Canhoba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Canhoba
Bandeira de Canhoba
Brasão de Canhoba
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 23 de janeiro de 1937
Fundação 1937
Gentílico canhobense
Prefeito(a) Reginaldo Gomes de Andrade (PDT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Canhoba
Localização de Canhoba em Sergipe
Canhoba está localizado em: Brasil
Canhoba
Localização de Canhoba no Brasil
10° 08' 17" S 36° 58' 22" O10° 08' 17" S 36° 58' 22" O
Unidade federativa  Sergipe
Mesorregião Leste Sergipano IBGE/2008[1]
Microrregião Propriá IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Nossa Senhora de Lourdes, Itabi, Aquidabã e Amparo de São Francisco
Distância até a capital 124 km
Características geográficas
Área 170,052 km² [2]
População 4 057 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 23,86 hab./km²
Altitude 100 m
Clima semi-árido [4]  As´
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,569 baixo PNUD/2010[5]
PIB R$ 19 849,563 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 4 934,02 IBGE/2008[6]
Página oficial

Canhoba é um município brasileiro que está localizado na região norte do estado de Sergipe.

História[editar | editar código-fonte]

Canhoba em tupi quer dizer “folhas escondidas”, uma planta medicinal com fama de miraculosa, muito usada antes pelos indígenas. Os primeiros habitantes da região foram os índios da tribo Cataioba que com a colonização pelos portugueses fugiram do local, mas deixaram parte de sua cultura na região, como nas expressões Caiçara e Caraíbas e em localidades como a "Baixa do Canhoba" que deu origem ao atual nome do município[7] .

Por carta de sesmarias o Capitão-mor Cristóvão de Barros foi o primeiro dono destas terras no século XVI; mas as primeiras incursões começaram no final do século XVII e início do XVIII; Manoel José da Rocha Torres e a seguir seu filho Antonio da Rocha Torres foram os primeiros posseiros da região, chegando à lagoa do Jaguaripe (atual lagoa de Canhoba), usando o Rio São Francisco. Suas terras se estendiam desde o rio São Francisco até o interior, na altura do Bom Nome (povoado de Itabi), adquiridas por Carta Régia. A família Torres fundou o povoado Curral de Barro, que recebeu este nome pelos valados que os posseiros construíam para represar as águas das lagoas e plantar arroz[7] .

No século XIX o povoado já possuía uma escola primária e feira livre realizada aos domingos. Após a construção da Igreja em homenagem a Nossa Senhora da Conceição, seus habitantes decidiram mudar o nome da povoação, sendo aceita pela maioria a denominação de Canhoba, ligada aos terrenos férteis existentes do Baixa do Canhoba. Em 1937 é elevado à categoria de município, desmembrado de Própria e Aquidabã; em 1954 o distrito de Nossa Senhora de Lourdes é anexado ao município de Canhoba, sendo novamente desmembrado em 1963 quando o distrito de Nossa Senhora de Lourdes é elevado a município independente[7] .

Teve com filho ilustre Eronildes Ferreira de Carvalho, que foi governador do Estado de Sergipe. Filho de Antonio Ferreira de Carvalho, o Antonio Caixeiro.

Maria Vieira Torres (1910), fundou a 3ª Igreja do Município, conhecida como Igreja de Nsª. Sra. do Monte Serrat, em honra de uma promessa feita por seu marido, Temistocles da Rocha Torres, que enquanto se afogava em um riacho cheio de piranhas, prometeu a Nsª. Sra. do Monte Serrat, que se o salva-se e ao seu filho, Antônio Vieira Torres, ele construiria uma capela em nome da mesma. Temistocles morreu sem que pudesse cumprir sua promessa, que foi passada para sua esposa, atualmente com 100 anos de idade. A morte de Temistocles aconteceu onde hoje se encontra a igreja, mais precisamente o cruzeiro, que se é encontrado em frente a mesma[carece de fontes?].

Geografia[editar | editar código-fonte]

Seu território encontra-se dentro do polígono das secas, com temperaturas médias anuais de 26°C e precipitação média de chuvas de 800 mm/ano, com maior precipitação de março a agosto (outono-inverno). Em seu relevo predominam colinas e tabuleiros. A vegetação do município varia da Capoeira, Caatinga, campos limpos e Sujos. Canhoba está totalmente inserido na bacia do rio São Francisco, outros rios importantes da região são o rio Salgado e seus afluentes rio do Poção e o riacho Cancelo[4] .

Economia[editar | editar código-fonte]

As principais receitas do município são da pecuária (bovinos, equinos, ovinos e suínos), agricultura (o principal produto é a mandioca, seguida do milho, arroz e feijão) e avicultura de galináceos[4] .

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010.
  3. Estimativa Populacional 2013 Estimativa Populacional 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (4 de outubro de 2013). Visitado em 4 de outubro de 2013.
  4. a b c Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste, Diagnóstico do Município de Canhoba, 2002.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 26 de agosto de 2013.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  7. a b c Acervo Biblioteca IBGE Acervo documentação territorial: Canhoba.
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Sergipe é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.