Callitrichinae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaCallitrichinae[1] [2]
Ocorrência: Mioceno - Recente 13.5–0 Ma
Gêneros da subfamília : Callithrix, Leontopithecus, Saguinus, Cebuella, Mico, Callimico.

Gêneros da subfamília : Callithrix, Leontopithecus, Saguinus, Cebuella, Mico, Callimico.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Infraordem: Platyrrhini
Família: Cebidae
Subfamília: Callitrichinae

Gray, 1821

Géneros
Cebuella

Callibella
Callithrix
Mico
Leontopithecus
Saguinus
Callimico

Sinónimos
  • Callithricidae Thomas, 1903
  • Callitrichidae Napier and Napier, 1967
  • Hapalidae Wagner, 1840

Callitrichinae (também chamada Hapalinae) é uma subfamília de Macacos do Novo Mundo, da família Cebidae. Popularmente, são conhecidos por sagui, soim ou sauim, apesar de que para o gênero Leontopithecus, é mais comum o termo mico-leão. O polegar da mão é curto e não oponível, e todos os dedos são providos de unhas em forma de garras. O primeiro dedo do pé é oponível aos demais e possui uma unha chata. Possuem dois dentes pré-molares e três molares.

Todos são arbóreos. São os menores primatas antropóides. Alimentam-se de insetos, frutas, gomas e exsudatos, podendo também comer pequenos vertebrados, como lagartos, filhotes de pássaros e de ratos. Vivem tipicamente em pequenos grupos territoriais de aproximadamente 2 ou 8 animais. São o único grupo dos primatas que produzem regularmente gêmeos, que constituem mais de 80% dos nascimentos nas espécies que foram estudadas. Ao contrário de outros primatas, os machos fornecem geralmente tanto cuidado parental quanto as fêmeas — mais que elas em alguns casos. A estrutura social típica se constitui no casal reprodutor e sua prole. Na natureza normalmente dão à luz gêmeos, e já foi registrado em cativeiro o nascimento de trigémeos. As proles mais velhas ajudam nos cuidados com os filhotes, carregando e partilhando alimentos. São formados, em sua grande maioria, por grupos monogâmicos, apresentando apenas um casal dominante.

Taxonomia e evolução[editar | editar código-fonte]

Gêneros Callithrix e Mico.

Durante o século XX, a classificação predominante dos platirrinos era dividi-los em duas famílias: Callitrichidae e Cebidae.[3] Essa classificação foi largamente usada, até a década de 1980.[3] Callitrichidae compreendia os gênero Leontopithecus, Saguinus, Callithrix e Cebuella, e Cebidae compreendia os gêneros restantes. Mais recentemente, alguns autores consideraram o grupo dos saguis como subfamília de Cebidae, sendo essa classificação usada por alguns autores, como Groves (2005).[3] Outras classificações colocam Callitrichinae como uma família propriamente dita, como originalmente proposto no século XX.[3] Callimico foi frequentemente colocado como em família própria (Callimiconidae), mas os atuais estudos filogenéticos não corroboram com a necessidade de uma família ou subfamília própria para esse gênero.[3] [4]

Chatterjee et al (2009) confirmaram o monofiletismo dos calitriquíneos e o colocaram como grupo irmão de um clado incluindo os gêneros Saimiri e Cebus e as famílias Atelidae e Nyctipithecidae.[4] Outros estudos apontam para uma ancestralidade comum entre Callitrichinae e Cebinae (Saimiri e Cebus), o que justificaria, inclusive, a classificação dos saguis e micos-leões em uma subfamília, e não em uma família separada de Cebidae.[5]

De acordo com filogenias moleculares, são reconhecidos 7 gêneros na subfamília, sendo que Saguinus é o grupo mais basal, e Cebuella e Mico são grupos-irmãos.[6] As relações entre Saguinus, Leontopithecus e Callimico são pouco claras, o que evidencia a rapidez com que se deu a diversificação dessas linhagens.[6] Entretanto, a relação de que Callimico é grupo-irmão de um clado contendo Callithrix, Cebuella, Callibella e Mico é bem suportada por estudos citogenéticos e moleculares.[6]

