Campeonato Brasileiro de Futebol de 2005

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
XLIX Campeonato Brasileiro de Futebol
Brasileirão 2005
Dados
Participantes 107
Organização CBF
Local de disputa  Brasil
Período 11 de abril9 de dezembro
Gol(o)s 2898
Jogos 1214
Média 2,39 gol(o)s por partida
Campeão Corinthians (4º título)
Vice-campeão Internacional
Melhor marcador Romário (Vasco da Gama) – 22 gols
Outras divisões
Série B Grêmio
Série C Remo
◄◄ Brasil Brasileirão 2004 Soccerball.svg Brasileirão 2006 Brasil ►►

O Campeonato Brasileiro de Futebol de 2005 foi marcado pelo escândalo da anulação de algumas partidas apitadas pelo agora ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho. O campeonato teve a maior média de público e de gols dos últimos anos. Nele foram revelados grandes jogadores como Fred e Rafael Sóbis. Além disso o torneio foi o mais equilibrado desde que se iniciou a fórmula por pontos corridos em 2003, já que o campeão, o último classificado à Copa Libertadores da América e o último rebaixado só foram decididos na última rodada.

Tévez, eleito craque do Brasileirão de 2005, ao lado do então presidente Lula.

A edição de 2005 terminou com a equipe paulista do Corinthians campeã pela quarta vez, tendo o Internacional como vice-campeão. O veterano atacante Romário (ex-Seleção Brasileira) foi novamente o artilheiro, desta vez com 22 gols, com a camisa 11 do Vasco.[1]

O destaque positivo ficou por conta de quatro estrangeiros: o argentino Carlitos Tévez do Corinthians, sérvio Petković do Fluminense, o uruguaio Diego Lugano do São Paulo e o paraguaio Gamarra do Palmeiras; todos eles foram escolhidos para a Seleção do Brasileirão da CBF e da Revista Placar. Tévez foi ainda premiado como melhor jogador da competição pelas duas entidades.[2]

Fórmula de disputa[editar | editar código-fonte]

Os 22 participantes jogaram em grupo único, todos contra todos, em turno e returno. O time que marcou mais pontos ao final das 42 rodadas foi declarado Campeão Brasileiro de 2005. Se uma ou mais equipes terminassem com o mesmo número de pontos, os critérios de desempate definiriam as posições. O campeão, o vice e o terceiro colocado se classificaram para a segunda fase da Copa Libertadores de 2006. O quarto colocado se classificou à primeira fase da Libertadores. Os quatro últimos times (os que conseguiram menos pontos) foram rebaixados, disputando a Série B em 2006. O Campeão Brasileiro da Série B e o vice foram automaticamente promovidos para a disputa da Série A em 2006.

Critérios de Desempate[editar | editar código-fonte]

Para o desempate entre duas ou mais equipes seguirá sempre a ordem definida abaixo:

  1. Número de pontos
  2. Número de vitórias
  3. Saldo de gols
  4. Gols feitos
  5. Confronto direto (apenas entre duas equipes)
  6. Sorteio

Máfia do Apito[editar | editar código-fonte]

A edição de 2005 também ficou marcada por um evento negativo. Apesar da 35ª edição do torneio se mostrar com emoções de sobra até as rodadas intermediárias, durante o campeonato o árbitro Edílson Pereira de Carvalho foi preso em uma operação da polícia por manipular resultados de jogos em que atuou para que empresários de sites de apostas pudessem lucrar mais.[3]

Em uma decisão muito contestada e inédita em toda a história do futebol, o Presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Luiz Zveiter, determinou a anulação dos 11 jogos apitados pelo árbitro envolvido nas acusações, ainda que não houvesse comprovação de fraude em todas as partidas apitadas por ele.[4] [5]

Romildo Correa, um dos árbitros citados nas investigações do "escândalo do apito", fez um protesto no meio da partida entre Santos e Botafogo pela 41ª rodada do campeonato. O árbitro abandonou a partida e se aposentou, alegando ter sido punido injustamente pela CBF, uma vez que seu envolvimento não ficou provado pelos investigadores.[6]

Alterações de jogos por decisão do STJD[editar | editar código-fonte]

