Campo de concentração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Campos de concentração)
Ir para: navegação, pesquisa
O "portão da morte" do campo de concentração de Birkenau.

Campo de concentração é um centro de confinamento militar, instalado em área de terreno livre e cercada por telas de arame farpado ou algum outro tipo de barreira, cujo perímetro é permanentemente vigiado, para suster prisioneiros de guerra e/ou prisioneiros políticos.

História[editar | editar código-fonte]

Os campos de concentração são utilizados para a detenção de civis ou militares, geralmente em tempos de guerra. Não integram os sistemas penitenciários, onde são detidas pessoas condenadas por infringir a legislação de um país. São quase sempre instalações provisórias, com capacidade para abrigar grande quantidade de pessoas, normalmente prisioneiros de guerra, que, no melhor dos casos, podem vir a servir como moeda de troca com o inimigo, ou permanecer presas até a resolução do conflito. No terreno são dispostos, organizadamente, barracões para dormitórios, refeitórios, escritórios e finalidades complementares.

Em tese, esses centros de confinamento devem obedecer às regras das convenções internacionais[desambiguação necessária], bem como submeter-se à fiscalização de organizações internacionais de defesa de direitos humanos. No entanto, historicamente há inúmeros registros de exploração de mão-de-obra em regime de escravidão, bem como tortura e extermínio para presos políticos, prisioneiros de guerra e membros de grupos étnicos. Estes atos costumam ser motivados por ideologias, políticas totalitárias e funções militares.

O uso de campos de concentração foi amplamente disseminado na Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial, na extinta União Soviética, durante a era stalinista, e atualmente na Coreia do Norte. A prática de matanças sistemáticas de prisioneiros em alguns desses campos, fez com que, em linguagem corrente, os campos de concentração fossem assimilados aos campos de extermínio, que de fato constituem um subtipo anômalo.

O tratamento dado a prisioneiros de guerra, tanto civis quanto militares, nos campos de concentração em tempo de guerra é regulado pela Terceira e Quarta Convenções de Genebra, de 12 de agosto de 1949 [1]

Há diversos registros do uso de instalações desse tipo para confinamento de dissidentes políticos por regimes ditatoriais, ou ainda como solução extrema para deter fluxos migratórios. Em alguns casos trata-se de dependências oficialmente inexistentes, sem qualquer vinculação com a norma jurídica e portanto não submetidas ao controle internacional, como no caso de Guantánamo, em Cuba.

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Império Alemão[editar | editar código-fonte]

Principais campos de concentração e extermínio nazistas na Europa ocupada.

Em resposta a uma revolta dos Namaquas e hererós [2] na colônia do Sudoeste Africano Alemão, atual Namíbia, as autoridades alemãs criaram campos de concentração para confinar os rebeldes. O combate aos rebeldes e as condições dos campos causaram um número de mortos tão grande, que este é tido como o primeiro genocídio do século XX. O Genocídio dos Hererós e Namaquas estendeu-se de 1904 a 1907. [3]

Alemanha Nazista[editar | editar código-fonte]

Sob o nazismo, os campos de concentração foram usados como parte de uma estratégia de dominação de grupos étnicos e dissidentes políticos. Diferentes grupos étnicos (judeus, ciganos, [[polacos], sintis, yeniches), políticos (anarquistas, comunistas), homossexuais e minorias religiosas (Testemunhas de Jeová) [4] foram objeto de tratamento desumano e de extermínio.

Estima-se que grande parte dos judeus desaparecidos durante a Segunda Guerra Mundial tenha perecido nos campos. Embora outros países tenham construído campos de concentração com a finalidade de isolar populações de determinadas etnias, não há nada comparável, em escala, aos campos nazistas. Desde 1933, quando os primeiros grandes campos de concentração foram construídos em Boyermoor e Dachau, oito milhões de pessoas perderam seus nomes, ganharam números, foram escravizadas ou transformadas em cobaias (ver: experimentos humanos nazistas). Muitas delas morreram vitimadas por doenças, como tifo e cólera, enquanto outras eram enviadas aos campos de extermínio para serem eliminadas em câmaras de gás.

