Canavial de Paixões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Canavial de Paixões
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Criador(es) Caridad Bravo Adams
(obra original)
Henrique Zambelli
Simoni Boer
(adaptação)
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Jacques Lagôa
Claudio Callao
Henrique Martins
Elenco Bianca Castanho
Gustavo Haddad
Thierry Figueira
Helena Fernandes
Jandir Ferrari
Oscar Magrini
Débora Duarte
Ana Cecília Costa
ver mais
Tema de abertura "Incêndio no Canavial", por Moacyr Franco e Sérgio e Júnior
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Sistema Brasileiro de Televisão
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 13 de outubro de 2003 - 22 de março de 2004
N.º de episódios 116
Cronologia
Último
Último
Jamais Te Esquecerei
Seus Olhos
Próximo
Próximo
Programas relacionados Cañaveral de pasiones
Abismo de pasión

Canavial de Paixões é uma telenovela brasileira produzida pelo Sistema Brasileiro de Televisão e exibida entre 13 de outubro de 2003 e 22 de março de 2004, totalizando 116 capítulos. Escrita por Henrique Zambelli e Simone Boer com a supervisão de Ecila Pedroso, é inspirada na telenovela mexicana Cañaveral de pasiones de Humberto Zurita e Christian Bach, que, por sua vez, foi desenvolvida com base em um texto da autora Caridad Bravo Adams. A direção da trama coube a Jacques Lagôa e Claudio Callao, sob a direção geral de Henrique Martins, a direção de núcleo de Daniel Scherer a direção geral de teledramaturgia de David Grinberg. É a sexta produção da emissora baseada em um texto mexicano desde a assinatura de um contrato em abril de 2001 com a empresa Televisa, o qual dava ao SBT direitos para adaptar suas obras em produções brasileiras. A classificação indicativa da trama é de livre para todos os públicos.

Bianca Castanho interpreta a personagem principal, Clara Feberman Santos, numa trama que narra os conflitos das famílias Santos e Giácomo, esta última dona do Grupo Usineiro Giácomo, o maior do povoado fictício de São Bento dos Canaviais. Seu par romântico, Paulo Giácomo, é interpretado por Gustavo Haddad. Thierry Figueira, Ana Cecília Costa, Jandir Ferrari, Débora Duarte, Helena Fernandes, Oscar Magrini, Jonas Mello, Victor Fasano, Cláudia Ohana e Patrícia Mayo desempenham os demais papéis principais da história. Os temas abordados na novela incluem romance proibido, tal inspirado pela obra Romeu e Julieta de William Shakespeare.

O tema de abertura da telenovela, "Incêndio no Canavial", é interpretado por Moacyr Franco e pela dupla Sérgio e Júnior. A canção foi incluída em uma trilha sonora lançada paralelamente à trama pela Universal Music e que contou com canções de Elis Regina, Sérgio Reis e Rouge, dentre outros. O título Canavial de Paixões, considerado "brega" por Marina Monzillo da revista IstoÉ Gente, é uma tradução do título da obra mexicana e foi definido pela história se passar em um canavial e seu enredo se basear em conflitos românticos. A obra de Zambelli e Boer oscilou uma média de 12 pontos na medição do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística e foi bem-recebida pela imprensa, que considerou que a emissora estava se aperfeiçoando na teledramaturgia, mas a fraca produção foi criticada.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1996, Humberto Zurita e Christian Bach escreveram Cañaveral de pasiones, adaptando dois textos radiofônicos da escritora Caridad Bravo Adams: Una sombra entre los dos e Al pie del altar.[1] O romance produzido pela Televisa e protagonizado por Daniela Castro e Juan Soler foi exibido pelo Canal de las Estrellas entre 6 de maio e 6 de setembro de 1996, totalizando 96 capítulos.[2] O enredo focava na história do casal Julia e Pablo, que cresceram juntos em um povoado no estado mexicano de Veracruz. Quando a mãe dela, Margarita, e o pai dele, Amador, morrem em um incêndio, levanta-se a suspeita de que eles fugiram juntos. O rancor das duas famílias acaba separando o casal ainda na infância e difamando Margarita e depois a própria filha. Arrependida, a mãe dele, Josefina, proíbe-o de ver a amiga e o manda para a capital, Xalapa. Doze anos depois, ele volta à cidade natal como noivo da arrogante Gina, e ao reencontrar Julia se dá conta que a ama.[3] No Brasil, o romance foi exibido pela CNT/Gazeta, com estreia em 28 de julho de 1997.[1] Em 2001, o Sistema Brasileiro de Televisão assinou um contrato com a Televisa que dava direitos de adaptar folhetins mexicanos em refilmagens brasileiras.[4] Desde então, foram produzidas Pícara Sonhadora, Amor e Ódio, Marisol, Pequena Travessa e Jamais Te Esquecerei.[5]