Alguns dados moleculares baseados em análise de DNA mitocondrial sustentam a hipótese de que Saguinus e Leontopithecus foram os dois primeiros gêneros a se diversificarem e formam um grupo monofilético, sendo que o restante dos gêneros formam outro grupo, com Callimico como grupo mais basal.[4] Nesse mesmo trabalho, Saguinus é apresentado como grupo mais basal em outra análise molecular, sendo que Leontopithecus ficou como grupo irmão de um clado contendo Callimico, Callithrix, Cebuella e Mico (essa nomenclatura não foi usada no trabalho, considerando os gêneros Mico e Cebuella como subgêneros de Callithrix).[4] Outros autores também criticam a hipótese de ancestralidade comum entre Leontopithecus e Saguinus, alegando que os caracteres morfológicos encontrados nos dois gêneros são caracteres ancestrais dos calitriquíneos, e não podem ser usados para sustentar o monofiletismo de um clado com Saguinus e Leontopithecus.[5] Mesmo assim, alguns trabalhos moleculares corroboram com a hipótese desses dois gêneros compartilharem um ancestral comum exclusivo.[7] O gênero Callibella, o último a ser descrito, foi posicionado como grupo-irmão do clado que inclui Mico e Cebuella.[8] Entretanto, análises moleculares mais recentes sugerem que Callibella é grupo-irmão de Mico, e que seria mais parcimonioso incluir Callibella humilis dentro do gênero Mico.[9]

A dificuldade em encontrar filogenias congruentes quanto a posição de Leontopithecus, Saguinus e Callimico com relação ao grupo monofilético contendo Callithrix, Cebuella e Mico, evidencia uma radiação rápida desses táxons.[6] Tal radiação ocorreu provavelmente no Mioceno na Amazônia, com a separação de Saguinus dos outros gêneros de Callitrichinae, a partir de um ancestral em comum.[10] O gênero Leontopithecus migrou para o sul, onde se diversificou a partir de refúgios, no Pleistoceno.[10] Dados moleculares sugerem que Cebuella se separou de Mico há 5 milhões de anos, na Amazônia.[10]

Filogenias de Callitrichinae[6]
A


Callimico




Callithrix




Callibella




Cebuella



Mico








Saguinus



Leontopithecus




B

Saguinus




Leontopithecus




Callimico




Callithrix




Callibella




Cebuella



Mico








Duas filogenias possíveis de acordo com dados moleculares. A) Saguinus e Leontopithecus formam um grupo-irmão com um clado compreendendo Callimico, Callithrix, Callibella, Cebuella e Mico. B) Saguinus é grupo basal de Callitrichinae.

Registro fóssil[editar | editar código-fonte]

O registro fóssil é pouco conhecido, sendo Lagonimico conclutatus, encontrado no sítio paleontológico de La Venta, na Colômbia, o fóssil mais antigo conhecido, datado de 13,5 milhões de anos atrás, do período Mioceno.[11] Essa espécie era grande, se comparada com os calitriquíneos atuais, mas possuía uma dentição muito semelhante às espécies de saguis: tal dentição parecia adaptada ao consumo de exsudatos.[12] Outro fóssil do Mioceno que é tido como um calitriquíneo é Micodon kiotensis, pois possuía pequeno tamanho e o quarto pré-molar inferior e o primeiro incisivo superior são semelhantes com o gênero atual, Callithrix.[13] Patasola magdalenae é outra espécie do Mioceno, com tamanho semelhante de um mico-leão e também baseado na morfologia da mandíbula e dos molares, foi considerado como grupo-irmão dos saguis.[14] Um fóssil que frequentemente é colocado como próximo de Callimico é Mohanamico hershkovitzi, também do Mioceno, mas existe a discussão se é realmente um calitriquíneo, pois alguns autores o consideram como mais próximo do gênero Callicebus.[14]

Alguns autores sugerem que a origem dos calitriquíneos é mais antiga ainda, inferindo algo em torno de 18 a 25 milhões de anos atrás.[5]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Atualmente, o número de espécies na subfamília é relativamente alto, visto que muitas subespécies agora são consideradas espécies separadas, como observado com as subespécies de Callithrix jacchus e Mico argentatus.[3] [15] Ademais, muitas espécies foram descobertas na Amazônia brasileira após o ano de 1990.[16]

Saguinus geoffroyi é a única espécie da subfamília que ocorre na América Central.