Argentina[editar | editar código-fonte]

A ESMA, um famoso centro clandestino de detenção na Argentina.

Os centros clandestinos de detenção (CCD) na Argentina foram instalações secretas empregadas pelas forças armadas e de segurança para executar o plano sistemático de desaparecimento de pessoas implementado pela ditadura militar (autodenominada "Processo de Reorganização Nacional") que ocupou o poder na Argentina entre 24 de março de 1976 e a 10 de dezembro de 1983,

As Forças Armadas classificavam os CCD em dois tipos:

  • Lugar de Reunião de Detidos (LRD): tinham uma organização mais estável e estavam preparados para alojar, torturar e assassinar grandes quantidades de detidos.
  • Lugar Transitório (LT): tinham uma infra-estrutura precária e estavam destinados a funcionar como um primeiro lugar de alojamento dos detidos-desaparecidos.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 1915 e 1932, o governo brasileiro criou no Estado do Ceará, mais precisamente em Senador Pompeu, em uma parte conhecida como Sertão Central do Estado, campos para confinar retirantes que fugiam das secas.[5] [6] Estes campos ficaram conhecidos como os currais do governo. [7] [8]

Já em 1942, a partir da declaração de guerra do Brasil aos países do Eixo, o governo brasileiro criou vários campos de concentração para cidadãos alemães, italianos e japoneses, considerados suspeitos de atividades antibrasileiras. [9] Também foram feitos prisioneiros os tripulantes de embarcações alemãs capturadas ou avariadas nas costas brasileiras. Os campos oficiais eram doze: Daltro Filho (RS), Trindade[10] [11] (SC), Presídio de Curitiba (PR), Guaratinguetá (SP), Pindamonhangaba (SP),[12] Bauru (SP), Pirassununga (SP), Ribeirão Preto (SP), Pouso Alegre (MG), Niterói (RJ), Chã de Estevam (PE)[13] e Tomé-Açu (PA). [14] [15]

Também haviam outros campos de concentração dentre os oficiais, por exemplo, em Ponta Grossa que prendiam além de japoneses, alemães e italianos, também mantinham austríacos.[16] Em Joinville, 200 pessoas foram colocados num hospício desativado. Um campo de concentração no Recife abrigou os funcionários das Casas Pernambucanas, apenas pelo fato de os seus patrões terem origem germânica.[17]

A reclusão nos campos praticamente foi uma precondição para o apoio brasileiro aos Aliados. O tratamento dado aos imigrantes foi um dos elementos de negociação no campo da política internacional.[18]

Esse período da história brasileira não foi incluído nos livros didáticos até o momento, pois, até 1996, era considerado secreto pelo governo, que permitia apenas o acesso parcial das informações. Os arquivos foram lacrados com base em uma lei que proibia consultas ou pesquisas por 50 anos. Em 1988, o prazo diminuiu para 30 anos.[18]

China[editar | editar código-fonte]

Mapa dos campos de trabalho Laogai na China.

Laogai, a abreviatura de Láodòng Gǎizào (劳动 改造/劳动 改造), que significa "reforma através do trabalho", é um slogan do sistema de justiça criminal chinês e tem sido usado para se referir ao uso de mão de obra prisional e de colônias penais agrícolas na República Popular da China (RPC). Estima-se que nos últimos 50 anos, mais de 50 milhões de pessoas foram enviadas para os campos laogai.[19] O sistema laogai se distingue do sistema laojiao, ou reeducação através do trabalho, que é um sistema de prisões administrativas para pessoas que não são criminosas, mas que cometeram delitos menores, e se destina a transformar criminosos em cidadãos cumpridores da lei.[20] As pessoas que se encontram detidas no sistema laojiao, estão abrigadas em instalações separadas do sistema prisional geral laogai. Ambos os sistemas, no entanto, envolvem o trabalho penal.