Produção[editar | editar código-fonte]

Ainda em 2002, com Marisol no ar, o SBT anunciou que produziria uma adaptação de Cañaveral de pasiones. Ela substituiria a outra que estava no ar a partir de outubro daquele ano; no entanto, com Esperança da Rede Globo estreando em 17 de junho[6] e ambas tendo uma temática rural, "a novela do SBT iria parecer uma produção muito pobre em comparação com a da Globo, por isso foi adiada", de acordo com Daniel Castro.[7] Portanto, a emissora lançou em seu lugar Pequena Travessa[8] e depois exibiu Jamais Te Esquecerei.[9] Em 2003, Keila Jimenez noticiou em sua coluna no jornal O Estado de S. Paulo que a rede e a empresa mexicana Televisa estavam próximas de renegociar o acordo formado em 2001, já que este estava próximo de ser cancelado; "como a dívida foi assumida em 2001, em dólar, a alta do câmbio fez a conta do SBT subir além do esperado, levando Silvio Santos a ameaçar encerrar a parceria, caso não houvesse renegociação".[10] Cada capítulo da trama teve um investimento de R$ 90 mil. As gravações começaram em agosto de 2003[11] e terminaram em novembro do mesmo ano.[12]

Seleção de elenco e cenário[editar | editar código-fonte]

Os testes para o elenco começaram a ser feitos mesmo sem o contrato renovado, no dia 7 de julho de 2003.[13] Na semana seguinte, o periódico O Globo ventilou possíveis nomes no elenco. Helena Fernandes, segundo o jornal, estaria negociando com a emissora para participar da trama, enquanto Suzana Alves, Priscila Borgonovi, Patrícia Coelho, Bruno de Luca, Edward Boggis, Quitéria Chagas[14] e Ricardo Macchi fizeram testes nos estúdios do canal.[15] Daniela Duarte foi convidada para fazer parte do elenco,[16] e sua mãe acabou por entrar na seleção.[17] No dia 28 de julho, saíram os resultados dos testes.[18] Bianca Castanho foi confirmada como protagonista em agosto.[19] [20] O SBT também fechou com Victor Fasano, Oscar Magrini e Cláudia Ohana.[21] Depois, Gustavo Haddad foi anunciado como protagonista ao lado de Castanho.[22] Assim, concluiu-se que Canavial de Paixões teria 28 atores.[23]

O canavial, a usina de açúcar e uma igreja os quais serviram de cenário localizavam-se em Iracemápolis, no interior de São Paulo.[24] Victor Fasano, que gravou uma participação especial na trama, também usou sua imagem como embaixador e divulgador da novela.[25] Para as gravações, foram reaproveitados cenários de Éramos Seis, Pequena Travessa, Pícara Sonhadora, Marisol, Amor e Ódio e Jamais Te Esquecerei. Os prédios que aparecem nas cenas eram apenas fachadas, e as cenas internas eram filmadas em dois estúdios de reproduziam o interior das casas, cada um com 850 . De acordo com Elena Corrêa, do jornal O Globo, "num começo de tarde em que o dia parece já estar chegando ao fim porque nuvens pretas anunciam que uma chuva torrencial cairá em breve, a sensação é quase a de se estar caminhando por um cenário de filme de suspense. Um coreto abandonado, pincelado por folhas secas e galhos de árvores, ainda espera o momento de ganhar apenas alguns retoques para abrigar novos personagens em uma novela futura".[26]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg Uma mistura de Romeu e Julieta, de Shakespeare, Crime e Castigo, de Dostoievski, e Intriga e Amor, de Schiller. Cquote2.svg
Jacques Lagôa, diretor[27]
Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Canavial de Paixões se passa em um pequeno povoado católico chamado São Bento dos Canaviais. A economia da cidade é completamente baseada no plantio de cana-de-açúcar e na produção de açúcar, principalmente do Grupo Usineiro Giácomo.[28] Este é um cenário onde ocorrem encontros, desencontros, intrigas e amores que o tempo não pode apagar.[29] Casada com o poderoso usineiro Amador Giácomo, Teresa sempre suportou os casos extraconjugais do marido.[30] No entanto, nunca permitiu que sua família se aproximasse da família Santos, com medo de que fosse reaceso um amor juvenil que houve entre seu marido e a esposa de Fausto Santos, Débora Feberman.[31] Débora, porém, sempre amou seu esposo. Ainda crianças, Clara, Paulo, João de Deus e Mirela nutrem uma grande amizade, mesmo com as diferenças sociais entre eles. Mas a desconfiança e o preconceito dos adultos fará com que eles sofram até a idade adulta.[32]