Jogos anulados
Data Resultado
8 de Maio Vasco 0 - 1 Botafogo
2 de Julho Ponte Preta 1 - 0 São Paulo
16 de Julho Paysandu 1 - 2 Cruzeiro
24 de Julho Juventude 1 - 4 Figueirense
31 de Julho Santos 4 - 2 Corinthians
7 de Agosto Vasco 2 - 1 Figueirense
10 de Agosto Cruzeiro 4 - 1 Botafogo
14 de Agosto Juventude 2 - 0 Fluminense
21 de Agosto Internacional 3 - 2 Coritiba
7 de Setembro São Paulo 3 - 2 Corinthians
10 de Setembro Fluminense 3 - 0 Brasiliense
Jogos remarcados
Nova data Novo resultado
19 de Outubro Vasco 1 - 0 Botafogo
19 de Outubro Ponte Preta 2 - 0 São Paulo
19 de Outubro Paysandu 4 - 1 Cruzeiro
19 de Outubro Juventude 2 - 2 Figueirense
12 de Outubro Santos 2 - 3 Corinthians
12 de Outubro Vasco 3 - 3 Figueirense
12 de Outubro Cruzeiro 2 - 2 Botafogo
12 de Outubro Juventude 3 - 4 Fluminense
28 de Outubro Internacional 3 - 2 Coritiba
24 de Outubro São Paulo 1 - 1 Corinthians
24 de Outubro Fluminense 1 - 1 Brasiliense

Saldo dos times envolvidos nas alterações[editar | editar código-fonte]

Devido a remarcação dos jogos, houve a natural diferença entre os pontos obtidos anteriormente e mais tarde nos jogos. Abaixo segue a tabela que mostra os pontos ganhos ou perdidos em relação aos resultados anteriores.

Clube Pontos Vitórias Empates Derrotas Gols-Pró Gols-Contra
Corinthians 4 1 1 -2 0 -4
Paysandu 3 1 0 -1 3 -1
Brasiliense 1 0 1 -1 1 -2
Vasco da Gama 1 0 1 -1 2 1
Fluminense 1 0 1 -1 2 2
Ponte Preta 0 0 0 0 1 0
Coritiba 0 0 0 0 0 0
Internacional 0 0 0 0 0 0
Figueirense -1 0 -1 1 0 2
Botafogo -2 -1 1 0 0 -1
Juventude -2 -1 1 0 2 2
São Paulo -2 -1 1 0 -2 0
Santos -3 -1 0 1 -2 1
Cruzeiro -5 -2 1 1 -3 4

Classificação[editar | editar código-fonte]

CLASSIFICAÇÃO
TOTAL CASA FORA
Pos. Clube P J V E D GM GS V E D GM GS V E D GM GS
1 Corinthians 81 42 24 9 9 87 59 12 6 3 48 30 12 3 6 39 27
2 Internacional 78 42 23 9 10 72 49 14 3 4 39 22 9 6 6 33 27
3 Goiás 74 42 22 8 12 68 51 14 3 4 45 24 8 5 8 23 27
4 Palmeiras 70 42 20 10 12 81 65 14 4 3 46 29 6 6 9 35 36
5 Fluminense 68 42 19 11 12 79 70 11 4 6 43 33 8 7 6 36 37
6 Atlético Paranaense 61 42 18 7 17 76 67 13 5 3 49 26 5 2 14 27 41
7 Paraná 61 42 17 10 15 59 51 11 4 6 39 25 6 6 9 20 26
8 Cruzeiro 60 42 17 9 16 73 72 11 4 6 43 34 6 5 10 30 38
9 Botafogo 59 42 17 8 17 57 56 12 4 5 37 23 5 4 12 20 33
10 Santos 59 42 16 11 15 68 71 9 7 5 31 24 7 4 10 37 47
11 São Paulo 58 42 16 10 16 77 67 10 6 5 40 29 6 4 11 37 38
12 Vasco da Gama 56 42 15 11 16 74 84 11 6 4 42 29 4 5 12 32 55
13 Fortaleza 55 42 16 7 19 58 64 12 4 5 44 29 4 3 14 14 35
14 Juventude 55 42 15 10 17 66 72 12 5 4 36 23 3 5 13 30 49
15 Flamengo 55 42 14 13 15 56 60 8 8 5 31 29 6 5 10 25 31
16 Figueirense 53 42 14 11 17 65 72 11 5 5 40 23 3 6 12 25 49
17 São Caetano 52 42 14 10 18 54 60 7 6 8 25 25 7 4 10 29 35
18 Ponte Preta 51 42 15 6 21 63 80 11 3 7 39 37 4 3 14 24 43
19 Coritiba 49 42 13 10 19 51 60 10 3 8 29 29 3 7 11 22 31
20 Atlético Mineiro 47 42 13 8 21 54 59 6 4 11 26 28 7 4 10 28 31
21 Paysandu 41 42 12 5 25 63 92 10 2 9 37 35 2 3 16 26 57
22 Brasiliense 41 42 10 11 21 47 67 6 6 9 24 29 4 5 12 23 38
Notas: 1Apesar de terminar na zona de classificação da Copa Sul-Americana, O São Paulo não pode disputa-lá em 2006 por já estar classificado a Copa Libertadores como o campeão anterior da mesma, a vaga foi passada ao Clube Vasco da Gama.
Classificados à Libertadores de 2006 e a Sul-americana de 2006
Classificados à Libertadores de 2006.
Classificados à Sul-americana de 2006
Rebaixados à Série B de 2006