Em 1990, a China abandonou o termo laogai e começou a classificar as instalações apenas como "prisões". A revisão feita em 1997 da Lei de Processo Penal da China pôs um fim na abertura da política laogai.[21] A existência de uma extensa rede de campos de trabalho forçado que produzem bens de consumo para exportação para a Europa e para os Estados Unidos tornou-se classificada.[22] [23] A publicação de informações sobre o sistema prisional da China pelo canal catariano Al Jazeera English resultou na expulsão da emissora do país em 7 de maio de 2012.[24] [25]

Coreia do Norte[editar | editar código-fonte]

Campo de concentração (Coreia do Norte)
Blue pog.svg
Mapa dos campos de concentração de prisioneiros políticos (cor vermelha) e de prisioneiros comuns (cor azul) na Coreia do Norte.[26]

De acordo com muitas organizações de direitos humanos, as condições nas prisões da Coreia do Norte são severas e oferecem risco de vida aos detentos.[27] Nelas os presos são sujeitos à tortura e a um tratamento desumano por parte das autoridades norte-coreanas.[28] [29] Nas prisões da Coreia do Norte também ocorrem frequentemente execuções públicas e secretas de prisioneiros, inclusive crianças e especialmente em casos de tentativas de fuga,[30] além de infanticídios (abortos forçados e assassinatos de bebês no ato do nascimento).[31] A taxa de mortalidade é muito elevada, porque muitos prisioneiros morrem de fome,[32] doenças,[33] acidentes de trabalho ou tortura.

O governo da Coreia do Norte nega categoricamente todas as alegações de violações dos direitos humanos em campos de prisioneiros, alegando que isso é proibido por lei processual penal.[34] No entanto, ex-prisioneiros testemunham que existem regras completamente diferentes nos campos de prisioneiros.[35] O governo norte-coreano nunca forneceu nenhuma informação sobre prisioneiros ou campos de prisioneiros, proibindo o acesso de qualquer organização de direitos humanos aos campos de prisioneiros do país.[36]

Lee Soon-ok [37] deu um testemunho detalhado sobre o seu tratamento no sistema prisional norte-coreano para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos em 2002. Em seu depoimento, ela disse: "eu declaro que a maioria dos 6.000 presos que estavam lá quando eu cheguei, em 1987, silenciosamente pereceram sob as condições prisionais duras na hora que eu fui liberta em 1992".[38] Muitos outros prisioneiros antigos, incluindo Kang Chol-hwan e Shin Dong-hyuk,[39] deram testemunhos detalhados e consistentes sobre os crimes contra os direitos humanos nos campos de prisioneiros norte-coreanos.

De acordo com o depoimento do ex-guarda de campo Ahn Myong Chol, do Campo 22 (também chamado de Campo de concentração de Hoeryong), os guardas são treinados para tratar os detentos como sub-humanos, e ele deu um relato acerca de crianças em um dos campos de prisioneiros que estavam lutando sobre quem teria que comer um grão de milho obtido a partir de esterco de vaca.[40]

As instalações dos campos de prisioneiros da Coreia do Norte podem ser distinguidas em grandes campos de internamento para os presos políticos (Kwan-li-so em coreano) e em campos de reeducação para os prisioneiros comuns (Kyo-hwa-lo em coreano).[41]

Espanha[editar | editar código-fonte]

Na Espanha entre 1936 e 1947 funcionaram vários campos de concentração estáveis e outros muitos provisórios, coordenados pelo Servicio de Colonias Penitenciarias Militarizadas.

Recluíram cerca de meio milhão de prisioneiros entre 1936 e 1942[42] .

Terminavam nestes campos de concentração, desde integrantes do bando republicano (ex-combatentes da guerra civil ou dissidentes políticos até homossexuais e presos comuns. Assim como em outros muitos campos de concentração, os prisioneiros eram hierarquizados, sendo que os presos comuns violentos (portanto sem motivações políticas ou ideológicas) estavam num grau superior ao da maioria dos detentos, trabalhando de vigiantes destes últimos. Caracterizaram-se pela exploração laboral dos prisioneiros, organizados em batalhões de trabalhadores.