Teresa Giácomo impede que seu filho, Paulo, mantenha laços com Clara, filha de Débora, a qual Teresa acha ser amante do seu marido. Ela também não quer que seu filho se aproxime de João de Deus, por este ser um órfão criado pelo padre da paróquia, e nem com Mirela, menina órfã que vive humildemente com a avó curandeira.[33] Paulo também sofre com a crise conjugal de seus pais. Ele procura a curandeira Remédios, que lhe dá um amuleto capaz de reaproximá-los. Sua tentativa fracassa quando sua mãe recusa o amuleto.[34] Clara é quem fica com o talismã, selando misticamente o amor entre ela e Paulo. Com a morte de Débora, sua irmã maquiavélica Raquel se casa com o cunhado, Fausto. Ela faz com que a paternidade da garota Clara seja motivo de desconfiança e faz Fausto rejeitar a filha.[35]

Quinze anos depois, o casamento entre Raquel e Fausto se torna um fiasco. Clara tenta se reaproximar do pai, mas ainda é rejeitada. Mesmo com o passar dos anos, ele ainda desconfia do passado de Débora Feberman e da paternidade de sua filha.[36] João de Deus é responsável pela sobrevivência do canavial de Fausto. A produção de cana é vendida para outra usina, já que o Grupo Usineiro Giácomo não aceita a união dos negócios com a família Santos. Clara tenta negociar com Teresa, mas suas tentativas são em vão. Agenor, braço direito de Teresa, é responsável pelo grupo familiar, que prospera cada vez mais.[37] Inescrupuloso, ele manda e desmanda de acordo com seu humor e interesse de realizar seus planos. Ele substitui o patrão na usina e no coração de Teresa, uma mulher angustiada que não consegue esquecer a humilhação que viveu no passado. Paulo volta para São Bento já formado e reencontra Clara. O amor entre os dois floresce novamente. Teresa fará de tudo para separar os dois, e poderá contar com a ajuda de Regina, noiva de Paulo. Elas agirão em dupla para afastar o rapaz da moça.[38]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Exibição[editar | editar código-fonte]

O primeiro capítulo de Canavial de Paixões foi exibido em 13 de outubro de 2003, na faixa das 20h30 pelo Sistema Brasileiro de Televisão, substituindo Jamais Te Esquecerei.[39] [40] O romance foi exibido de segunda a sábado.[36] Inicialmente, a novela recebeu a classificação indicativa de imprópria para menores de 14 anos, o que impediria que fosse exibida antes das 21h,[41] mas a emissora recorreu e o Ministério da Justiça reclassificou a obra como livre para todos os públicos.[42] Seu desfecho foi exibido em 22 de março de 2004, totalizando 116 capítulos,[43] sendo substituída pela exibição inédita da mexicana A Outra.[44] A primeira reprise da trama ocorreu entre 24 de outubro de 2005 e 17 de março de 2006 na faixa das 15 horas sob 105 capítulos,[45] substituindo a exibição inédita da mexicana A Madrasta e sendo substituída pela segunda reprise da mexicana Rubi. Foi reexibida pela segunda vez entre 17 de agosto a 26 de novembro de 2010 em 87 episódios, no lugar de Uma Rosa com Amor[46] [47] às 20h,[48] sendo substituída pela faixa SBT Show. Sua terceira retransmissão ocorreu entre 20 de agosto de 2012 e 8 de janeiro de 2013, em 96 capítulos, sucedendo a reprise de Marisol e antecedendo a de sua antecessora Jamais Te Esquecerei.[49]

