Calcedônia (cidade)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Calcedônia (português brasileiro) ou Calcedónia (português europeu) ou Chalcedon (em grego: Χαλκηδών; transl.: Chalkedon) era uma antiga cidade portuária da Bitínia, na Anatólia (Ásia Menor), situada do lado oposto a Bizâncio, atualmente chamado de Kadıköy, um distrito de Istambul, Turquia.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Segundo Eusébio de Cesareia, Calcedônia foi fundada 17 anos antes da fundação de Bizâncio por Bizas em 638 a.C., sendo ambas colônias de Mégara, localizadas nos lados opostos do Bósforo.[1]

Os calcedônios foram chamados de "cegos", por haverem fundado sua cidade em um local bem inferior ao que se localizada do outro lado do estreito.[carece de fontes?] Segundo Tácito, quem os chamou de cegos foi o oráculo de Apolo na Pítia, que havia indicado a colonos de Mégara "buscar um lar oposto ao país dos cegos". O enigma levou-os à Calcedônia, que, havendo pesquisado os dois lados de um estreito, havia escolhido o pior, pois o local de Bizâncio tinha a terra mais fértil e melhores oportunidades de pesca.[2] Segundo Heródoto, quem chamou os calcedônios de cegos foi Megabazo[desambiguação necessária], pois eles haviam fundado sua cidade dezessete anos antes de Bizâncio, que era um local muito melhor para uma cidade.[3]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em sua primitiva história compartilhava o destino de Bizâncio, foi conquistada pelo sátrapa Otanes, e foi finalmente cedida à República Romana por Átalo III, de Pérgamo (atual Bergama) em 133 a.C..

Foi parcialmente destruída por Mitrídates VI do Ponto, mas recuperou durante o Império, e em 451 foi aí que se realizou o Concílio de Calcedónia.

Caiu enfim, sob os repetidos ataques das hordas bárbaras, que atravessaram o estreito depois do saque a Bizâncio, e foi acampamento dos persas sob Cosroes II, cerca de 616–626. Os otomanos usaram-na como pedreira para a reconstrução de Istambul.

Ao sul estão as ruínas de Panteichion (atual Pendik), onde se diz que Belisário teria vivido seus últimos dias, na velhice.

O nome do mineral calcedônia é derivado desta cidade.

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre a Turquia é um esboço relacionado ao Projeto Europa e ao Projeto Ásia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.