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Campo de Manzanar, Califórnia.
Soldados nipo-americanos do 442º Regimento de Infantaria dos Estados Unidos em Bruyères, França, em 12 de novembro de 1944 (ver: Barney Hajiro). Enquanto estes soldados lutavam na Europa, suas famílias permaneciam detidas em campos de concentração nos EUA.[43]

Nos Estados Unidos, também durante a Segunda Guerra Mundial, campos de concentração alojaram cerca de 120 000 pessoas, a maioria delas de etnia japonesa,[44] embora de cidadania estadounidense.[45]

Crystal City, no Texas notabilizou-se por abrigar um desses campos e para lá foram deportados não apenas cidadãos japoneses como também alemães. O governo dos EUA tirou proveito da situação, trocando os prisioneiros alemães por prisioneiros judeus estadunidenses que se encontravam em campos de concentração europeus.

Os campos eram situados em locais remotos do interior do país e foram projetados especialmente para este fim, entre 1942 e 1948. As pessoas foram retiradas à força de suas casas, quase sempre situadas na costa oeste, e enviadas para instalações de segurança máxima. Os campos eram cercados com arame farpado e vigiados por guardas armados. Aqueles que tentavam fugir eram abatidos.

O confinamento de japoneses étnicos foi principalmente uma resposta ao ataque a Pearl Harbor. Durante a guerra, os organismos de defesa dos Direitos Humanos contestaram o direito do governo de aprisionar pessoas por razões étnicas e apelaram à Suprema Corte dos Estados Unidos, porém o apelo foi rechaçado.

Posteriormente, em 1951, o governo dos EUA ofereceu compensações financeiras às vítimas mas só em 1988, quando ofereceu também US$20 000 como ressarcimento às vítimas através da Public Law 100-383, houve uma retratação pública e o governo norte-americano admitiu que a concentração de prisioneiros deveu-se a "preconceitos raciais, à histeria bélica e à deficiência da liderança política". A ordem de concentração partira do presidente Franklin Delano Roosevelt, através do decreto 9066, que autorizava ao chefes das guarnições militares a designar "áreas de exclusão". A "área de exclusão militar número um", que correspondia a toda a costa do Pacífico, foi declarada fora dos limites para qualquer pessoa de ascendência japonesa.[46]

Em outubro de 1990 o presidente George H. W. Bush escreveu:[47]

A monetary sum and words alone cannot restore lost years or erase painful memories; neither can they fully convey our Nation's resolve to rectify injustice and recognize that serious injustices were done to Japanese Americans during World War II.

In enacting a law calling for restitution and offering a sincere apology, your fellow Americans have, in a very real sense, renewed their traditional commitment to the ideals of freedom, equality and justice. You and your family have our best wishes for the future. Sincerely, George Bush

França[editar | editar código-fonte]

Império Otomano[editar | editar código-fonte]

Armênios escoltados por soldados turcos marchando para uma prisão próxima da cidade de Mamüret-Ul Aziz (Kharberd - Kharpert para os armênios, atual Elazığ) em Abril de 1915.

O Império Otomano/Turquia perseguiu minorias cristãs no período 1913-1923 (ver: Genocídio armênio, Genocídio assírio e Genocídio grego). Resultando num total de mais de 3,5 milhões de mortes por razões étnico-religiosas.[48] Durante as perseguições promovidas pelo governo dos Três Paxás, no poder de 1913 a 1918 (ver: Jovens Turcos e Comitê para a União e o Progresso), os perseguidores fizeram uso de campos de concentração [49] e extermínio, como parte da estratégia de eliminação das populações perseguidas. Estes foram criados para encarcerar os grupos que sobreviveram às deportações e marchas da morte que lhes foram impostas.[50] Estudos indicam que existiram por volta de 25 campos, em sua maioria instalados nas proximidades das atuais fronteiras entre Síria, Iraque e Turquia.[51] A Turquia moderna nega-se a reconhecer tais fatos.[48] [52]

Japão[editar | editar código-fonte]

Mapa indicativo dos campos de prisioneiros conhecidos mantidos pelo Império do Japão dentro da Esfera de Coprosperidade da Grande Ásia Oriental.