Moacyr Franco e a dupla Sérgio e Júnior interpretaram o tema de abertura, "Incêndio no Canavial".[50] Produzida pela emissora, a vinheta de abertura apresenta imagens de um canavial e trabalhadores, e também exibe imagens do elenco principal. No fim, ela retrata cenas de um incêndio, fazendo jus à letra do tema.[51]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Bianca Castanho interpreta Clara Feberman Santos,[52] uma garota que reside em São Bento dos Canaviais, um pequeno povoado católico. Quando pequena, ela formou uma grande amizade com Paulo (Gustavo Haddad), João de Deus (Thierry Figueira) e Mirela (Ana Cecília Costa).[53] No entanto, a mãe de Paulo, Teresa (Débora Duarte), sempre impediu que ele se encontrasse com ela, já que ela é filha de Débora (Cláudia Ohana), a qual ela desconfia que seja amante do seu marido, Amador Giácomo (Victor Fasano), dono do Grupo Usineiro Giácomo. Além disso, o garoto também sofre com a crise do casamento dos pais, então procura a curandeira Remédios (Wanda Stephânia), que lhe dá um amuleto que acaba ficando do Clara, selando o amor entre os dois. Débora é casada com Fausto Santos (Jandir Ferrari). Com a morte dela, sua irmã Raquel (Helena Fernandes) se casa com o cunhado e faz com que a paternidade de Clara seja questionada.[54] Quinze anos depois, o casamento entre eles se torna um fiasco. João de Deus fica responsável pelos canaviais enquanto o braço direito de Teresa, Agenor (Oscar Magrini) cuida do grupo familiar.[55]

Na usina, Agenor é rigoroso e severo com o trabalhador Vicente (Déo Garcês), apaixonado por Lourdes (Paula Cohen), namorada de Oswaldo (Marcelo Médici). Padre Antônio (Jonas Mello) é irmão de Teresa e padre da paróquia da cidade.[56] É o orientador espiritual dos personagens, exceto dos vilões. A madrinha de Clara é Amália (Patrícia Mayo), que é casada com Miguel (José Steinberg) e era muito amiga de Débora. Guilherme de Almeida (Sidney Sampaio) é um jovem descolado e envolvente. Irmão de Gina (Bruna Thedy) e filho de Carlos (Hélio Cícero), ele seduz diversas garotas com promessas de casamento. Uma delas é Denise (Débora Gomez).[57] Dr. Belay (Walter Cruz) e Hilda (Analú Graci) são pais de Márcio (Gustavo Wabner), que se forma engenheiro e volta para sua casa. Ele aceita que sua mãe lhe arranje um emprego na usina, mesmo contra a vontade do pai. Por fim, Patrícia Naves desempenha Margareth, mãe de João de Deus e uma mulher interesseira, inescrupulosa e dissimulada.[58]


Ator personagens
Bianca Castanho Clara Santos Feberman Giácomo
Gustavo Haddad Paulo Giácomo
Débora Duarte Teresa Giácomo
Helena Fernandes Raquel Feberman
Jandir Ferrari Fausto Santos
Ana Cecília Costa Mirela Mello de Giacomo
Thierry Figueira João de Deus Giácomo
Oscar Magrini Agenor Mello
Jonas Mello Padre Antônio
Wanda Stefânia Remédios Mello
Victor Fasano Amador Giácomo
Cláudia Ohana Débora Feberman de Santos
Patrícia Mayo Amália Castro
Bruna Thedy Regina de Almeida
Sidney Sampaio Guilherme de Almeida
Patrícia Naves Margareth "Marga"
Marcelo Médici Oswaldo Dias
Analu Graci Hilda Belay
Gustavo Wabner Márcio Belay
Hélio Cícero Carlos de Almeida
Walter Cruz Dr. Alexandre Belay
Rosana Penna Carlota
Déo Garcez Vicente
Débora Gomez Denise Belay
Karina Dohme Clarice
Theresa Athayde Maria
José Steinberg Miguel Castro
Milton Levy Fábio
Paula Cohen Lourdes
Vinícius Vommaro Zé Manuel
Dionísio Corrêa Luis
Wagner Molina Eugênio
Rogério Garcia Abílio
Camilo Namour Luciano
Rayana Vidal Clara Feberman Santos (Criança)
Giovanni Delgado Paulo Giácomo (Criança)
Giovanni Former João de Deus (Criança)
Bruna Guasco Mirela (Criança)
Fyama Monteiro Rosinha

