Cama de Gato (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cama de Gato
2002 • cor • 92 min 
Direção Alexandre Stockler
Roteiro Alexandre Stockler
Elenco Caio Blat
Rodrigo Bolzan
Cainan Baladez
Renata Airoldi
Bárbara Paz
Género Drama
País  Brasil
Idioma Português
Página no IMDb (em inglês)

Cama de gato é um filme brasileiro, do gênero drama, dirigido por Alexandre Stockler e lançado em 2002.


Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Cristiano, Francisco e Gabriel são três jovens de classe média que moram em São Paulo, com a típica alienação juvenil dos dias de hoje. Todos com muitas frases feitas na cabeça e nenhum senso de realidade. Assim que terminam o ensino médio, saem pela noite paulistana em busca de diversão. Faz um retrato dos dilemas de uma juventude dos anos 90 e focaliza uma geração diante de um dilema: de um lado uma necessidade quase fisiológica de se divertir; de outro, uma preocupação contínua de se estabelecer em uma sociedade que oferece cada vez menos oportunidades. Na noite de horrores na qual os garotos mergulham, o entretenimento confunde-se com a violência, assim como a preocupação de se estabelecer na sociedade confunde-se com a tragédia humana. Na tentativa de se divertirem a "qualquer custo", acabam estuprando e matando uma adolescente. A partir daí, eles passam a tentar encobrir os crimes e, quanto mais eles tentam resolver os problemas, mais eles se complicam.

Elenco[editar | editar código-fonte]

A atriz Bárbara Paz faz o papel de uma policial na trama.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde fevereiro de 2012).
  • Traz o ator Caio Blat em momento inusitado e polêmico: excitado e em nu frontal.
  • Cama de gato é o primeiro filme do manifesto Trauma, bem-humorada resposta brasileira ao movimento Dogma 95.
  • Teve orçamento de 13 mil reais e toda a equipe técnica e elenco não cobraram cachê.
  • A trilha sonora é composta por músicas de bandas desconhecidas, selecionadas por meio de campanha pela internet.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]