Cancro do útero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Câncer do útero é um tumor maligno dos tecidos do útero. O cancro do útero afecta principalmente dois locais - o colo do útero e o endométrio (revestimento do útero). Em casos raros, o músculo uterino é afectado por um tipo de cancro conhecido como leiomiossarcoma.

Incidências e causas[editar | editar código-fonte]

O cancro do endométrio é um dos tipos de cancro mais comuns do sistema reprodutor feminino.

Ocorre mais vulgarmente em mulheres que tiveram excesso de estrogénio no seu sistema reprodutor, particularmente se o nível de progesterona for baixo. Os factores que podem elevar o nível de estrogénio incluem obesidade, ausência de ovulação ou administração prolongada de hormonas estrogénicas, não compensada por administração de pogestagénicos.

Diferentemente do cancro cervical, que é raro em mulheres que não tenham tido relações sexuais, o cancro do endométrio pode afectar mulheres virgens e é mais comum nas que tenham tido poucos ou nenhum filho. A utilização de contraceptivos orais diminui para metade o risco de cancro do endométrio.

Sintomas e sinais[editar | editar código-fonte]

O primeiro sintoma de cancro do endométrio numa mulher depois da menopausa é geralmente um corrimento vaginal com sangue. Em mulheres mais jovens, o primeiro sintoma pode ser menorragia (períodos muito abundantes), hemorragias entre períodos ou hemorragias depois das relações sexuais. No entanto, várias outras situações podem também ser a causa deste tipo de hemorragias.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico tem de ser feito a partir de uma amostra do revestimento uterino obtida por biopsia ou por dilatação e curetagem. O esfregaço cervical (Teste de Papanicolaou) é uma forma de rastreio eficaz do cancro do útero.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O cancro do endométrio em fase muito precoce é geralmente tratado através de histerectomia simples e remoção das trompas de Falópio e dos ovários. Alguns cirurgiões aconselham também a remoção dos gânglios linfáticos da pelve e do abdómen. Se o cancro se tiver disseminado, pode ser recomendada a radioterapia. Pode também ser utilizado tratamento com medicamentos antineoplásticos.

No caso de detecção e tratamento precoces, a taxa de sobrevivência de cinco anos é superior a 80%.

Ver também[editar | editar código-fonte]