Música[editar | editar código-fonte]

Canavial de Paixões
Trilha sonora de vários artistas
Lançamento 2003
Gênero(s) Vários
Idioma(s) Português
Gravadora(s) SBT Music (gravadora) Universal Music (distribuição)

O tema de abertura da telenovela, "Incêndio no Canavial", é interpretado por Moacyr Franco e a dupla Sérgio e Júnior. A trilha sonora ainda conta com artistas como Rouge, por "Um anjo veio me falar", Elis Regina por "Atrás da porta" e Sérgio Reis por "Escolta de Vagalumes". Tais canções foram incluídas em um CD lançado paralelamente à trama pela Universal Music.[59]

N.º Título Música Duração
1. "Incêndio no Canavial" (part. Sérgio e Júnior) Moacyr Franco 4:23
2. "Um anjo veio me falar"   Rouge 3:45
3. "Escolta de Vagalumes"   Sérgio Reis 3:29
4. "Atrás da porta"   Elis Regina 2:49
5. "Cai a noite"   Capital Inicial 3:31
6. "João Valentão"   Vega 3:58
7. "Sancristobal"   João Parahyba 4:34
8. "Hanabera da esperança"   As Irmãs Galvão 3:21
9. "Morro Velho"   Fagner e Milton Nascimento 5:03
10. "Toada (Na direção do dia)"   Boca Livre 3:21
11. "Pra ser feliz"   Gustavo Lins 4:01
12. "O Cio da Terra" (part. Milton Nascimento) Pena Branca e Xavantinho 3:46

Lançamento e repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

"Com texto mexicano e música de abertura na voz de Moacyr Franco, a novela Canavial de Paixões estreia amanhã, às 20h30, no SBT, disposta a concorrer com Celebridade, a nova aposta da Globo para o horário das oito".

Folha de S. Paulo, à véspera da estreia.[23]

Com o sucesso de Mulheres Apaixonadas (2003), trama da concorrente Rede Globo que vinha marcando médias de 50 pontos, Silvio Santos decidiu lançar a nova adaptação mexicana no dia de estreia da sucessora Celebridade.[23] A meta imposta para a trama foi de 15 pontos.[60] Sua estreia alcançou 11 pontos na Grande São Paulo,[61] de acordo com o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE), responsável pela medição.[nota 1] A obra de Gilberto Braga,[63] concorrente no horário, obteve 50 pontos no mesmo dia, tirando proveito do sucesso da antecessora.[64] Seus índices melhoraram ao decorrer da trama; após a mudança de fase para 15 anos depois, a obra obteve médias de 13 pontos e picos de 15, no confronto com o Jornal Nacional e Celebridade.[65] Tais índices se mantiveram até o fim da trama,[66] e seu recorde foi de 21 pontos, contra 30 da novela concorrente. Manteve uma média geral de 12 pontos.[67]

Em sua reprise em 2010, a trama manteve uma média de 4 pontos.[68] A reexibição em 2012 garantiu índices de até 3 pontos, perdendo para o Programa da Tarde e derrubando os índices da retransmissão de Marisol,[69] [70] estabelecendo-se em terceiro lugar.[nota 2]

Avaliação em retrospecto[editar | editar código-fonte]

A atuação de Victor Fasano (foto) foi elogiada pelos jornalistas de O Globo e Folha de S. Paulo.

Amélia Gonzalez do periódico O Globo considerou que o elenco é bom, mas o texto e o cenário não: "Débora Duarte (Tereza) tem agregado valor, assim como Victor Fasano (Amador), Claudia Ohana (Débora), Helena Fernandes (Raquel). Só que o texto não ajuda nada Canavial de Paixões. [...] Os personagens repetem a mesma coisa várias vezes, a câmera fica horas focando um olhar, um gesto. E nada acontece de verdade. Mas é preciso que se diga: não é só o texto que dá à trama [...] um jeito de novela démodé. O figurino também contribui, e muito. Certamente nem lá no México mulheres usariam salto agulha e vestidos finos (de gosto duvidoso) para irem a uma festa ao ar livre comemorar a boa safra de cana-de-açúcar do canavial".[71]

