Capão do Leão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Capão do Leão
Bandeira de Capão do Leão
Brasão de Capão do Leão
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 3 de maio de 1982 (32 anos)
Gentílico leonense
Prefeito(a) Claudio Vitória (PDT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Capão do Leão
Localização de Capão do Leão no Rio Grande do Sul
Capão do Leão está localizado em: Brasil
Capão do Leão
Localização de Capão do Leão no Brasil
31° 45' 46" S 52° 29' 02" O31° 45' 46" S 52° 29' 02" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Sudeste Rio-grandense IBGE/2008[1]
Microrregião Pelotas IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Pelotas, Rio Grande, Morro Redondo, Cerrito, Pedro Osório e Arroio Grande
Distância até a capital 274 km
Características geográficas
Área 785,374 km² [2]
População 24 294 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 30,93 hab./km²
Altitude 21 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,77 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 317 627,713 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 13 013,26 IBGE/2008[5]
Página oficial

Capão do Leão é um município do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Capão" é uma palavra de origem tupi. Possui duas etimologias possíveis:

  • "mato redondo", através da junção dos termos ka'a ("mata") e pu'ã ("redondo")[6] .
  • "intervalo de mata", através da junção dos termos ka'a ("mata") e pa'um ("intervalo")[7] .

História[editar | editar código-fonte]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 31º45'48" sul e a uma longitude 52º29'02" oeste, estando a uma altitude de 21 metros.

Possui uma área de 784 716 km² e sua população estimada em 2008 era de 27 000 habitantes.

Em seu território está localizada a segunda maior serra de granito do mundo[carece de fontes?].

O território leonense é banhado pelos arroios São Pedro e Padre Doutor, e pelo canal São Gonçalo, o município é cortado pela linha férrea que liga Rio Grande a Cacequi, e pelas BRs 116 e 293.

Distritos e Bairros[editar | editar código-fonte]

O município conta com três distritos: Pavão, Hidráulica e Passo das Pedras.

Conta também com cinco bairros: Centro, Teodósio, Cerro do Estado, Parque Fragata e Jardim América.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Brasão do município[editar | editar código-fonte]

Em 1984, foi montado um concurso para definir um brasão para o Capão do Leão. Quem ganhou o concurso foi um militar e o prêmio foi entregue pelo prefeito Madruga, junto com a inauguração da biblioteca pública em 7 de setembro de 1984.

É um brasão tripartido onde na parte superior há um leão e uma pedra representando a pedra da bandeira. Na parte inferior esquerda há um vacum representando a pecuária, forte no município e, na direira, as plantações de arroz.

Segundo estudiosos de heráldica, o brasão está fora das regras.

Economia[editar | editar código-fonte]

A base da economia leonense é a agricultura, seguida do extrativismo mineral em geral, comércio, indústrias de pequeno, médio e grande porte, e também a prestação de serviços.

As grandes indústrias instaladas em Capão do Leão são a Cooperativa Sul-Riogandense de Laticínios (Cosulati), a Avipal, os frigoríficos Extremo-Sul e Mercosul, a Votorantim Celulose e Papel (viveiro), a SBS Engenharia e a Ivaí Engenharia, B&M Sistemas de Informatica.

Fatores Estratégicos Positivos[editar | editar código-fonte]

A proximidade com a cidade de Pelotas (cidade-polo regional) e Rio Grande (super porto) e as rodovias BR-116 e BR-293, que cruzam o território municipal.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Destacam-se, no município, o Cerro das Almas (antes conhecido como Serranía del Pabón, segundo um mapa do século XVIII); as pedreiras, principal atividade econômica do município; a Estância Santa Tecla e a Cacimba do Padre Doutor (tio do patrono da imprensa brasileira, Hipólito José da Costa); as cercas de pedra da época dos escravos; o Túmulo do Enforcado; os obeliscos de pedra em comemoração ao fim da Primeira Guerra Mundial e da Segunda Guerra Mundial; a Ferrovia Rio Grande-Cacequi; a Mesa de Pedra (marco de topografia do exército de 1949); a Toca do Miguel; a Gruta das Santinhas, no antigo Horto Florestal; a Pedra do Dedo (formação rochosa batizada assim pelos moradores); o monumento símbolo de Capão do Leão; a estátua de bronze em homenagem aos graniteiros; o busto de Elberto Madruga (primeiro prefeito da cidade); e a Pedra da Bandeira, que já não existe mais. Entretanto, a maioria desses marcos está correndo risco ou simplesmente foi abandonado, a mercê de ladrões e vândalos.[4]

Política[editar | editar código-fonte]

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

  • Elberto Madruga (1983/1985) – faleceu em 1985, sendo substituído pelo vice, Getúlio Victória
  • Manoel Nei Neves (1989/1992)
  • Getúlio Victória (1993/1996)
  • Manoel Nei Neves (1997/2000)
  • Vilmar Schmitt (2001/2004)
  • Vilmar Schmitt (2004/2008)
  • João Quevedo (2009/2012)
  • Claudio Vitoria (2013/2016)

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. a b Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  6. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.340
  7. NAVARRO, E. A. Método Moderno de Tupi Antigo. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p.168