante o Ataque a Pearl Harbor, saindo praticamente ileso do mesmo. Depois de um período de reparos, esteve novamente operacional e participou com destaque das campanhas no pacífico durante a 2ª Guerra, sobretudo contra os japoneses. Pelo seu serviço na 2º Guerra Mundial, o St.Louis recebeu 11 Estrelas de Combate e 3 vezes a Citação Presidencial a Unidade (Presidential Unit Citation).

Em fevereiro de 1946, foi transferido para a Frota do Atlântico e, em 20 de junho, chegou à Philadelphia, para ser desativado e incorporado à 16º Esquadra (Reserva). Permaneceu atracado na Ilha de League até 1951, quando seu nome foi riscado da Lista de Navios da USN, sendo selecionado para transferência para a Marinha do Brasil, onde foi incorporado em 29 de janeiro de 1951, recebendo o nome de Cruzador Tamandaré – C 12.

A serviço da Marinha do Brasil[editar | editar código-fonte]

O cruzador Tamandaré (C-12) sendo escoltado pelos contratorpedeiros de classe Fletcher Pará (D-27), Paraíba (D-28), Paraná (D-29) e Pernambuco (D-30).

O navio foi transferido sob os Termos da Lei de Assistência Mútua, sendo submetido a Mostra de Armamento em 29 de janeiro de 1951 e incorporado 6 de fevereiro de 1952, em cerimônia realizada na Base Naval da Philadelphia.[2] Naquela ocasião, assumiu o comando o então Capitão-de-Mar-e-Guerra Paulo Bosísio.[3]

Participação no movimento de 11 de Novembro[editar | editar código-fonte]

Este episódio ficou marcado devido aos tiros efetuados a partir de fortes do exército no Rio de Janeiro contra a embarcação, notadamente o Forte de Copacabana, na então Capital Federal, e a Fortaleza de Santa Cruz, em Niterói. Entretanto, nenhum tiro oriundo dos fortes atingiu o Tamandaré. O navio, em resposta, apontou suas cinco baterias de canhões principais (153 mm) para os fortes sem no entanto realizar nenhum tiro. A bordo estavam autoridades importantes como o próprio presidente Carlos Luz, e outros como Carlos Lacerda, Prado Kelly e os coronéis Jayme Portella e Jurandir Mamede, além da tripulação do navio.

Ao sair da Baía de Guanabara, ainda dentro da mesma, a artilharia do exército, por ordem do General Lott, responsável pelo "golpe preventivo", abriu fogo contra o Cruzador. A bordo estavam o então presidente Carlos Luz entre outras autoridades. As bases do exército, e sua artilharia, por pouco não acertaram o Cruzador, que efetuando manobras evasivas no mar fez com que não fosse atingido.

Ressalte-se que os tiros direcionados da artilharia do exército para o Cruzador Tamandaré caíram a pouca distância da embarcação. Sendo um dos maiores Cruzadores da época, caso o navio revidasse o fogo da artilharia do exército, haveria um grande número de baixas de civis e militares localizados em terra. Tal decisão de não revidar partiu do presidente em exercício a bordo, Carlos Luz.

Foi o último tiro de guerra ocorrido na Baía da Guanabara até os dias de hoje.

A história que antecedeu o episódio foi quando Juscelino Kubitschek e João Goulart venceram as eleições em outubro de 1955, respectivamente para presidente e vice-presidente da República, houve uma divisão das Forças Armadas, pró e antigetulistas. A facção antigetulista, com o apoio do principal partido político de direita do país, a UDN, procurou invalidar a eleição, sob a alegação de que JK tinha a simpatia dos comunistas, e não tivera maioria absoluta dos votos.

O general Henrique Batista Duffles Teixeira Lott, Ministro da Guerra nomeado por Café Filho, desencadeou o movimento militar, dito "de retorno ao quadro constitucional vigente". Houve então a declaração do impedimento do presidente em exercício, Carlos Luz (Café Filho havia sofrido enfarte e afastado da presidência). Lott determina o cerco ao Palácio do Catete durante a madrugada do dia 11, além da ocupação dos quartéis da polícia e da sede da companhia telefônica. Ao perceber a movimentação das tropas sediadas na capital federal, Carlos Luz, parte de seu ministério e outros, embarcam no Cruzador Tamandaré, comandado pelo então Comandante Sílvio Heck.

É importante salientar que tal missão, inicialmente, seria cumprida pelo Cruzador Barroso, pelo fato de que, na época, o navio era o capitânia da esquadra; porém, o mesmo encontrava-se em reparos em sua praça de máquinas e não ficaria pronto a tempo da hora marcada para a desatracação, na manhã do dia 11. Devido a esta circunstância, foi decidido de última hora que a comitiva embarcaria no Tamandaré.

Entretanto, o navio também encontrava-se em reparos na sua praça de máquinas; ainda que em fase final, apenas duas de suas oito caldeiras de propulsão encontravam-se disponíveis, tornando possível o funcionamento de apenas um eixo, limitando a velocidade do navio a 5 nós.