Distribuição Geográfica e Habitat[editar | editar código-fonte]

Todos os calitriquíneos ocorrem na América do Sul, com exceção de Saguinus geoffroyi, que é encontrado no Panamá.[17] O mico-leão-de-cara-preta (Leontopithecus caissara) é o calitriquíneo com ocorrência mais ao sul, sendo encontrado no litoral do estado do Paraná.[17] [3] O Brasil é o país que mais possui espécies de calitriquíneos, a maior parte delas endêmicas. Os gêneros Callithrix e Leontopithecus são encontrados apenas na Mata Atlântica brasileira, na Caatinga e Cerrado.[17] [3] O gênero Mico só tem uma espécie que ocorre em outras localidades fora do Brasil, Mico melanurus, que ocorre no Chaco na Bolívia e no Paraguai.[17] [3]

Ocorrem predominantemente em ambientes de floresta, na Amazônia e Mata Atlântica, mas algumas espécies, como Mico melanurus, Callithrix jacchus e Callithrix penicillata são encontrados em ambientes mais abertos, como o Cerrado, o Chaco e a Caatinga.[17] [3] As outras espécies de Callithrix ocorrem em florestas montanhosas na Mata Atlântica.[11] O habitat de Saguinus e Mico consiste principalmente dos estratos mais altos de florestas primárias na Amazônia, mas podem ocorrer em áreas de floresta secundária.[11] Saguinus que ocorre na Colômbia e Panamá habitam principalmente a floresta estacional semidecidual.[11] Cebuella pygmaea é encontrado predominantemente em florestas que sofrem inundações periódicas e florestas ripárias.[11] Florestas de bambum, com sub-bosque denso é habitat de Callimico.[11] Os mico-leões ocorrem nas florestas chuvosas da costa leste do Brasil, mas também ocorrem na floresta estacional semidecidual do interior.[11]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Visto o grande número de espécies pouco estudadas, é difícil traçar um panorama mais detalhado sobre o grau de ameaça das espécies de calitriquíneos.[17] Muitas espécies possuem uma distribuição geográfica restrita e se localizam em regiões com alta pressão de desmatamento, como as que ocorrem no sul da Amazônia e na Mata Atlântica, o que coloca elas em algum grau de ameaça.[17] Na Mata Atlântica, quase todas as espécies se encontram com algum grau de ameaça, sendo os mico-leões (gênero Leontpithecus) os que possuem o maior risco de extinção visto habitarem paisagens altamente fragmentadas do sudeste e leste do Brasil, ocorrendo quase que exclusivamente em algumas unidades de conservação integral.[18] Em contrapartida, algumas espécies, como o sagui-de-tufos-brancos, são extremamente comuns, tendo, inclusive, suas áreas de distribuição geográfica aumentada, graças a introduções feitas pelo homem e não correm nenhum risco de extinção.[17] [19]


