Camarilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Humor? A Wikipédia é muitas vezes acusada por seus próprios usuários de abrigar uma (ou várias) camarilha(s).[1]

Camarilha ou cabala (ou ainda panelinha, no Brasil) é o nome dado a um grupo de pessoas unidas em torno de algum projeto secreto, geralmente para promover através de intriga seus pontos de vista e interesses numa igreja, estado ou outra comunidade. As camarilhas (ou cabalas) são por vezes sociedades secretas compostas por umas poucas pessoas e em outras são manifestações da emergência ou de comportamento emergente na sociedade ou governo por parte de uma comunidade de pessoas que possuem fortes laços de vinculação pública ou de parentesco. O termo também pode ser usado em referência aos intentos de tais pessoas ou às conseqüências práticas do seu comportamento emergente e também carregam um significado geral de intriga e conspiração. Seu uso carrega fortes conotações de áreas de sombra e influência insidiosa; uma camarilha é mais malévola e seletiva do que, por exemplo, uma facção, a qual é simplesmente egocêntrica. Por conta desta conotação negativa, poucas organizações usam este termo para se referir a si próprias ou a suas subdivisões internas. Entre as excepções está o discordianismo, na qual o termo "cabala" é usado para se referir a um grupo identificável dentro da tradição discordiana.

Origens da palavra[editar | editar código-fonte]

O termo "cabala" vem de Kabbalah (uma palavra que possui várias formas de grafia), a interpretação mística da escritura hebraica, e originalmente significava ou uma doutrina secreta ou um segredo. Foi introduzido na língua inglesa na publicação de Cabala, uma curiosa mistura de cartas e ensaios dos reinados de Jaime VI & I e Carlos I, publicado em 1654.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outras palavras negativas que surgiram da descrição de extremismos religiosos ou de seitas:

Notas

  1. Cade Metz. Secret mailing list rocks Wikipedia. The Register, 4 de dezembro de 2007. Acessado em 2 de agosto de 2008.
  2. Cabala, sive Scrinia Sacra. Mysteries of State and Government in Letters of illustrious Persons and great Agents; in the Reigns of Henry the Eighth, Queen Elizabeth, King James and the late King Charls. In two Parts, in which the Secrets of Empire, and Publique manage of Affairs are contained. Cambridge History of English and American Literature (1907–21), vol VII, ch. viii.4 The Compleat Ambassador.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]