Caminho autoevitante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Um caminho autoevitante em um retículo quadrado.

Em matemática, um caminho autoevitante é uma sequência de movimentos em um retículo que não visita o mesmo ponto mais de uma vez. O conceito foi primeiramente introduzido pelo químico Paul Flory,[1] a fim de modelar o comportamento de entidades de configuração em cadeia, tais como solventes e polímeros, cujos volumes físicos proíbem ocupação múltipla do mesmo ponto espacial. Muito pouco é conhecido rigorosamente a respeito dos caminhos auto-evitantes a partir de uma perspectiva matemática, embora existam diversas conjecturas que foram obtidas por meio de simulações computacionais.

Referências

  1. P. Flory. Principles of Polymer Chemistry. [S.l.]: Cornell University Press, 1953. 672 p. ISBN 9780801401343

Notas

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

  1. Madras, N.; Slade, G.. The Self-Avoiding Walk. [S.l.]: Birkhäuser, 1996. ISBN 978-0817638917
  2. Lawler, G. F.. Intersections of Random Walks. [S.l.]: Birkhäuser, 1991. ISBN 978-0817638924
  3. Madras, N.; Sokal, A. D.. (1988). "The pivot algorithm - A highly efficient Monte-Carlo method for the self-avoiding walk". Journal of Statistical Physics 50.
  4. Fisher, M. E.. (1966). "Shape of a self-avoiding walk or polymer chain". Journal of Chemical Physics 44 (2): 616. DOI:10.1063/1.1726734. Bibcode1966JChPh..44..616F.