Cap Arcona (navio)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Cap Arcona em 1927.

O SS Cap Arcona foi um transatlântico de luxo alemão, bombardeado e incendiado pela RAF, na Baía de Lübeck, nordeste da Alemanha, em 3 de maio de 1945, com a perda de muitas vidas.

História[editar | editar código-fonte]

Batizado em homenagem ao cabo Arkona na ilha de Rügen, no atual estado alemão de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, foi lançado em maio de 1927, sendo considerado um dos mais belos e luxuosos navios da época, bem como o quarto maior navio da marinha mercante alemã.

Pertencente à Hamburg Süd, possuía 27 561 toneladas de arqueação bruta, 205,9 metros de comprimento, 25,8 metros de largura, calado de 12,8 metros, propelido por duas turbinas a vapor com potência de 17 500 KW[1] . Por 12 anos, até a eclosão da guerra em 1939, fazia viagens regulares entre Hamburgo e o Rio de Janeiro[2] .

Em 1940, o Cap Arcona foi incorporado pela Marinha Alemã e utilizado no Mar Báltico, como um navio de alojamento. Em 1942, foi utilizado como cenário para a produção do filme de propaganda nazista (Titanic), lançado no ano seguinte.

No início de 1945, o navio foi posto em serviço pela Kriegsmarine para resgatar os refugiados que deixavam as áreas germânicas no leste, ante o avanço do Exército Vermelho. Durante a Operação Hannibal, sob a supervisão do Grande Almirante Karl Dönitz, transportou mais de 25 000 pessoas, dentre soldados e civis alemães, da Prússia Oriental à parte ocidental da Alemanha.

Navio-prisão[editar | editar código-fonte]

No final de abril de 1945, Karl Kaufmann, Gauleiter de Hamburgo e Comissário do Reich para a Marinha Mercante, retirou o Cap Arcona e o Deutschland do comando da Marinha Alemã, transferindo-os para o comando da SS, e, em seguida, ordenou-lhes que rumassem para a cidade norte-alemã de Lübeck.

Nessa cidade, os dois grandes navios juntar-se-iam a dois outros vapores menores, o Thielbek e o Atenas. As duas embarcações maiores acomodariam os prisioneiros de campos de concentração da região, especialmente o de Neuengamme e seus subcampos, ao passo que as menores efetuariam o transbordo.

Cerca de 5 000 prisioneiros evacuados à pressa do campo de concentração de Neuengamme (a poucos quilômetros a sudeste de Hamburgo), foram levados a bordo do Cap Arcona entre 18 e 26 de abril, juntamente com cerca de 400 guardas da SS, 500 artilheiros navais e 76 tripulantes. No Thielbek, estavam mais 2 800 prisioneiros de Neuengamme. Havia também nos navios, prisioneiros do campo de Stutthof, perto de Dantzig, metade das quais eram prisioneiros de guerra russos e poloneses que estavam sendo evacuados antes do avanço das tropas britânicas[3] . Com as péssimas condições de vida que prevaleciam na Alemanha durante as semanas finais da guerra, as condições destinadas para os prisioneiros a bordo dos navios eram particularmente terríveis. Muitos dos presos, hermeticamente embalados, estavam doentes. Água e alimentação eram escassos[2] .

O próprio capitão do Cap Arcona, Heinrich Bertram, havia se recusado em receber os prisioneiros, protestando que o navio podia acomodar apenas 700. Ameaçado de prisão e execução, ele voltou atrás e viu como milhares de prisioneiros eram amontoados em porões de seu navio[3] .

Kaufmann, o Gauleiter, afirmaria durante os Julgamentos de Nuremberg que os prisioneiros seriam destinados à Suécia. No entanto, no mesmo julgamento, Bassewitz-Behr, chefe da Gestapo em Hamburgo, disse que Heinrich Himmler determinara a destruição de qualquer prova acerca da existência dos campos de concentração e, nesse particular caso, os navios deveriam ser deliberadamente afundados com todos os prisioneiros a bordo[4] .

Em 2 de maio, os britânicos do II Exército atingiram as cidades de Lübeck e Wismar e ocuparam-nas, praticamente, sem resistência. Na ocasião, a Cruz Vermelha Internacional informou ao comando britânico que entre 7 000 e 8 000 pessoas estavam confinadas a bordo dos navios na Baía de Lübeck.

O ataque e afundamento[editar | editar código-fonte]

O Cap Arcona incendiando-se após o ataque.

Na tarde do dia seguinte, quatro dias depois do suicídio de Hitler e apenas um dia antes da rendição incondicional das tropas alemãs na região noroeste da Alemanha, o Cap Arcona, o Thielbek, e o Deutschland (possivelmente convertido em um navio-hospital, mas não identificado como tal) foram atacados, como parte dos ataques em geral sobre o transporte marítimo no Mar Báltico, por uma esquadrilha de caça-bombardeiros “Tufões” da RAF, comandada por Sir Arthur Coningham.

