Cantagalo (Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Cantagalo
Bandeira de Cantagalo
Brasão de Cantagalo
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 9 de março
Fundação 9 de março de 1814 (200 anos)
Gentílico cantagalense
Prefeito(a) Saulo Domingues Gouvea (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Cantagalo
Localização de Cantagalo no Rio de Janeiro
Cantagalo está localizado em: Brasil
Cantagalo
Localização de Cantagalo no Brasil
21° 58' 51" S 42° 22' 04" O21° 58' 51" S 42° 22' 04" O
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Mesorregião Centro Fluminense IBGE/2008 [1]
Microrregião Cantagalo-Cordeiro IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Estrela Dalva (MG), Itaocara, Macuco, Pirapetinga (MG), Santo Antônio de Pádua e São Sebastião do Alto
Distância até a capital 200 km
Características geográficas
Área 749,279 km² [2]
População 19 830 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 26,47 hab./km²
Altitude 391 m
Clima Tropical de Altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,779 (28º) – alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 563 461 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 28 420,30 IBGE/2010[5]
Página oficial
Pintura de Jean-Baptiste Debret do século XIX intitulada "Aldeia de caboclos em Cantagalo"
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cantagalo (Rio de Janeiro)

Cantagalo é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Sua população em 2010 era de 19 830 habitantes, dividida nos distritos de Cantagalo (sede), Santa Rita da Floresta (2º Ditrito), Euclidelândia (3º Distrito), São Sebastião do Paraíba (4° distrito) e Boa Sorte (5° distrito).

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros habitantes do território de Cantagalo foram os índios Coroados e Goitacases, que desapareceram da região por volta de 1855. A colonização não indígena do local teve início em meados do século XVIII, em função da chamada "febre do ouro", que atraiu aventureiros de todos os cantos, entre eles o português Manoel Henriques, conhecido como "Mão de Luva". Ele deixou Minas Gerais acompanhado pelo seu bando em busca de vertentes dos córregos afluentes dos rios Macuco, Negro e Grande, com objetivo de conseguir riqueza fácil, através da garimpagem clandestina.

O bando de "Mão de Luva" localizou o lugar onde hoje se ergue a Usina Cantagalo, dando origem à formação de um núcleo que, em 1794, já possuía cerca de 200 moradias, formando uma mistura de aventureiros efetivos do local.

Porém, a Coroa Portuguesa mantinha o monopólio de exploração dos garimpos. Por isso, por ordem de dom Luiz de Vasconcelos e Souza, vice-rei do Brasil, diversas diligências foram efetuadas contra o grupo, o que culminou com a captura do renegado português e de seu bando.

A prisão dos aventureiros foi ocasionada por uma situação curiosa, que acabou por dar origem à atual denominação do município. Depois de inúmeras batidas pelo mato, já bastantes cansados e desanimados, os agentes se preparavam para voltar, quando ouviram um galo cantar. Penetrando mais fundo na mata, encontraram, dormindo à sombra de uma árvore, um dos companheiros de "Mão de Luva". Preso, mas diante da promessa de liberdade e dinheiro, ele denunciou seus companheiros, que foram capturados quase sem oferecer resistência. Manoel Henriques, o "Mão de Luva", foi enviado, em degredo, para a África.

Verdade ou não, foi a partir de 1786 que a localidade passou a ser denominada de "Cantagalo", em substituição ao seu antigo nome de "Sertões de Macacu".

Ainda motivados pela fama de possuir veios de ouro riquíssimos, outros aventureiros continuaram a chegar à localidade. Porém, apenas uma profunda decepção os esperava, pois constataram que os bandoleiros já haviam quase que esgotado completamente os pobres filões existentes na região. Porém, o crescimento de Cantagalo não foi interrompido pelo fim da febre do ouro. Se a terra era pobre em metais, por outro lado era extremamente fértil. Por isso, sua região cobriu-se de imensas plantações de café, milho, feijão, cana-de-açúcar, mandioca etc., transformando a localidade em uma das mais importantes da província.

Tanto que, no seu período áureo, ela chegou a ser chamada de "Celeiro da Terra Fluminense". Com o crescimento do setor agrícola, entra em cena a mão-de-obra escrava e o elemento negro, que representou papel importante na formação do patrimônio social e econômico da região.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Tem presença de um relevo fortemente ondulado ("mar-de-morros"), constituindo as serras de Santa Rita da Floresta, Quilombo, da Batalha, Água Quente e Bela Vista.

Apresenta vegetação pobre, predominando os pastos, resultado do desmatamento das florestas de Mata Atlântica que outrora dominavam o espaço do município. Cantagalo faz, ainda, parte do sistema hidrográfico do Rio Paraíba do Sul com a presença do Rio Negro, do Ribeirão das Areias e do Córrego Itaoca.

Meio ambiente[editar | editar código-fonte]

Em 2008, um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apontou Cantagalo como o terceiro município em potencial poluidor da atmosfera no estado do Rio de Janeiro, com elevados índices de particulados finos (PM10), substâncias que causam danos à saúde respiratória e ao meio ambiente. São mais de 3,4 mil toneladas por ano de PM10 lançados no ar, além de outras cerca de 4 toneladas de dióxido de enxofre (SO2). IBGE/2007 [6] .

