Candlestick

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Candlestick é o nome de uma técnica de análise gráfica de mercado, criada no Japão em meados do século XVIII, nas antigas bolsas de arroz de Osaka.

História[editar | editar código-fonte]

No século XVIII os japoneses desenvolveram um método de análise técnica para analisar os preços de contratos futuros de arroz.

O arroz era a riqueza e os fazendeiros de todo o Japão, podiam mandar sacas de arroz que eram mantidas em armazéns, em troca, recebiam um cupom representativo do valor, o qual poderia ser vendido a qualquer momento. Apenas na bolsa Dojima operavam cerca de 1300 traders de arroz.

Candlestick é o nome ocidentalizado (em inglês), pelo qual esta técnica se tornou conhecida no mundo inteiro. Foi trazida ao ocidente pelo americano Steve Nison, investidor de Wall Street.

Atribui-se a Munehisa Honma o maior desenvolvimento desta técnica de análise. Ele não via a necessidade de se fazer presente em Osaka, comunicava as intruções de compra e venda por mensageiros. Diz a lenda que conseguiu 100 trades consecutivos vitoriosos. De suas teorias evoluiram as técnicas de candlestick que hoje são utilizadas e pesquisadas em todo o mundo.

Características[editar | editar código-fonte]

O termo Candlestick (candelabro em inglês) se deve ao fato de os elementos gráficos utilizados na representação dos preços praticados pelo mercado lembrarem velas, distribuídas sobre a área do gráfico.

A análise se faz através da identificação de "figuras" formadas pelos "candles" (velas) em determinado ponto da tendência de mercado.[1]

Os padrões de candles são úteis para um alarme antecipado de futuros movimentos dos preços, além de sevirem também como sinalizadores de suportes e resistências. Também são úteis para sinalizar mercado sobrevendido ou sobrecomprado.

Existem operadores que utilizam somente estes padrões para seus trades, porém recomenda-se seu uso em complemento a outros indicadores técnicos.

Antecipando reversões de tendências[editar | editar código-fonte]

O principal objetivo da Análise Técnica por meio de candlesticks é prever mudanças nos movimentos de preços de um ativo (ações, mercadorias, etc.), de modo a identificar o melhor momento para comprá-lo ou vendê-lo.

Segundo a teoria dos Candlesticks as mudanças nos movimentos dos preços, ou reversões de tendências, pode ser prevista por meio da disposição dos candles, quando estes formam certos padrões conhecidos. A formação dos padrões, ou sinais, de reversão ocorre devido a fatores psicológicos e emocionais dos operadores do mercado.[2]

Significado de um Candlestick[editar | editar código-fonte]

O candlestick representa graficamente a variação de preços de um determinado ativo em uma unidade de tempo, nele estão representados:

  • Preço de abertura - é o preço pelo qual foi fechado o primeiro negócio do intervalo.
  • Preço de fechamento - é o preço pelo qual foi fechado o último negócio do intervalo.
  • Preço máximo - é o maior preço negociado no intervalo.
  • Preço mínimo - é o menor preço negociado no intervalo.
Candlesaltaebaixa.JPG

[1]

O intervalo de tempo depende da análise que se deseja efetuar, podendo ser minutos, dia, semana, mês, etc. Por exemplo, especuladores que efetuam operações intraday (compra e venda no mesmo dia) utilizam gráficos em que cada candle representa intervalos de 1 min ou 5 min, já aqueles que efetuam operações que levam dias (swing traders) utilizam gráficos de candles diários.

Referências

  1. a b Matsura, E. "Comprar ou Vender? Como Investir na Bolsa Utilizando Análise Gráfica",6ª edição,(2007), Saraiva
  2. Carlos Alberto Debastiani, "Candlestick - Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores",(2007), Novatec

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.