De 1941 a 1945, o Império do Japão criou campos de prisioneiros, no Japão e nos territórios ocupados na Ásia para encarcerar militares e civis, capturados, oriundos de países aliados da Segunda Guerra Mundial. Estes campos foram instalados em vários países: Filipinas, Coreia, Taiwan, Hong Kong, Índias Orientais Holandesas, Tailândia, China [53] e outros (ver: Lista destes campos). Durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa e a II Guerra Mundial, militares japoneses usaram prisioneiros de guerra como cobaias numa série de experiências. No estado fantoche de Manchukuo, criado pelo Japão no nordeste da China, foram realizadas experiências com armas químicas, biológicas e outras que vitimaram principalmente prisioneiros do campo de Pingfang (ver: Unidade 731).

Portugal[editar | editar código-fonte]

O Campo do Tarrafal, ou Campo de Concentração do Tarrafal, situado no lugar de Chão Bom do concelho do Tarrafal, na ilha de Santiago (Cabo Verde), foi criado pelo Governo português do Estado Novo ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26 539, de 23 de Abril de 1936, que afirma servir o Campo para receber os presos políticos e sociais, sobre quem recai o dever de cumprir o desterro, aqueles que internados em outros estabelecimentos prisionais se mostram refractários à disciplina e ainda os elementos perniciosos para outros reclusos. Este diploma abrange também os condenados a pena maior por crimes praticados com fins políticos, os presos preventivos, e, por fim, os presos por crime de rebelião. Começou a funcionar em 29 de Outubro de 1936, com a chegada dos primeiros prisioneiros.

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Campo de concentração para boeres em Krugersdorp, África do sul.

A primeira aplicação moderna e sistemática de campo de concentração foi feita pelo Reino Unido, durante a Segunda Guerra dos Bôeres, entre 1900 e 1902, quando o comandante britânico Horatio Kitchener utilizou os campos como parte de sua estratégia de combate à guerrilha.

Kitchener ordenou a destruição das fazendas que abasteciam os guerrilheiros bôeres e deportou os fazendeiros e seus empregados para campos de concentração. Tratava-se, em grande maioria, de mulheres e crianças. Famílias inteiras foram confinadas em campos, onde os prisioneiros morriam lentamente de desnutrição ou vitimados por epidemias.

O uso dos campos foi fundamental para a vitória do exército britânico. No final da guerra, cerca de 26.000 mulheres e crianças bôeres haviam perecido naqueles locais. Também os trabalhadores nativos, que viviam nas fazendas, tiveram o mesmo destino de seus patrões.

União Soviética[editar | editar código-fonte]

Mapa dos campos de trabalho forçado do sistema gulag, existentes na extinta União Soviética entre 1923 e 1961. [54]

A União Soviética manteve entre 1923 e 1961 um sistema de campos de trabalho forçado denominado gulag. Tais campos reuniam tanto criminosos comuns, como dissidentes políticos e estrangeiros. Incluindo cidadãos americanos empregados pela indústria soviética, depois de dispensados, quando não mais necessários.[55] Um prisioneiro célebre foi o paraquedista americano Victor Herman, encarcerado em 1934 e que passou 18 anos detido na Sibéria, por recusar-se a adotar a cidadania soviética após quebrar o recorde mundial de salto em queda livre.[56] Nos famosos gulags, o número de mortos chegou à marca de milhões de pessoas, tendo superado inclusive o número de judeus mortos no Holocausto a mando de Adolf Hitler, durante o período da Alemanha Nazista.

Campos de concentração famosos[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Campo de concentração