Campeão[editar | editar código-fonte]

Campeonato Brasileiro de 2005
Bandeira do estado de São Paulo.svg
Sport Club Corinthians Paulista
(4º título)

Jogos com maior número de gols[editar | editar código-fonte]

27 de Junho Atlético Paranaense 7 - 2 Vasco da Gama Kyocera Arena

Paulo André Gol marcado aos 9 minutos de jogo 9'
Evandro Gol marcado aos 15 minutos de jogo 15'
Lima Gol marcado aos 18 minutos de jogo 18' Gol marcado aos 50 minutos de jogo 50'
Jancarlos Gol marcado aos 45+1 minutos de jogo 45+1'
Aloísio Gol marcado aos 82 minutos de jogo 82'
Finazzi Gol marcado aos 90+2 minutos de jogo 90+2'
Anderson Costa Gol marcado aos 54 minutos de jogo 54'
Alex Dias Gol marcado aos 90+1 minutos de jogo 90+1'
6 de Julho Atlético Paranaense 5 - 4 Cruzeiro Kyocera Arena

Alan Bahia Gol marcado aos 1 minutos de jogo 1'(p)
Finazzi Gol marcado aos 22 minutos de jogo 22' Gol marcado aos 49 minutos de jogo 49' Gol marcado aos 66 minutos de jogo 66'
Thiago Schumacher Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90'
Adriano Gabiru Gol marcado aos 14 minutos de jogo 14'
Kelly Gol marcado aos 53 minutos de jogo 53'
Weldon Gol marcado aos 69 minutos de jogo 69'
Adriano Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70'
6 de Novembro Corinthians 7 - 1 Santos Pacaembu

Rosinei Gol marcado aos 1 minutos de jogo 1'
Tevez Gol marcado aos 19 minutos de jogo 19' Gol marcado aos 36 minutos de jogo 36' Gol marcado aos 52 minutos de jogo 52'
Nilmar Gol marcado aos 57 minutos de jogo 57' Gol marcado aos 76 minutos de jogo 76'
Marcelo Mattos Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90'
Geílson Gol marcado aos 8 minutos de jogo 8'
15 de Outubro Flamengo 1 - 6 São Paulo Luso-Brasileiro

Josafá Gol marcado aos 9 minutos de jogo 9'
Edcarlos Gol marcado aos 3 minutos de jogo 3' Gol marcado aos 24 minutos de jogo 24'
Amoroso Gol marcado aos 43 minutos de jogo 43'
Thiago Gol marcado aos 87 minutos de jogo 87'
Mineiro Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90'
Souza Gol marcado aos 91 minutos de jogo 91'

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Apenas os cinco primeiros.

