Camané

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Camané
Camané
Informação geral
Nome completo Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos
Nascimento 22 de dezembro de 1967 (46 anos)
Origem Pt-oer1.png Oeiras
País  Portugal
Gênero(s) Fado
Gravadora(s) EMI Portugal
Afiliação(ões) Humanos, "UPA – Unidos Para Ajudar"
Página oficial Camané.com

Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos, conhecido por Camané (Oeiras, 21 de Dezembro de 1967), é um fadista português, irmão mais velho dos também fadistas Hélder Moutinho e Pedro Moutinho.

Percurso[editar | editar código-fonte]

Em 1977 participa na Grande Noite do Fado mas não vence. Em 1979 regressa à Grande Noite do Fado, numa época em que não havia competição em separado para os mais novos, e ganha. Isso possibilitou-lhe a gravação de um álbum produzido por António Chainho e de mais alguns discos nesta fase.

Com 20 anos, quando estava em serviço militar, gravou o single "Ai Que Saudades" para a editora MBP.

Depois de interrupção de alguns anos, regressou às lides do fado, actuando em diversas casas de fado. Participou também em algumas produções de Filipe La Féria - "Grande Noite"; "Maldita Cocaína"; "Cabaret" - onde se evidência.

Em 1995 grava o disco "Uma Noite de Fados" que contou com a colaboração de José Mário Branco. O álbum "Na Linha da Vida" foi editado em 1998.

"Esta Coisa da Alma" é o disco de 2000. Ganha o Prémio Blitz, o Prémio Bordalo Pinheiro e os Globos de Ouro [1].

"Pelo Dia Dentro" é lançado em 2001. Grava ao vivo o disco "Como sempre… Como dantes" que foi editado em 2003.

A partir de 2004 esteve envolvido no projecto "Humanos" ao lado de Manuela Azevedo e David Fonseca bem como dos músicos Nuno Rafael, João Cardoso e Hélder Gonçalves, do qual resultaram os álbuns Humanos e Humanos ao Vivo (este também na versão em DVD).

Em 2006 é lançado o DVD "Ao vivo no São Luíz" de Camané.

O álbum "Sempre de Mim", editado em 2008, marca o regresso aos discos de estúdio.

Em 2010 lança o Álbum "Do Amor e dos Dias". Este álbum acrescenta à sua carreira o comentário a um poema de Alexandre O'Neil, "O amor é o amor". O fado principal deste álbum é "A guerra das Rosas" inspirado no filme com o mesmo nome.

Em 2011 atuou na Brooklyn Academy of Music de Nova Iorque, num concerto elogiado pelo New York Times[1] .

Em 2013 é editada uma colectânea com alguns temas inéditos.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Gravou "Sopram Ventos Adversos" e "Circo de Feras" com os Xutos & Pontapés e "Fotos do Fogo" com Sérgio Godinho.[2]

É bisneto de José Júlio Da Silva Paiva, fadista e autor de diversos fados do início do século XX.

Pertence à quarta geração de fadistas.

É primo do pintor António Alonso Martinez.

É adepto do Sport Lisboa e Benfica.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao Vivo[editar | editar código-fonte]

Outros
  • O Fadista da Costa do Sol (EP, Metro Som, 1979)
  • O Fadista da Costa do Sol (EP, Metro Som, 1979)
  • A Alma Jovem do Fado (LP, Estúdio, 1982)
  • Ai Que Saudades/Teu Lindo Nome (Single, MBP, 1989)
  • Ao Vivo Na Zaal 100 (CD, Circo de Cultura Portuguesa Na Holanda, 1997)
  • The Art Of Camané (CD. Hemisphere, 2004)

Videografia[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Camané


Guitarra e Viola Douradas.png Camané venceu a Grande Noite do Fado 1979 da Casa da Imprensa de Lisboa, na categoria de Masculinos
Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.