Carcinus maenas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaCaranguejo-verde
Cangrexo GDFL141.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Subfilo: Crustacea
Classe: Malacostraca
Ordem: Decapoda
Infraordem: Brachyura
Família: Portunidae
Género: Carcinus
Espécie: C. maenas
Nome binomial
Carcinus maenas
Distribuição geográfica
Distribuição de Carcinus maenas no mundo. Azul = distribuição nativa; Vermelho = zonas invadidas; Verde = potencialmente invadida; Pontos pretos = registros ocasionais.
Distribuição de Carcinus maenas no mundo. Azul = distribuição nativa; Vermelho = zonas invadidas; Verde = potencialmente invadida; Pontos pretos = registros ocasionais.

O caranguejo Carcinus maenas (L.) (Decapoda, Portunidae) é um crustáceo epibêntico comum no litoral e estuários europeus, podendo ser facilmente observado em regiões intertidais de substratos duros ou finos.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Nativa da costa Atlântica da Europa e Norte da África, o caranguejo é considerado uma espécie invasora em várias zonas do globo podendo ser encontrada na costa do Atlântico Noroeste, e mais recentemente também em regiões do sul do continente Africano, da Austrália e na costa do Pacífico da América do Norte[1] .

Biologia da espécie[editar | editar código-fonte]

Larva zoea de Carcinus maenas

Esta espécie apresenta um ciclo de vida complexo com quatro estágios de zoeae pelágicas e um estágio como megalopae (estágio pós-larvar) que assenta e metamorfoseia-se posteriormente dando origem ao primeiro estágio como caranguejo bêntico (adulto). O desenvolvimento desta espécie pode variar desde a primeira zoea até ao estágio megalopae entre 18 a 42 dias, sendo que o estágio de megalopae, por sua vez, pode durar 9 a 16 dias dependendo da temperatura[2] [3] .

Estes caranguejos apresentam diferentes respostas fisiológicas e comportamentais dependendo do sexo do indivíduo, do tamanho e da cor da sua carapaça. A variabilidade intraespecifica reflecte as respostas adaptativas do fenótipo relativamente à mutabilidade do meio que esta espécie habita [4] [5] [6] .

Relativamente à alimentação, consume uma grande variedade de organismos como bivalves ou outras espécies de caranguejos incluindo indivíduos da própria espécie (canibalismo).

Morfologia[editar | editar código-fonte]

Dimorfismo sexual[editar | editar código-fonte]

Abdomem de um Carcinus maenas macho.
Abdomem de uma Carcinus maenas fêmea.

O sexo dos caranguejos C. maenas podem ser facilmente identificados visualmente. Os machos apresentam o abdomen em forma triangular, ao passo que as fêmeas tem o abdômem em formato mais arredondado (lembra a forma da letra U).

Coloração[editar | editar código-fonte]

Carcinus maenas macho com o ventre predominantemente verde.
Carcinus maenas macho com o ventre predominantemente vermelho.

Carcinus maenas apresenta dois morfotipos de coloração (verde e vermelho) que estão diretamente relacionados a diversos processos fisiológicos e ecológicos na espécie [7] .

Referências

  1. Cohen, A.N., Carlton, J.T., Fountain, M., 1995. Introduction, dispersal and potential impacts of the green crab Carcinus maenas in San Francisco Bay, California. Marine Biology 122 (2), 225e237.
  2. Dawirs, R.R., Dietrich, A., 1985. Temperature and growth in Carcinus maenas L. (Decapoda: Portunidae) larvae reared in the laboratory from hatching through metamorphosis. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology 100, 47e74.
  3. Mohamedeen, H., Hartnoll, R.G., 1989. Larval and postlarval growth of individually reared specimens of the common shore crab Carcinus maenas L. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology 134, 1e24.
  4. McGaw, I.J., Naylor, E., 1992b. Salinity preference of the shore crab Carcinus maenas in relation to coloration during intermoult and to prior acclimation. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology 155, 145e159.
  5. Warman, C.G., Reid, D.G., Naylor, E., 1993. Variation in the tidal migratory behaviour and rhythmic light-responsiveness in the shore crab, Carcinus maenas. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom 73, 355e364.
  6. Abello´ , P., Aagaard, A., Warman, C.G., Depledge, M.H., 1997. Spatial variability in the population structure of the shore crab Carcinus maenas (Crustacea: Brachyura) in a shallow-water, weakly tidal fjord. Marine Ecology Progress Series 147, 97e103.
  7. McGaw, I.J., Naylor, E., 1992b. Salinity preference of the shore crab Carcinus maenas in relation to coloration during intermoult and to prior acclimation. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology 155, 145-159.