Referências

  1. Direito Internacional Humanitário. Convenção III. Convenção de Genebra Relativa ao Tratamento dos Prisioneiros de Guerra de 12 de Agosto de 1949
  2. DW-World - 1904: Começa a revolta dos hereros. Acessado em 21/12/2010
  3. Jornalorebate - O genocídio esquecido: A revolta dos Hereros e Nama na Namíbia. Acessado em 21/12/2010.
  4. Triângulos roxos
  5. Campos de Concentração no Brasil, sim, eles existiram... Acessado em 12/11/2010.
  6. História Abril - Ceará: nos campos da seca (acessado em 12/11/2010)
  7. Diariodonordeste - Currais humanos (acessado em 12/11/2010).
  8. História e cultura em Senador Pompeu. O Povo, 27 de novembro de 2010.
  9. O Brasil também teve campos de concentração , por Alexandre Duarte. Superinteressante, fevereiro de 2011.
  10. Campos de concentração em Santa Catarina. Entre 1942 e 1945, pelo menos 200 pessoas foram confinadas no Estado. Por Leandro S. Junges.
  11. Campo de concentração: área no bairro da Trindade serviu de presídio político na década de 1940, durante a Segunda Guerra Mundial. Por Jeferson Lima. 30 de Junho de 2002.
  12. Santos na II Guerra Mundial, por Fábio Galvão. 14 de maio de 2005.
  13. O inimigo light. Veja, 18 de março de 1998.
  14. SANTOS, Janaina Os silenciamentos impostos aos alemães em Santa Catarina durante o Estado Novo. UFSC, 2000.
  15. Brasil teve campos de concentração em 1942, por Keila Ribeiro e Isabela Salgueiro. Folha de São Paulo, 8 de dezembro de 2002.
  16. UEPG NOTÍCIAS - Universidade Estadual de Ponta Grossa. Visitado em 14 de março de 2012.
  17. Os espiões de Hitler no Brasil - Vida e Cidadania - Gazeta do Povo. Visitado em 14 de março de 2012.
  18. a b Folha Online - Brasil - Brasil teve campos de concentração em 1942 - 08/12/2002. Visitado em 14 atim de março de 2012.
  19. Lewis, Aaron. (5 de outubro de 2005). "Inside the Lao Gai."[ligação inativa] Special Broadcasting Service. Retirado em 10 de outubro de 2008.
  20. Reeducation Through Labor in China Human Rights Watch (Junho de 1998). Visitado em 12 de outubro de 2008.
  21. Chinese Political Prisons. Visitado em 20 de agosto de 2008. (Archived).
  22. "Prison slaves: China is the world's factory, but does a dark secret lurk behind this apparent success story?" (Parte da série: Slavery: A 21st Century Evil.), 25 de março de 2012. Página visitada em 8 de maio de 2012.
  23. Chongqing: China allows counsel for reeducation-through-labor cases Laogai Research Foundation (4 de abril de 2007). Visitado em 22 de outubro de 2008. [ligação inativa] Traduzido da língua chinesa para a língua inglesa, a fonte original é 海涛 (4 de abril de 2008). 中国重庆允许律师代理劳动教养案 Voz da América. Visitado em 4 de abril de 2007.
  24. Michael Wines. "China Expels Al Jazeera Channel", 7 de maio de 2012. Página visitada em 8 de maio de 2012.
  25. "Al Jazeera English to close China bureau" Al Jazeera English, 8 de maio de 2012
  26. Agência Nacional de Informação Geoespacial dos Estados Unidos
  27. 2009 Human Rights Report: Democratic People's Republic of Korea Departamento de Estado dos Estados Unidos. Visitado em 4 de maio de 2010.
  28. Nicholas D. Kristof. "Survivors Report Torture in North Korea Labor Camps", 14 de julho de 1996. Página visitada em 3 de agosto de 2012.
  29. North Korea: Torture, death penalty and abductions Anistia Internacional. Visitado em 4 de maio de 2010.
  30. White paper on human rights in North Korea 2009 (páginas 74 e 75) Instituto para a Unificação Nacional da Coreia (KINU). Visitado em 4 de maio de 2010.
  31. The Hidden Gulag – Part Five: Summary of torture and infanticide information (páginas 148 a 154) Comitê Estadunidense para os Direitos Humanos na Coreia do Norte. Visitado em 14 de setembro de 2010.
  32. "Running Out of the Darkness", Revista TIME, 24 de abril de 2006. Página visitada em 31 de outubro de 2006.
  33. "N. Korean Defectors Describe Brutal Abuse", Associated Press, 29 de outubro de 2008. Página visitada em 16 de dezembro de 2008.