Xico Sá da Folha de S. Paulo comparou-a com a trama concorrente, Celebridade: "Enquanto Gilberto Braga fazia um espalhafato no primeiro capítulo da novela Celebridade, [...] com direito ao pior sequestro da superprodução da TV brasileira, o SBT entrava com o seu bailinho na roça. Era Canavial de Paixões. Uma trama rural mexicana transposta para o mundo caipira de São Paulo". Segundo ele, "o teledrama de Silvio Santos completa o da Globo. Não por tratar do mesmo tema, a inveja, como quase todas as novelas do mundo. Mas por mostrar como funciona na vida real a indústria da fama. O SBT reaproveita atores que o Projac já explorou e depois escanteou, como Victor Fasano, Claudia Ohana, Débora Duarte e Oscar Magrini, nem melhores nem piores do que muitos globais com estabilidade no emprego". Por fim, ele comentou os aspectos da história: "o enredo de Canavial não tem nada de mexicano. É Shakespeare mesmo. Um Romeu e Julieta agro-industrial, com os filhos de usineiros e canavieiros herdando uma pendenga familiar que trava o amor".[72] Uma analista do mesmo jornal, Bia Abramo, notou que a novela não tenta fazer referências ao "mundo de fora", "[não apresenta uma tentativa de] representar o Brasil que marca boa parte das novelas da Globo". "Pelo contrário: em Canavial de Paixões, por exemplo, a história se desenvolve sem muita referência ao mundo fora da novela. Não que devesse, na verdade. A teledramaturgia, para funcionar, prescinde da pretensão de ser um retrato do que quer que seja. Vejam aí o exemplo das sitcoms norte-americanas que têm, sim, um compromisso com verossimilhança, mas não com a tarefa de construir uma imagem da sociedade norte-americana".[73]

Marina Monzillo da IstoÉ Gente disse que "[o folhetim] mostra que [a] emissora está se aperfeiçoando na arte da teledramaturgia". Consoante ela, "o nome da novela é brega, o tema de abertura, mais ainda, sem falar nos diálogos, que nunca se livram do tom mexicano, mas a teledramaturgia do SBT melhora a cada tentativa". Monzillo concluiu que "Silvio Santos tem investido no filão, e suas tramas estão com um ar mais profissional, interpretações bem razoáveis e cuidado com a fotografia. Com um elenco recheado de ex-globais, o folhetim pode não possuir a riqueza de cenários e figurinos da concorrente, porém em alguns momentos consegue deixar o espectador com a impressão de estar vendo uma cena de uma novela das seis da Globo. Pode ser um começo, mas não a solução. O SBT tem tudo para criar sua própria linguagem em teledramaturgia, como fez a finada Manchete, com Pantanal, nos anos 90. Pode dar um bom caldo".[74]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

A obra foi indicada em duas categorias no 6º Prêmio Contigo! de TV. O texto foi indicado na categoria de "Melhor novela ou minissérie", mas perdeu para Mulheres Apaixonadas. Por fim, Bianca Castanho e Gustavo Haddad foram indicados em "Melhor par romântico".[75] [76] O troféu Imprensa é uma premiação anual que avalia a televisão e a música conforme a escolha de dez formadores de opinião. Na entrega de 2004, Canavial de Paixões foi indicada à categoria de melhor novela, mas saiu de mãos vazias.[77]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Em 2003, cada ponto de audiência equivalia a 43 mil domicílios na Grande São Paulo.[62]
  2. Em 2010, cada ponto de audiência equivalia a 60 mil domicílios na Grande São Paulo, e em e 2012, 62 mil.[62]

