Campanha Italiana de 1524-1525

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pavia campaign (1524-25).png

A Campanha Italiana de 1524-1525 foi a acção final decisiva da Guerra Italiana de 1521-1526.

Prelúdio[editar | editar código-fonte]

Os franceses, na posse de Lombardia, no início da Guerra Italiana de 1521, tinham sido obrigados a abandoná-la, depois de sua derrota na Batalha de Bicocca, em 1522. Determinado a recupera-la, Francis ordenou invadir a região, no final 1523, sob o comando do Guillaume Gouffier, Senhor de Bonnivet; mas Bonnivet foi derrotado pelas tropas imperiais na Batalha do Sesia e forçadas à retirada da França.

Charles de Lannoy lançou uma invasão de Provença, sob o comando do Fernando d'Avalos, e Charles III, duque de Bourbon (que tinha recentemente traído Francis e se aliado com o próprio Imperador). Embora inicialmente bem sucedido, a ofensiva imperial, perdido tempo valioso durante o Cerco de Marselha, foi forçada a retirar, de volta à Itália, pela chegada de Francis e do principal exército francês, em Avinhão.

Lombardia é invadida pelos franceses[editar | editar código-fonte]

Em meados de Outubro, o próprio Francis cruzou os Alpes e avançou para Milão, chefiando um exército de mais de 40000 homens. As tropas de Bourbon e de Avalos ainda nem tinham recuperado da campanha em Provence, pelo que não estavam em condições de oferecer resistência séria.1 O exército francês, movido em várias colunas, tenta avançar, mas falha em trazer o corpo principal das tropas imperiais de combate. No entanto, Carlos de Lannoy, que conseguiu juntar cerca de 16000 homens, para resistir a 33.000 tropas francesas, decidiu que a cidade não poderia ser defendida e desistiu de Lodi em 26 de Outubro.2 Tendo entrado em Milão e instituído Louis II de la Trémoille como governador, Francis avançou sobre Pavia.3

Cerco de Pávia[editar | editar código-fonte]

A principal massa de tropas francesa chegou a Pávia no último dia do mês de Outubro. Por volta de 2 de Novembro, Montmorency tinha atravessado o Rio Tessino e investiu na cidade do sul, completando o seu cerco. Lá dentro estam cerca de 9000 homens, principalmente mercenários a quem Antônio de Leyva pôde pagar apenas pelo derretimento da chapa da igreja.4 Em 21 de Novembro, Francisco tentou um ataque à cidade através de duas das brechas, mas foi derrotado, com muitas baixas; dificultada pelas chuvas e uma falta de pólvora, os franceses decidiram esperar que os defensores morressem de fome.5

Expedições francesas[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros dias de Dezembro, uma força espanhola, comandada por Hugo de Moncada aterrou perto de Genoa, com intenções de participar num conflito entre os apoiantes de Valois e os apoiantes de Habsburg, na cidade. Francis expediu uma força maior, ao abrigo do marquês de Saluzzo para os interceptar. Confrontados pelos franceses, mais numerosos, saiu sem apoio naval, por causa da chegada da fora aliada de Valois, comandada por Andrea Doria, as tropas espanholas renderam-se.6 Francis, de seguida, assinou um acordo secreto com o Papa Clemente VII, que se comprometeu a não apoiar Charles Francis em troca de ajuda com a conquista de Nápoles. Contra o parecer dos seus altos comandantes, Francis separou uma parte das suas forças sob o Duque de Albany e enviou-os para sul, a fim de ajudar o Papa.7

Referências

  1. Hackett, Francis the First, 281; Konstam, Pavia 1525, 89.
  2. Konstam, Pavia 1525, 30—33.
  3. Konstam, Pavia 1525, 34.
  4. Konstam, Pavia 1525, 34-35.
  5. Konstam, Pavia 1525, 36-39.
  6. Konstam, Pavia 1525, 40–41.
  7. Blockmans, Emperor Charles V, 57; Konstam, Pavia 1525, 42–43.


Guerra Italiana de 1521
Pamplona – Esquiroz – Mézières – Tournai – Bicocca – Gênova – Sesia – Marselha – Italiana de 24–25 – Pavia
[editar]
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.