Caravançarai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Caravanserai)
Ir para: navegação, pesquisa
Caravançarai em ruínas no deserto de Dasht-e Lut, Irão
Caravançarai de Shaki, Azerbaijão

O termo caravançarai[1] ou (em persa: كاروانسرا; transl.: kārvānsarā ou کاروانسرای, kārvānsarāi; em turco: kervansaray) designava um tipo de estabelecimento de tipo hoteleiro (pousada ou estalagem) que se encontrava sobretudo no Médio Oriente, Ásia Central e Norte de África, mas também existiu um pouco por todo o Mediterrâneo e na China, que se destinava a mercadores viajantes. Geralmente esses estabelecimentos também tinham funções de armazém ou entreposto comercial e situavam-se à beira de estradas, embora também fosse comum existirem em áreas comerciais de cidades, sendo usual nestes casos que fossem também mercados.[2]

Os caravançarais tinham uma função importante no apoio aos fluxos comerciais, proporcionando um local seguro onde os comerciantes em viagem, frequentemente estrangeiros, podiam descansar tendo as suas mercadorias e gado em segurança, e eram uma peça fundamental da extensa rede de rotas comerciais que ligavam a Ásia com o Médio Oriente, sudeste da Europa e Norte de África, especialmente ao longo da Rota da Seda.[3]

Termos equivalentes e etimologia[editar | editar código-fonte]

Pátio interior do Sultanhanı, um caravançarai seljúcida perto de Aksaray, Turquia; ao centro, sobre a arcada, encontra-se uma antiga mesquita

"Caravançarai" significa literalmente em persa "palácio de caravanas" (çara, a que se adiciona o sufixo yi, significa palácio ou edifício com pátios interiores). Os nomes ou respetivas transliterações variavam conforme a região e as línguas. Além de caravançarai, são comuns as formas caravançará, caravancerá, caravanserai, khan ou han (este em turco). Os termos bedesten e kaysaryia, também aplicados a mercados cobertos ou armazéns de mercadorias, são igualmente usados como sinónimos de caravançarai, bem como wakala, ribat ou rabat; estes últimos deram origem ao português "arrábita" e "arrábida" e são mais usualmente associados a certas fortalezas ou mosteiros fortificados que se encontram no Norte de África.[2]

No Magrebe designavam-se funduq, funduque ou fondouk,[4] um termo que por vezes também surge noutras paragens e era usado na península Ibérica durante o período muçulmano. No subcontinente indiano eram designados por sarai.[carece de fontes?]

Nas cidades e colónias das repúblicas marítimas italianas, eram designados fondachi (singular: fondaco), um termo que tem origem no árabe فندق (funduq), que significa literalmente "casa-armazém", e que por sua vez provém do grego πάνδοκος (pousada).[5] O mesmo termo deu origem ao espanhol fonda, que ainda hoje é sinónimo de pensão ou estalagem modesta que fornece alojamento onde se serve comida.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Planta de um caravançarai safávida na região de Karaj, Irão

A origem deste tipo de estabelecimento remonta ao Império Aquemênida, onde existia a chamada Estrada Real, reconstruída por Dario I no século V a.C. e que se estendia por 2 500 km, entre Susa e Sárdis. O geógrafo grego Heródoto (século V a.C.) refere que «ao longo de toda a sua extensão existem estações reais e excelentes caravançarais; e atravessa terras inabitadas e é livre de perigo».[7]

Os caravançarais floresceram principalmente durante a expansão islâmica e os séculos que se lhe seguiram, estando ligados ao aumento do comércio por terra entre o Oriente e o Ocidente, nomeadamente da Rota da Seda, que só declinou após a abertura das rotas oceânicas pelos portugueses a partir dos últimos anos do século XV. A maior parte dos caravançarais foram construídos entre os séculos IX e XIX e cobrem uma área geográfica centrada na Ásia Central. Foram construídos aos milhares, e em conjunto constituem um fenómeno de grande importância do ponto de vista não só económico, mas também social e cultural. A maior parte deles encontra-se atualmente em ruínas ou muito degradados, apesar de muitos estarem classificados como monumentos e alguns se encontrarem em bom estado.[3]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Tipicamente, um caravançarai era um edifício ou recinto de planta quadrada ou retangular, com muros em toda a volta, com um único portão de acesso, suficientemente largo para permitir a passagem de animais muito carregados, como camelos. O pátio central era quase sempre a céu aberto e era rodeado de divisões idênticas que tinham aposentos para acomodar os mercadores e os seus servos, animais e mercadorias.[8]

Os caravançarais forneciam água para consumo humano e dos animais, lavagens e abluções. Por vezes tinham balneários elaborados. Também tinham comida para animais e lojas onde os viajantes podiam abastecer-se. Além disso, algumas lojas também compravam bens aos mercadores em viagem.[9]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. caravançarai. Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. www.infopedia.pt.
  2. a b L’inventaire des caravanserails en Asie Centrale (em francês). The UNESCO web site on caravanserais. www.unesco.org. Página visitada em 7 de março de 2013.
  3. a b Caravanserais (PDF) (em inglês). The UNESCO web site on caravanserais. www.unesco.org. Página visitada em 7 de março de 2013.
  4. Fondouk (em francês). www.cnrtl.fr. Centre National de Ressources Textuelles et Lexicales. Página visitada em 7 de março de 2013.
  5. Fondaco (em italiano). Enciclopedia italiana. www.treccani.it. Página visitada em 7 de março de 2013.
  6. fonda (em espanhol). Diccionario de la lengua española (lema.rae.es). Real Academia Espanhola.
  7. Heródoto. The History (em inglês). classics.mit.edu. Página visitada em 7 de março de 2013.
  8. Sims, Eleanor; Michell (1978), "Trade and Travel: Markets and Caravansary" (em inglês), Architecture of the Islamic World - Its History and Social Meaning (Thames and Hudson): 101 
  9. Ciolek, T. Matthew (2004-2009). Catalogue of Georeferenced Caravansaras/Khans (em inglês). www.ciolek.com. Old World Trade Routes (OWTRAD) Project. Canberra. Asia Pacific Research Online. Página visitada em 7 de março de 2013.

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Caravançarai
  • Kervansaraylar (em turco). www.bedesten.net. Página visitada em 7 de março de 2013.