Referências

  1. a b c (27 de julho de 1997) "CNT/Gazeta estréia mais um dramalhão "made in Mexico"". Folha de S. Paulo. Visitado em 9 de maio de 2014.
  2. Cañaveral de pasiones (em inglês) no Internet Movie Database
  3. a b Cañaveral de pasiones Univisión. Visitado em 10 de maio de 2014.
  4. Castro, Daniel (5 de maio de 2001). SBT volta a produzir telenovelas em julho (em português) Folha de São Paulo. Visitado em 20 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2013.
  5. Ricardo Feltrin (21 de janeiro de 2008). Mulher de Silvio Santos vira funcionária do SBT (em português) Universo Online Ooops. Visitado em 22 de novembro de 2011.
  6. Parece continuação, mas não é Paraná Online (15 de junho de 2002). Visitado em 10 de maio de 2014.
  7. Castro, Daniel. . "'Esperança', da Globo, faz SBT adiar novela". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  8. Monzillo, Marina. Pequena Travessa IstoÉ Gente. Visitado em 10 de maio de 2014.
  9. Jamais Te Esquecerei Teledramaturgia. Visitado em 10 de maio de 2014.
  10. Jimenez, Keila. (25 de junho de 2003). "SBT e Televisa estão próximos de um acordo". O Estado de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  11. Souza, Niza. (20 de agosto de 2003). "Mais uma mexicana em versão nacional". O Estado de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  12. (27 de dezembro de 2003) "Fim do trabalho dobrado". O Estado de S. Paulo. Visitado em 12 de maio de 2014.
  13. Castro, Daniel. . "Risco". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  14. (20 de julho de 2003) "Drama movido a muito açúcar". O Globo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  15. Moreira, Paulo Ricardo. (3 de agosto de 2003). "...Ou seria 'Canavial dos Artistas'?". Jornal do Brasil. Visitado em 10 de maio de 2014.
  16. (29 de julho de 2003) "Débora Duarte no SBT". O Estado de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  17. (21 de setembro de 2003) "Débora Duarte volta à cena de casa e visual novos". O Estado de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  18. (21 de julho de 2003) "SBT faz testes para nova novela". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  19. Castro, Daniel. (6 de agosto de 2003). "Fama". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  20. Castro, Daniel. (7 de agosto de 2003). "Confirmado". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  21. Castro, Daniel. (15 de agosto de 2003). "Constelação". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  22. Moreira, Paulo Ricardo. (17 de agosto de 2003). "Os furões da fila por um papel no folhetim mexicano". O Globo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  23. a b c Mattos, Laura; Assis, Diego; Croitor, Cláudia. (12 de outubro de 2003). "Briga de foice". Folha de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  24. Pinto, Aina. (24 de agosto de 2003). "Novo talento entre globais". O Globo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  25. Moreira, Paulo Ricardo. (7 de setembro de 2003). "Gala será embaixador da trama mexicana". O Globo. Visitado em 10 de maio de 2014.
  26. (2 de novembro de 2003) "A mesma praça, o mesmo banco". O Globo. Visitado em 13 de maio de 2014.
  27. Stachuk, Mayra. (9 de outubro de 2003). "Ex-globais dão peso ao folhetim do SBT". IstoÉ Gente. Visitado em 10 de maio de 2014.
  28. "Próximos capítulos". Folha de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  29. Enredo de Canavial de Paixões Teledramaturgia. Visitado em 11 de maio de 2014.
  30. Canavial de Paixões Sistema Brasileiro de Televisão. Visitado em 11 de maio de 2014.
  31. (12 de outubro de 2003) "Próximos capítulos". O Estado de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  32. (26 de outubro de 2003) "Próximos capítulos". O Estado de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  33. (2 de novembro de 2003) "Próximos capítulos". O Globo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  34. (12 de outubro de 2003) "Próximos capítulos". Folha de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  35. (12 de outubro de 2003) "Próximos capítulos". O Globo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  36. a b (19 de outubro de 2003) "Próximos capítulos". O Globo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  37. (19 de outubro de 2003) "Próximos capítulos". O Estado de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  38. (19 de outubro de 2003) "Próximos capítulos". Visitado em 11 de maio de 2014.
