Capitalismo do bem-estar social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde janeiro de 2008). Ajude e colabore com a tradução.

Capitalismo do bem-estar social refere-se à prática de negócios fornecendo serviços característicos do Estado do bem-estar social aos empregados. Foi centrado em indústrias de alto pagamento salarial (e não nas indústrias caracterizadas por baixos salários, alta rotatividade de empregados, trabalho infantil, ou condições de trabalho perigosas). Muitas empresas começaram oferecendo maior remuneração e compensações não-monetárias, como assistência médica, habitação, e pensões, bem como agências de emprego, treinamento interno, times esportivos e clubes sociais. Nos Estados Unidos, foram pioneiros George Pullman e Henry Ford, com elevados salários e habitação subsidiada. Isso coincidiu com leis estaduais da Era Progressiva, que proibia o trabalho infantil, impunha salários mínimos e tempo máximo; mulheres receberam proteções especiais e restrições.


Referências[editar | editar código-fonte]

  • Stuart D. Brandes, American Welfare Capitalism, 1880-1940 (University of Chicago Press, 1976)
  • Margaret Crawford. Building the Workingman's Paradise: The Design of American Company Towns (1996)
  • John Dixon and Robert P. Scheurell, eds. The State of Social Welfare: The Twentieth Century in Cross-National Review Praeger. 2002.
  • Bernhard Ebbinghaus and Philip Manow; Comparing Welfare Capitalism: Social Policy and Political Economy in Europe, Japan and the USA Routledge, 2001
  • Derek Fraser. The Evolution of the British Welfare State: A History of the British Welfare State (2003)
  • Alexander Hicks. Social Democracy & Welfare Capitalism (1999)
  • Sanford M. Jacoby; Modern Manors: Welfare Capitalism since the New Deal Princeton University Press, 1997
  • Stein Kuhnle, ed, Survival of the European Welfare State Routledge 2000.
  • M. Ramesh; "Welfare Capitalism in East Asia: Social Policy in the Tiger Economies" in Journal of Contemporary Asia, Vol. 35, 2005
  • Andrea Tone. The Business of Benevolence: Industrial Paternalism in Progressive America (1997)
  • Walter I. Trattner. From Poor Law to Welfare State: A History of Social Welfare in America (1994)

Deve-se notar que a definição original de Capitalismo do bem estar social, como era usada pelo economista alemão do século XIX, Gustav Schmoller, exigia que o governo garantisse o bem estar dos trabalhadores e do povo, por meio de uma legislação social, entre outros meios. (E não para depender de negócios para cumprir esse objetivos.) Apesar de o trabalho de Schmoller não estar muito difundido na lingua inglesa, sua influência pode ser observada nos Estados do bem-estar social europeus modernos.

Ver também[editar | editar código-fonte]