Referências

  1. Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 129–136 p. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. Rylands AB e Mittermeier RA. In: Garber PA, Estrada A, Bicca-Marques JC, Heymann EW, Strier KB (eds). South American Primates: Comparative Perspectives in the Study of Behavior, Ecology, and Conservation. Nova Iorque: Springer, 2009. Capítulo: The Diversity of the New World Primates (Platyrrhini): An Annotated Taxonomy. , 23–54 p. ISBN 978-0-387-78704-6
  3. a b c d e f g h i j Rylands, A.B.; Coimbra-Filho, A.F. e Mittermeier, R.A.. In: Ford, S.M.; Porter, L.M. e Davis, L.L.C. (eds). The Smallest Anthropoids: The Marmoset/callimico Radiation. Nova Iorque: Springer, 2009. Capítulo: The Sistematics and Distribution of the Marmosets (Callithrix, Calibella, Cebuella, and Mico) and Callimico (Callimico) (Callitrichidae, Primates). , 25-63 p. ISBN 978-1-4419-0292-4
  4. a b c d Chaterjee, H.J.; Ho, S.Y.; Barnes, I.; Groves, C.. (2009). "Estimating the phylogeny and divergence times of primates using a supermatrix approach". BMC Evolutionary Biology 9: 1-19. DOI:10.1186/1471-2148-9-259.
  5. a b c Garber, P.; Rosenberger, A. L.; Norconk,M.A.. In: Norconk, M.A.; Rosenberger, A.L.; Garber, P. A.. Adaptive Radiations of Neotropical Primates: Proceedings of Conference on Neotropical Primates: Setting the Future Research Agenda Held in Washington, D. C., February 26-27, 1995. Nova Iorque: Springer, 1996. Capítulo: Marmoset Misconceptions. , 87-95 p. ISBN 0-306-45399-1
  6. a b c d e Crtés-Ortiz, L.. In: Susan M. Ford, Leila M. Porter, Lesa C. Davis. The Smallest Anthropoids - The Marmoset/Callimico Radiation. Nova Iorque: Springer, 2009. Capítulo: Molecular Phylogenetics of the Callitrichidae with an Emphasis on the Marmosets and Callimico. , 3-24 p. ISBN 978-1-4419-0293-1
  7. HOROVITZ, I.; MEYER, A.. (1995). "Systematics of New World Monkeys (Platyrrhini, Primates) Based on 16S Mitochondrial DNA Sequences: A Comparative Analysis of Different Weighting Methods in Cladistic Analysis". Molecular Phylogenetics and Evolution 4 (4): 448-456.
  8. van Roosmalen, M G. M., and van Roosmalen, T. (2003). The description of a new marmoset genus, Callibella (Callitrichinae, Primates), including its molecular phylogenetic status. Neotropical Primates 11(1): 1–10.
  9. Schneider, H., Bernardi, J. A. R., da Cunha, D. B., Tagliaro, C. H., Vallinoto, M., Ferrari, S. F. & Sampaio, I.. (2011). "A molecular analysis of the evolutionary relationships in the Callitrichinae, with emphasis on the position of the dwarf marmoset". Zoologica Scripta 41 (1): 1–10. DOI:10.1111/j.1463-6409.2011.00502.x.
  10. a b c Barroso, C.M.L.; Schneider, H.; Schneider, M.P.C.; Sampaio, I.; Harada, M.L.; Czelusniak, J.; Goodman, M.. (1997). "Update on the Phylogenetic Systematics of New World Monkeys: Further DNA Evidence for Placing the Pygmy Marmoset (Cebuella) within the Genus Callithrix". International Journal of Primatology 18 (4): 651-674. DOI:10.1023/A:1026371408379. ISSN 1573-8604.
  11. a b c d e f g Heymann, E.W.. In: Hutchins, M.; Kleiman, D. G; Geist, V.; McDade, M. С.. Grzimek’s Animal Life Encyclopedia - Volume 14, Mammals III. 2ª ed. [S.l.]: Gale, 2004. Capítulo: Marmosets, tamarins, and Goeldi’s monkey. , 115-135 p. ISBN 0-7876-5790-5
  12. Kay, R. F.. (1994). "“Giant” tamarin from the Miocene of Colombia". American Journal of Physical Anthropology 95 (3): 333-353. DOI:10.1002/ajpa.1330950305.
  13. Setoguchi, T.; Rosenberger, A. L.. (1985). "Miocene marmosets: First fossil evidence". International Journal of Primatology 6 (6): 615-625. DOI:10.1007/BF02692292. ISSN 1573-8604.
  14. a b Hartwig, W. C.; Meldrum, D. J.. In: Hartwig, W. C.. The Primate Fossil Record. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. Capítulo: Miocene platyrrhines of the northern Neotropics. , 175–188 p. ISBN 978-0-521-08141-2
  15. Rylands, A.B.; Mittermeier, R. A.; Silva Jr, J.S.. (2012). "[http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1748-1090.2011.00152.x/pdf Neotropical primates: taxonomy and recently described species and subspecies]". International Zoo Yearbook 46 (1): 11-24. DOI:10.1111/j.1748-1090.2011.00152.x.
  16. Ferrari, S.F.; Sena, L.; Schneider, M.P. and Silva Júnior, J.S.. (2010). "Rondon’s Marmoset, Mico rondoni sp. n., from Southwestern Brazilian Amazonia". International Journal of Primatology 31 (5): 693–714. DOI:10.1007/s10764-010-9422-6.
  17. a b c d e f g h Rylands, A.B.; Coimbra-Filho, A.F.; Mittermeier, R. A.. In: Rylands, A.B. (ed). Marmosets and tamarins: systematics, behavior and ecology. Oxford (UK): Oxford University Press, 1993. Capítulo: Systematics, geographic distribution, and some notes on the conservation status of the Callitrichidae. , 11-77 p. ISBN 0-19-85022-1
  18. Rylands, A. B, Kierulff, M. C. M. and Pinto, L. P. de S. 2002. Distribution and status of the lion tamarins. In: D. G. Kleiman and A. B. Rylands (eds), Lion Tamarins: Biology and Conservation, pp. 42-70. Smithsonian Institution Press, Washington, DC, USA.
  19. Morais Jr, M.M.; et al. In: de Oliveira, P.P.; Grativol, A.D.; Miranda, C. R.R. (eds). Conservação do Mico-leão-dourado: Enfrentando os desafios de uma paisagem fragmentada. Campos de Goytacazes: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, 2008. Capítulo: Os sagüis, Callithrix Jacchus e penicillata, como espécies invasoras na região de ocorrência do mico-leão dourado. , 87-117 p. ISBN 978-85-89479-11-0
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Callitrichinae
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Callitrichinae