  39. Jacintho, Etienne. (12 de agosto de 2003). "O México vai para o interior de SP". O Estado de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  40. Stachuk, Mayra. (9 de outubro de 2003). ""Trocar de emissora é normal"". IstoÉ Gente. Visitado em 11 de maio de 2014.
  41. Castro, Daniel. (14 de agosto de 2003). "Cerco". Folha de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  42. Canavial de Paixões - Classificação indicativa Ministério da Justiça (12 de agosto de 2003). Visitado em 11 de maio de 2014.
  43. (21 de novembro de 2010) "Próximos capítulos". Folha de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  44. Castro, Daniel. (21 de novembro de 2010). "Fragilizado, SBT ataca com "A Outra", dublada". Folha de S. Paulo. Visitado em 17 de junho de 2014.
  45. (18 de outubro de 2005) "Entrelinhas". O Estado de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  46. (15 de outubro de 2010) "Próximos capítulos". Folha de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  47. SBT vai reprisar Canavial de Paixões, Pérola Negra e Esmeralda MdeMulher. Abril. Visitado em 12 de maio de 2014.
  48. Vale a pena rever "Canavial de Paixões"? UOL. Visitado em 14 de maio de 2014.
  49. Oliveira, Fernando. SBT vai reprisar 'Canavial de Paixões' no lugar de 'Marisol' iG. Visitado em 12 de maio de 2014.
  50. (14 de outubro de 2003) "Fogaréu no canavial". O Estado de S. Paulo. Visitado em 11 de maio de 2014.
  51. Abertura de Canavial de Paixões UOL. Visitado em 11 de maio de 2014.
  52. SBT apresenta elenco de nova novela Terra (19 de agosto de 2003). Visitado em 14 de maio de 2014.
  53. SBT reapresenta a novela 'Canavial de Paixões' Caras (18 de agosto de 2012). Visitado em 14 de maio de 2014.
  54. Elenco de Canavial de Paixões Teledramaturgia. Visitado em 14 de maio de 2014.
  55. Canavial de Paixões - Elenco Sistema Brasileiro de Televisão. Visitado em 14 de maio de 2014.
  56. SBT 'rouba' globais para o elenco de "Canavial de Paixões" UOL (22 de agosto de 2003). Visitado em 14 de maio de 2014.
  57. (26 de outubro de 2003) "Uma mineirinha em festa". O Globo. Visitado em 14 de maio de 2014.
  58. Conheça os personagens de "Canavial de Paixões" UOL (13 de agosto de 2010). Visitado em 14 de maio de 2014.
  59. Trilha sonora de Canavial de Paixões Teledramaturgia. Visitado em 14 de maio de 2014.
  60. Corrêa, Elane. (12 de outubro de 2003). "Estratégia foi colar em "Celebridade"". O Globo. Visitado em 15 de maio de 2014.
  61. Castro, Daniel. (15 de outubro de 2003). "Enquanto isso". Folha de S. Paulo. Visitado em 12 de maio de 2014.
  62. a b Jimenez, Keila (26 de dezembro de 2010). Quanto vale a audiência? Folha de S. Paulo Folha da Manhã. Visitado em 12 de maio de 2014.
  63. (13 de outubro de 2003) "Destaque". Jornal do Brasil. Visitado em 12 de maio de 2014.
  64. Veja o ibope de estréia de 10 novelas Folha de S. Paulo Folha da Manhã (7 de novembro de 2005). Visitado em 12 de maio de 2014.
  65. "Canavial de Paixões" consegue manter boa audiência Terra (16 de novembro de 2003). Visitado em 12 de maio de 2014.
  66. (30 de novembro de 2003) "Fogo em 'Canavial'". O Globo. Visitado em 12 de maio de 2014.
  67. Bastidores de Canavial de Paixões Teledramaturgia. Visitado em 12 de maio de 2014.
  68. Último capítulo de "Canavial de Paixões" tem baixa audiência no SBT NaTelinha (UOL) (27 de novembro de 2010). Visitado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2010.
  69. Garcia, Fábio (17 de setembro de 2012). “Canavial de Paixões” e “Maria Mercedes” disputam posto de reprise com menor audiência no SBT POP. Visitado em 12 de maio de 2014.
  70. "Canavial de Paixões" e "Maria Mercedes" têm baixa audiência no SBT NaTelinha (UOL) (15 de setembro de 2012). Visitado em 12 de maio de 2014.
  71. (17 de outubro de 2003) "Um jeito de novela que passou do tempo". O Globo. Visitado em 13 de maio de 2014.
  72. (16 de outubro de 2003) ""Canavial" completa discussão sobre fama". Folha de S. Paulo. Visitado em 13 de maio de 2014.
  73. (16 de novembro de 2003) "A "outra" novela das oito". Folha de S. Paulo. Visitado em 13 de maio de 2014.
  74. (16 de outubro de 2003) "Canavial de Paixões". IstoÉ Gente. Visitado em 13 de maio de 2014.
  75. Revista premia os melhores da dramaturgia em 2003 Terra (5 de maio de 2004). Visitado em 13 de maio de 2014.
  76. Prêmio Contigo! consagra vilões de Celebridade Terra (10 de maio de 2004). Visitado em 13 de maio de 2014.
  77. Globo lidera ganhadores de Troféu Imprensa 2004 Terra (17 de maio de 2004). Visitado em 13 de maio de 2014.
  78. Abismo de Pasión, será el nuevo Cañaveral de Pasiones Imparoax (31 de outubro de 2011). Visitado em 13 de maio de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]