O cruzador Tamandaré ruma para Santos, uma vez que o governador de São Paulo, Jânio Quadros, acenou com a possibilidade de resistência e utilização das tropas militares do estado para garantir a permanência de Luz frente à presidência, sob a liderança do brigadeiro Eduardo Gomes. Porém, o prometido apoio de Jânio não vinga, uma vez que o governador paulista declara-se a favor do movimento organizado por Lott. Carlos Luz não encontra outra saída senão regressar com o navio para o Rio de Janeiro. Antes de regressar, entretanto, foram realizados exercícios de tiro com a munição de 153 mm que encontrava-se engajada na bateria principal desde o episódio do dia 11, uma vez que não era possível retirar manualmente a munição da referida bateria.

Participação na Guerra da Lagosta[editar | editar código-fonte]

Em 1963, o Cruzador Tamandaré, e seu irmão, o Cruzador Barroso, juntamente com outros navios da Esquadra brasileira, foi mobilizado para o nordeste brasileiro devido ao episódio denominado Guerra da Lagosta, envolvendo meios da Marinha Francesa. Entretanto, o Tamandaré não chegou ao seu destino, sendo rebocado para Salvador devido a pane em sua praça de máquinas.[4]

Baixa e "morte"[editar | editar código-fonte]

Em 28 de junho de 1976, depois de 24 anos servindo à MB, onde atingiu a marca 220.000 milhas navegadas, foi realizada a cerimônia de Mostra de Desarmamento e baixa, obedecendo ao Aviso Ministerial de 12 de abril de 1976. Numa rápida cerimônia que durou aproximadamente 15 minutos, presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA) Almirante-de-Esquadra Gualter Maria Menezes de Magalhães, e que contou com a presença de dois ex-comandantes do navio, os ex-Ministros da Marinha Almirantes Paulo Bosísio (1º Comte.) e Sylvio Heck. Depois de ler o aviso de baixa, o Chefe do Estado-Maior da Armada procedeu aos arriamentos da bandeira e da flâmula de comando do navio. Em seguida foi lida a ordem do dia, rememorando o lançamento do cruzador ao mar e as missões de que participou.

Em 5 de agosto de 1980, o casco do ex-Tamandaré foi arrematado em leilão pela empresa pelo valor de US$ 1.100.000, pela empresa Superwinton Enterprises Inc., com sede no Panamá que declarou que o destino do mesmo seria o porto de Hong Kong. No entanto, provavelmente por questões de mercado, a empresa proprietária contratou o reboque para Formosa, onde seria feito o desmonte. O Cruzador saiu da Baía da Guanabara a reboque do Rebocador "Royal" de bandeira filipina, da Luzon Stevedores Corp.

Em 23 de agosto, ao se aproximar do sul da África o Rebocador "Royal" encontrou mau tempo, apresentando o casco do cruzador uma banda, que foi se acentuando apesar do reboque seguir a boa velocidade. Aproveitando as melhores condições de tempo, com sacrifício, o navio foi visitado por uma turma de reparos que, utilizando-se de um lanchão, atracaram a contrabordo do cruzador no dia seguinte. Verificou-se haver muita água no segundo convés, mas não se pôde ir mais abaixo por falta de luz e por medo do forte balanço, que fazia bater muito o liquido existente na terceira coberta.

Contudo, foram feitos os consertos até onde foi possível alcançar sem risco de perder a vida. Feito isso, decidiram arribar em Capetown, rumando para aquele porto. Na noite de 24 de agosto de 1980, por volta das 22:22 h, na posição de 38º48's e 0lº24'w, o valente cruzador começou a submergir, sendo então largado o cabo de reboque. Por fim o glorioso Cruzador Tamandaré, ex-USS Saint Louis, afundou no Atlântico, repousando para sempre no fundo do mar.

Características[editar | editar código-fonte]

Com um comprimento de 185,42 metros e velocidade máxima de 32,5 nós, possuía:

Possuía também sensores:

Sua tripulação era composta por 1.070 homens, sendo 58 oficiais, 35 suboficiais, 168 sargentos 809 cabos e marinheiros. A tripulação incluía um destacamento de Fuzileiros Navais. Foi um dos maiores cruzadores na época.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Paul R. Yarnall. USS Saint Louis (CL 49) NavSource Naval History. Visitado em 30 de abril de 2014.
  2. Incorporado à Armada o cruzador "Tamandaré" Folha da Manhã, Ano XXVII, edição 8546, seção Economia e Finanças, página 4 (7 de fevereiro de 1952). Visitado em 30 de abril de 2014.
  3. C Tamandaré - C 12/Classe Brooklyn/St. Louis-Classe Barroso.
  4. Itamarati:cabe à França a tarefa de reabrir negociações Folha de S. Paulo, ano XLII, edição 12324, página 10 (14 de março de 1963). Visitado em 30de abril de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Marinha do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre C Tamandaré (C-12)