Cabaça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cabaças penduradas na província de Fucuxima, no Japão

Cabaça (do árabe kara bassasa, "abóbora lustrosa")[1] é a designação popular dos frutos das plantas dos gêneros Lagenaria e Cucurbita. Outros nomes incluem porongo[2] ou poranga (do quíchua poronco, "vaso de barro com o gargalo estreito e comprido", através do espanhol rioplatense),[3] [4] cuia (do tupi antigo (e)kuîa),[5] [6] jamaru[7] [8] (do tupi yama'ru)[9] etc. O termo cabaço também é utilizado,[6] mas este possui adicionalmente os significados alternativos de "virgindade feminina"[10] ou de "alguém novato, simplório ou ingênuo".[11]

Origem[editar | editar código-fonte]

A cabaça foi uma das primeiras plantas cultivadas no mundo, não apenas para uso na alimentação, mas para ser utilizada como um recipiente de água. A cabaça pode ter sido levada da África para a Ásia, Europa e Américas no curso da migração humana,[12] ou por sementes que flutuaram através dos oceanos dentro da cabaça. Provou-se que estava no Novo Mundo antes da chegada de Cristóvão Colombo ao mesmo, em 1492.[13]

Utilização[editar | editar código-fonte]

O porongo é utilizado no estado do Rio Grande do Sul e países vizinhos (Argentina e Uruguai) para se fazer a cuia, recipiente usado para servir o chimarrão, bebida feita pela infusão da erva-mate.[14] A cabaça também é utilizada para fins de ornamentação de residências e festas folclóricas em geral.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cabaça

Referências

  1. Adalberto Alves (2014). Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa. INCM. p. 337. ISBN 978-972-27-2179-0.
  2. Paulo Monteiro. Passo Fundo História e Cultura. Projeto Passo Fundo. p. 26. ISBN 978-85-8326-034-9.
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 368.
  4. PAULO EIRO GONSALVES (2013). Alimentos Que Curam. IBRASA. p. 41. ISBN 978-85-348-0039-6.
  5. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 97.
  6. a b Marlene Milan Acayaba; Museu da Casa Brasileira (2000). Equipamentos, usos e costumes da casa brasileira: Objetos. EdUSP. p. 188. ISBN 978-85-86297-06-9.
  7. Enciclopédia agrícola brasileira: I-M. EdUSP. 1995. p. 146. ISBN 978-85-314-0719-2.
  8. Luís da Câmara Cascudo (2013). Literatura Oral no Brasil. Global Editora. p. 116. ISBN 978-85-260-1731-3.
  9. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 981.
  10. Mário Prata (1996). Mas será o Benedito?: dicionário de provérbios, expressões e ditos populares. Editora Globo. p. 163. ISBN 978-85-250-1609-6.
  11. Cândido de Figueiredo (1937). Novo dicionário da língua portuguesa. Library of Alexandria. pp. 1485–. ISBN 978-1-4655-6829-8.
  12. "An Asian origin for a 10,000-year-old domesticated plant in the Americas". PNAS 102: 18315–18320 data = 20 de dezembro de 2005. DOI:10.1073/pnas.0509279102. PMID 16352716.
  13. Cucurbitaceae--Fruits for Peons, Pilgrims, and Pharaohs.
  14. Bisognin DA, Lopes da Silva AL, Horbach MA, Girotto J,, Barriquello CJ. (2008). "Germinação e propagação in vitro de porongo". Ciência Rural 38 (2): 332-339. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782008000200006.