Em sucessivas ondas de ataque, bombardearam e dispararam contra o Cap Arcona e depois contra o Thielbek. O Atenas, que carregava prisioneiros de volta ao porto, uma vez que o Cap Arcona já se encontrava superlotado, conseguiu salvar-se, pois seu capitão rumou aceleradamente ao cais de Neustadt, a tempo içar as bandeiras brancas, poupando assim a vida de seus 1 998 passageiros[3] .

O Thielbek, atingido por foguetes, bombas e metralhadoras, afundou-se em apenas 20 minutos. Aproximadamente, apenas 50 dos prisioneiros sobreviveram.

O Cap Arcona virou de lado e adernou, ficando uma parte submersa e a outra a incendiar-se. Muitos morreram queimados, presos no interior do navio e outros conseguiram escapar ao se agarrarem casco. Dos que saltaram para a água, muitos morreram afogados ou morreram de frio (a temperatura da água era de cerca de 7°C/44,6°F). Equipados com coletes salva-vidas, a maioria dos guardas da SS pode saltar para fora do navio, e, ainda assim, atiravam nos prisioneiros que tentavam escapar. Barcos pesqueiros e traineiras acudiram os navios atacados e conseguiram resgatar 16 marinheiros, 400 homens e 20 mulheres da SS. Muitos sobreviventes, tentando nadar até a praia, foram metralhados sem dó por soldados da SS, estacionados na costa. Entre 314[3] e 350 dos ex-detentos do campo de concentração que estavam a bordo do Cap Arcona sobreviveram. O número de mortos foi estimado em 5 000 pessoas (somente nesse navio).

Os pilotos britânicos afirmaram que eles não sabiam que os navios estavam carregados de prisioneiros que haviam sobrevivido aos campos, e foi só muitos anos mais tarde, em 1975, que souberam que haviam massacrado seus próprios aliados[3] .

No entanto, algumas fontes sugerem que elementos do comando britânico sabiam quem eram os ocupantes, mas não conseguiram passar a informação a tempo. Os comandantes da RAF que ordenaram o ataque suspeitavam que os navios estariam servindo para transportar membros da SS em fuga para a Noruega, ainda controlada pelo Terceiro Reich.

Seriamente danificado e incendiado, o navio finalmente virou. Seu casco emborcado mais tarde encalhou próximo à costa e os destroços foram finalmente desmantelados em 1949. Nos dias que se seguiram, centenas de cadáveres apareceram nas praias próximas, e enterrados em valas comuns em Neustadt in Holstein[1] . Tendo afundado em águas rasas, o naufrágio permaneceu parcialmente sobre a água como uma lembrança amarga da catástrofe [54° 3.9′ N 10° 50.45′ E]

Memorial em homenagem aos mortos no Cap Arcona e no Thielbek. Neustadt in Holstein, Estado deSchleswig-Holstein.

Por quase 30 anos, partes de esqueletos continuaram a aparecer nas praias, sendo que o último foi encontrado em 1971, por um garoto de doze anos de idade. Segundo documentos do Instituto Holandês de Documentação de Guerra (NIOD), o governo da Suécia tinha avisado o governo britânico de que os prisioneiros estavam a bordo dos navios.

Um monumento foi erguido em Neustadt in Holstein em memória das vítimas do ataque ao Cap Arcona, dos quais eram de 28 diferentes nacionalidades: americanos, belgas, canadenses, tchecos, suíços, dinamarqueses, estonianos, finlandeses, franceses, alemães, grego, húngaro, italiano, letão, lituano, luxemburguês, norueguês, polonês, romeno, russo, espanhol, ucraniano, iugoslavo e outros[5]

A história desta tragédia é representada no Museu Cap Arcona em Neustadt in Holstein, inaugurado em 1990.

Max Pauly, o ex-comandante do campo de concentração de Neuengamme e o médico da SS Alfred Trzebinski, foram posteriormente julgados e enforcados por crimes de guerra[3] .

Referências

  1. a b WRECSITE
  2. a b The 1945 Sinkings of the Cap Arcona and the Thielbek
  3. a b c d e f G.Duncan. Maritime Disasters in WWII
  4. Himmler havia editado uma ordem a todos os comandantes de campo de concentração que “a rendição era inaceitável, e que os campos deveriam ser imediatamente evacuados, não podendo qualquer prisioneiro cair vivo nas mãos do inimigo”
  5. http://www.independent.co.uk/news/uk/home-news/raf-pilots-tricked-into-killing-10000-camp-survivors-at-end-of-war-634445.html. Página visitada em 22 de outubro de 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cap Arcona (navio)