Jogador Clube Gols
Brasil Romário Vasco da Gama 22
Brasil Róbson Paysandu 21
Argentina Carlos Tévez Corinthians 20
Brasil Alex Dias Vasco da Gama 19
Brasil Borges Paraná Clube 19
Brasil Rafael Sóbis Internacional 19[1]

Público[editar | editar código-fonte]

Jogos com portões fechados[editar | editar código-fonte]

Como medida de punição pelo mau comportamento dos torcedores a CBF decidiu que os clubes dos torcedores envolvidos em distúrbios disputariam alguns jogos com portões fechados, sem a presença de torcedores. Os jogos realizados com portões fechados foram:

Data Resultado
24 de Março Brasiliense 2 - 21 Vasco da Gama
24 de Março Fortaleza 0 - 1 Coritiba
24 de Março Santos 4 - 1 Paysandu
30 de Março Vasco da Gama 0 - 0 Fortaleza
1 de Maio Botafogo 3 - 1 Corinthians
14 de Maio Botafogo 2 - 1 Atlético Mineiro
14 de Maio Fortaleza 2 - 1 Ponte Preta
11 de Junho Atlético Paranaense 0 - 0 Figueirense
12 de Junho Corinthians 4 - 2 Flamengo
26 de Junho Atlético Paranaense 0 - 0 Fortaleza
26 de Junho Corinthians 0 - 1 Fluminense
3 de Julho Santos 0 - 0 Juventude
31 de Julho Palmeiras 1 - 1 Atlético Paranaense
11 de Setembro Atlético Mineiro 0 - 2 Botafogo
1 de Outubro Cruzeiro 2 - 0 Juventude
1 de Outubro Paysandu 3 - 1 Figueirense
11 de Outubro Paysandu 2 - 1 Coritiba
28 de Outubro Paraná 1 - 3 São Caetano
30 de Outubro Santos 1 - 2 Cruzeiro
13 de Novembro Juventude 3 - 1 São Caetano
13 de Novembro Santos 0 - 4 Internacional
16 de Novembro Santos 0 - 0 Paraná
19 de Novembro Juventude 2 - 1 Goiás

Nota 1: O Brasiliense, amparado por uma decisão da Justiça Comum, abriu os portões, desobedecendo a ordem da CBF. O STJD puniu o clube com a perda dos pontos do jogo e atribuiu a vitória ao Vasco da Gama.[7]

Média por clube[editar | editar código-fonte]

Apenas jogos em que o clube é mandante.

Clube Média Clube Média
1 Corinthians 27.319 (19) 12 Flamengo 13.657 (21)
2 Fortaleza 21.750. (19) 13 Brasiliense 13.479 (20)
3 Atlético Mineiro 21.725 (20) 14 Goiás 12.980 (21)
4 Coritiba 18.688 (21) 15 Paraná 11.864 (20)
5 Vasco da Gama 16.938 (19) 16 Atlético Paranaense 11.620 (19)
6 Internacional 16.237 (20) 17 São Paulo 9.805 (21)
7 Cruzeiro 15.753 (19) 18 Santos 9.611 (16)
8 Fluminense 15.355 (20) 19 Figueirense 9.279 (21)
9 Botafogo 14.456 (19) 20 Ponte Preta 5.807 (21)
10 Paysandu 14.213 (19) 21 Juventude 5.648 (18)
11 Palmeiras 14.085 (20) 22 São Caetano 3.094 (21)

Maiores públicos[editar | editar código-fonte]

Público Estádio Jogo
64.937 Morumbi Corinthians 3 - 1 Ponte Preta
55.461 Estádio Castelão Fortaleza 1 - 0 São Paulo
48.164 Estádio Beira-Rio Internacional 2 - 1 Palmeiras
45.769 Estádio Castelão Fortaleza 2 - 1 Flamengo
45.205 Estádio Beira-Rio Internacional 2 - 2 Fluminense
43.567 Mineirão Cruzeiro 2 - 1 Atlético Mineiro
43.000 Estádio Serra Dourada Goiás 3 - 2 Corinthians
42.476 Mineirão Atlético Mineiro 0 - 1 Cruzeiro
42.421 Mineirão Atlético Mineiro 0 - 0 Vasco da Gama
39.629 Morumbi Corinthians 3 - 1 Palmeiras
37.500 Mineirão Atlético Mineiro 2 - 3 São Caetano

Fonte: CBF News

Outras divisões[editar | editar código-fonte]

Série B[editar | editar código-fonte]

Depois de um ano na Série B, o Grêmio conquistou o título no quadrangular final e, em 2006, voltou para a Série A, subindo juntamente com o Santa Cruz, de Pernambuco. Os outros dois times do quadrangular eram o Náutico, também de Pernambuco e os paulistas da Portuguesa de Desportos.