Há forte preocupação quanto aos danos cumulativos à saúde da população e ao meio ambiente de Cantagalo, Cordeiro e Macuco sobre os resíduos químicos tóxicos perigosos que têm sido diariamente trazidos (até de São Paulo) desde o início da década de 1990 para essa região. Representantes da Sociedade Civil Regional e diversos pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública - Fundação Oswaldo Cruz indagam há muito tempo sobre qual seria a composição química desses resíduos químicos tóxicos que são destinados aos fornos, infelizmente sem nenhuma resposta. Em 2009, foi realizada uma audiência pública municipal, com ampla presença da população local sobre este problema.[7]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é Tropical de Altitude. Apresenta regime alternando de estação chuvosa com estação seca, com mais de 80 por cento de precipitações no verão, enquanto que a temperatura, na média, oscila entre 19 e 26 graus centígrados.

Economia[editar | editar código-fonte]

Hoje, tem, na extração de calcários cristalinos, a principal riqueza mineral, sendo explorado não só para a produção de cimento e cal, mas também como corretivo de solo.

A cidade de Cantagalo conta com quatro agências bancárias: uma agência do Banco do Brasil, uma agência da Caixa Econômica Federal, uma agência do Bradesco e uma agência do Itaú.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Distritos[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Passos dos Reis;
  • São José;
  • Santo Antônio;
  • Cantelmo;
  • Quinta dos Lontras;
  • Parque das Árvores;
  • Novo Horizonte;
  • Triângulo;
  • São Pedro;
  • Chácara da Banheira;
  • São João;
  • Morada do Sol;
  • Nova Era;
  • Vila Bella;
  • Flamenguinho;
  • Planalto.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do ano de 2008, a cidade possui uma unidade Hospitalar contando com 24 leitos hospitalares e 24 Unidades Ambulatoriais.

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com 24 escolas municipais, estaduais e particulares.

A população residente com 10 anos ou mais, alfabetizadas, é de 14 487. A taxa de alfabetização das pessoas residentes com 10 anos ou mais é 88,60 por cento.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Foi inaugurada, no dia 2 de outubro de 1982, com 5 plataformas, a Rodoviária de Cantagalo.

A frota é composta por 321 automóveis, 40 caminhões, 5 micro-ônibus e 18 ônibus.

Personalidades cantagalenses[editar | editar código-fonte]

  • Euclides da Cunha, Euclides Rodrigues Pimenta da Cunha nasceu em Cantagalo (RJ), no dia 20 de janeiro de 1866. Foi escritor, professor, sociólogo, repórter jornalístico e engenheiro, tendo se tornado famoso internacionalmente por sua obra-prima, “Os Sertões”, que retrata a Guerra dos Canudos. Nasceu no atual 3° Distrito, Euclidelândia.
  • Rodolpho Albino, Rodolpho Albino Dias da Silva, farmacêutico e militar brasileiro, nasceu em Cantagalo (RJ) no dia 5 de agosto de 1889 e faleceu precocemente em 7 de outubro de 1931, aos 42 anos. O ilustre cantagalense dá nome à Biblioteca Rodolpho Albino, fundada em 1929, e oficialmente inaugurada na atual sede da Associação Brasileira de Farmácias (ABF), em 13 de janeiro de 1951. Seu nome foi escolhido por ter sido ele ex-presidente da ABF e ilustre farmacêutico. Ele dedicou toda sua vida ao estudo de plantas, drogas e substâncias, não apenas pelo engrandecimento da área farmacêutica, mas de toda a sociedade. É autor da mais importante obra da literatura farmacêutica brasileira, a Farmacopeia Brasileira, um marco da literatura científica. O pesquisador também possuía características anônimas, como as de caricaturista e poeta.
  • Eduardo Chapot Prévost, médico-cirurgião e cientista
  • Rogéria, o nome artístico de Astolfo Barroso Pinto, que nasceu em Cantagalo no dia 25 de maio de 1943. Artista internacional, foram muitas as incursões de Rogéria nos palcos do Brasil e do mundo. Presença marcante no cinema, teatro e na televisão brasileiros.
  • Luma de Oliveira, empresária, ex-modelo e atriz
  • Accacio Ferreira Dias, historiador. Venerável da Maçonaria em 1927. Prefeito do município em 1930.
  • Augusto Ramos, engenheiro, foi o criador do bondinho do Pão de Açúcar.
  • Edmo Lutterbach, Promotor de Justiça e Presidente da Academia Fluminense de Letras, falecido em 27 de novembro de 2011.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O centro do município de Cantagalo é rico em construções históricas do ciclo do café no Vale do Paraíba. Exemplos são a Igreja Matriz, o prédio da Câmara Municipal (onde antes era um famoso hotel), a Rua Direita e alguns dos seus casarões remanescentes, o Templo Maçônico, a Casa de Caridade (Hospital Municipal), o Jardim Euclides da Cunha, a praça XV de Novembro (hoje denominada João XXIII), o Fórum.

Palacete do Gavião

A cerca de 2 km do centro, encontra-se o Palacete do Gavião, um imponente prédio onde se hospedou o imperador brasileiro dom Pedro II quando em visita à região. Pertencia ao fazendeiro Clemente Pinto (Barão de Nova Friburgo), dono de várias outras fazendas de café na região. O projeto arquitetônico do Palacete do Gavião foi realizado pelo mesmo arquiteto que projetou o Palácio do Catete (hoje, Museu da República), no bairro do Catete,[8] no Rio de Janeiro.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Potencial de poluição industrial do ar no estado do Rio concentra-se em 4 municípios. IBGE. Página visitada em 05 de junho de 2008.
  7. Prefeitura Municipal de Cantagalo: Audiência pública sobre queima de resíduos industriais leva à criação de comissão para acompanhar o processo recuperado 5 de agosto 2011
  8. ALEM, Adriano. Breve relato sobre a Formação das Divisões Administrativas na Cidade do Rio de Janeiro - Período de 1961 a 2007, novembro 2007.