  34. Report of the Working Group on the Universal Periodic Review: Democratic People’s Republic of Korea (página 7) Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Visitado em 11 de maio de 2010.
  35. Submission to the UN Universal Periodic Review on the Democratic People’s Republic of Korea (página 8) Aliança de Cidadãos para os Direitos Humanos na Coreia do Norte (NKHR) e Ordem dos Advogados da Coreia do Sul (KBA). Visitado em 11 de maio de 2010.
  36. Report by the Special Rapporteur on Torture and Other Cruel, Inhuman, or Degrading Treatment or Punishment, Theo van Boven: Democratic People’s Republic of Korea Organização das Nações Unidas/Derechos Human Rights. Visitado em 11 de maio de 2010.
  37. Os Olhos dos Animais sem Cauda. As Memórias de uma Mulher norte-coreana na Prisão. Lee Soon-ok, Ed. Horizontes América Latina, 2008. ISBN 9788589195683 Adicionado em 16/11/2014.
  38. Testimony of Ms. Soon Ok Lee, North Korean prison camp survivor Audiências do Senado dos Estados Unidos. Visitado em 11 de novembro de 2010.
  39. Fuga do Campo 14. Blaine Harden, Editora Intrínseca, 2012. ISBN 9788580571653 Adicionado em 16/11/2014.
  40. National Geographic: Inside North Korea, transmitido pelo The History Channel em 2006, acessado na Netflix, 22 de julho de 2011
  41. The Hidden Gulag – Part Two: Kwan-li-so political panel-labor colonies (páginas 25 a 82), Part Three: Kyo-hwa-so long-term prison-labor facilities (páginas 82 a 110) Comitê Estadunidense para os Direitos Humanos na Coreia do Norte. Visitado em 11 de novembro de 2010.
  42. RODRIGO, Javier (2006). Internamiento y trabajo forzoso: los campos de concentración de franco. Hispania Nova, Revista de historia contemporánea, vol. 6, Separata.[1].
  43. Domtotal - Racismo à moda da casa. Página visitada em 13 de setembro de 2014.
  44. Japanese-Americans Internment Camps During World War II, arquivo Marriott Library, Universidade de Utah. Fotos dos campos.
  45. Teaching With Documents: Documents and Photographs Related to Japanese Relocation During World War II. U.S. National Archives and Records Administration.
  46. Direitos Humanos e Política Externa dos EUA
  47. A carta de Bush
  48. a b Genocide Text - Notes on the Genocides of Christian Populations of the Ottoman Empire. Submitted in support of a resolution recognizing the Armenian, Assyrian, and Pontic and Anatolian Greek genocides of 1914-23, presented to the membership of the International Association of Genocide Scholars (IAGS), 2007, (em inglês). Acessado em 30/11/2014.
  49. Os quarenta dias de Musa Dagh. Franz Werfel, Paz e Terra, 1995. ISBN 9788521901181 Adicionado em 28/11/2014.
  50. Imprescriptible - Revue D'Histoire Arménienne Contemporaine, Tome II. L'extermination des déportés Arméniens ottomans dans les camps de concentration de Syrie-Mésopotamie (1915-1916). Raymond H. Kévorkian, 1998, (em francês). Acessado em 30/11/2014.
  51. Le siècle des camps: détention, concentration, extermination, cent ans de mal radical. Joël Kotek & Pierre Rigoulot, Lattès, 2000. ISBN 9782709618847 (em francês) Adicionado em 28/11/2014.
  52. Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (Universidade Federal de Sergipe) - REFLEXÕES SOBRE MEMÓRIA, ESQUECIMENTO E RECALQUE DO GENOCÍDIO ARMÊNIO. Daniela Spinelli, 2011. ISSN 1980-8879 Adicionado em 28/11/2014.
  53. Captives of Empire: The Japanese Internment of Allied Civilians in China, 1941-1945 de Greg Leck. Shandy Press, 2006, (em inglês). ISBN 9780977214105 Adicionado em 20/09/2014.
  54. ONG Memorial.
  55. The Forsaken: An American Tragedy in Stalin's Russia. Autor: Tim Tzouliadis, Penguin Group (USA) Incorporated, 2009. (em inglês) ISBN 9780143115427 Adicionado em 5 de junho de 2014.
  56. Coming Out of the Ice: An Unexpected Life. Victor Herman, Freedom Press, 1983, (em inglês). ISBN 9780915031023. Adicionado em 18/12/2014.