No jogo final, Náutico 0 x 1 Grêmio, houve dois incidentes: a torcida pernambucana trancou os gaúchos no vestiário (como retaliação à falta de água ao Náutico em Porto Alegre) e após o juiz ter marcado um pênalti para o Náutico, instaurou-se confusão que levou à expulsão de 3 gremistas (o Grêmio já tinha 1 homem a menos). Após aproximadamente 25 minutos de paralisação, o Náutico finalmente pôde cobrar a penalidade (que, se convertida, eliminaria a equipe gaúcha e classificaria as duas equipes pernambucanas para a série A). Porém, o goleiro Galatto do Grêmio defendeu a cobrança. Um minuto depois o Náutico teve um jogador expulso e na sequência do lance o Grêmio ainda marcou um gol que lhe deu o título da competição, mesmo com 6 jogadores na linha. O episódio ficou conhecido pela torcida gremista como Batalha dos Aflitos, em referência ao nome do estádio do Náutico.[8]

O outro time classificado, Santa Cruz Futebol Clube, assegurou sua classificação ao final do jogo contra a Portuguesa de Desportos. A partida foi realizada no Estádio Arruda, em Recife, com o público de 60.000 pagantes. Com 2 gols de Reinaldo, (aos 39 e 41 minutos do primeiro tempo) o Santa Cruz jogou bem e venceu o jogo, de virada, por 2x1, conquistando sua classificação para a Série A do Campeonato Brasileiro de 2006. Devido ao atraso no jogo Náutico e Grêmio os torcedores do Santa Cruz já comemoravam a vitória do campeonato, que minutos depois seria conquistada pelo Grêmio. Cléber marcou o único tento do time paulista aos 19 minutos da primeira etapa.

Série C[editar | editar código-fonte]

O quadrangular final da Série C (Terceira divisão) teve um time de cada região brasileira (exceto a Centro-Oeste): Remo (Pará, Norte), América-RN (Rio Grande do Norte, Nordeste), Ipatinga (Minas Gerais, Sudeste) e Novo Hamburgo (Rio Grande do Sul, Sul) .

Acabaram ascendendo à Série B dois times que haviam sido rebaixados em 2004, o Remo (Campeão) e o América de Natal (vice).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Artilheiros da Série A (em português) terra.com.br. Visitado em 21/01/2012.
  2. Viga, Rodrigo (5 de dezembro de 2005). Argentino Tevez é eleito o craque do Brasileiro 2005 (html) (em português) terra.com.br. Visitado em 02/02/2012.
  3. Entenda o caso da máfia do apito (shtml) (em português) folha.uol.com.br (11 de maio de 2006). Visitado em 02/02/2012.
  4. Acompanhe, dia a dia, o escândalo da arbitragem (html) (em português) terra.com.br. Visitado em 02/02/2012.
  5. Oliveira, Piraci. O caso dos 11 jogos; o Tribunal Desportivo do Zveiter; a Insegurança Jurídica e nós, os palhaços (pdf) (em português) piraci.com.br. Visitado em 02/02/2012.
  6. Romildo Correa deixa o apito e protesta (jhtml) (em português) uol.com.br (27 de novembro de 2012). Visitado em 02/02/2012.
  7. "Jogo contra o Brasiliense é impugnado e Vasco fica com os pontos" - esporte.uol.com.br - 05/05/2005
  8. Batalha dos Aflitos, jogo que marcou história do Grêmio e de Mano Menezes, completa cinco anos (em português) r7.com (26/11/2010). Visitado em 21/01/2012.