Carduelis tristis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Como ler uma caixa taxonómicaPintassilgo-americano
Carduelis-tristis-002.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Subordem: Passeri
Família: Fringillidae
Género: Carduelis
Espécie: C. tristis
Nome binomial
Carduelis tristis
(Linnaeus, 1758)
Distribuição geográfica
Azul: Inverno, verde: o ano todo, amarelo: Verão
Azul: Inverno, verde: o ano todo, amarelo: Verão

O pintassilgo-americano (Carduelis tristis), também conhecido como pintassilgo oriental ou canário selvagem, é um pequeno pássaro migratório Norte-Americano.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O pintassilgo americano é uma das várias espécies originalmente descritas por Linnaeus, 1758, 10ª edição da sua obra Systema Naturae.[1] Foi inicialmente incluído no género Spinus, um grupo onde se incluíam os lugres e os pintassilgos do Novo Mundo, mas em 1976 o género Spinus foi incluído no género Carduelis como subgénero .[2]

Os seus parentes mais próximos são o pintassilgo-capa-preta (Carduelis psaltria), o pintassilgo de Lawrence (Carduelis lawrencei) e os lugres. Embora partilhe o nome com os pintassilgos europeus os dois estão em subgéneros diferentes e não são parentes directos.[3] A palavra latina carduelis deriva de carduus, que significa cardo, tristis, é a palavra latina para triste.[4]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

Há quatro subespécies de pintassilgo americano.

  • C. t. tristis é a mais comum. No verão encontra-se do sul do Canadá até ao Colorado e a leste até à Carolina do Sul. De inverno ocupa uma faixa que vai do sul do Canadá à Flórida e México Central;[5]
  • C. t. pallidus diferencia-se das outras subespécies por apresentar uma cor mais pálida, as marcas brancas mais visíveis e o capuz negro maior nos machos. É ligeiramente maior que o C. t. tristis. No verão estende-se da Colúmbia Britânica ao Ontario ocidental e a oeste até ao Oregon. No inverno abrange um território que vai do sul do Canadá e norte da California até ao México;[5]
  • C. t. jewetti é o mais pequeno e escuro. Encontra-se desde a vertente ocidental da Cordilheira das Cascatas, do sul da Colúmbia Britânica à California central, coincidindo em muitos locais com o território do C. t. pallidus;[5]
  • C. t. salicamans aparece a oeste da Serra Nevada no verão, e no inverno ocupa uma faixa que vai da Baja California aos desertos de Mojave e Colorado. De inverno, a plumagem de ambos os sexos é mais castanha que outras subespécies, e no verão o capuz negro dos machos é mais pequeno.[5]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

A filogenia genética molecular (e o seu parentesco e aparição na Terra) foi estabelecida por Antonio Arnaiz-Villena et al. [6]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Fêmea de pintassilgo americano.

Caracteriza-se por mudar completamente de plumagem e por um acentuado dimorfismo sexual. No verão o macho tem uma plumagem amarela brilhante, para atrair as fêmeas durante a época de reprodução, e no inverno muda para uma plumagem entre verde oliva e castanha. As fêmeas têm uma plumagem amarela acastanhada mate que se torna mais brilhante no verão.

O pintassilgo americano é granívoro e está bem adaptado para o consumo de sementes, com o seu bico cónico e as suas patas ágeis para se agarrar aos caules das plantas enquanto se alimenta. É um pássaro social juntando-se em bandos para se alimentar e para migrar. Pode comportar-se territorialmente na época de construção do ninho, mas esta agressividade dura pouco tempo. A época de reprodução inicia-se em finais de Julho, altura em que há mais alimento. Tem uma ninhada por ano e geralmente é monógamo.

O seu habitat preferido são os prados. Gosta do contacto com os humanos e por isso encontra-se com frequência em áreas residenciais atraído pela comida que lhe põem.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Macho com plumagem de inverno.

O pintassilgo americano é um pequeno fringilídeo que mede entre 11 e 13 cm de comprimento e com uma envergadura entre asas de 19 a 22 cm. Pesa entre 11 e 20 gramas. O bico é pequeno, cónico e rosado a maior parte do ano, mas torna-se alaranjado na muda da primavera, em ambos os sexos.[7] A forma e o tamanho do bico ajudam-no na extracção de sementes de cardos, girassóis e outras plantas que compõem o seu regime alimentar.[8]

A sua plumagem muda duas vezes, na primavera e no outono. O dimorfismo sexual que afecta a cor da plumagem é mais notório depois da muda da primavera, quando o macho se cobre de cores vivas para atrair a fêmea.[8] Cada muda é completa e não progressiva,[9] mudam todas as penas à excepção das da cauda e das asas, que são cor de azeitona ou pardas nas fêmeas e negras nos machos, com bandas brancas sempre presentes.[7] Uma vez completa a muda da primavera, o macho exibe uma plumagem amarela limão brilhante, originada pelos pigmentos carotenoides das plantas que ingere.[10] Tem um capuz negro e o ventre branco.[11] A fêmea apresenta tons amarelos sobre plumagem castanha ou cor de azeitona.[9] Depois da muda de outono a plumagem torna-se mate, com o ventre cor de camurça, o dorso castanho oliva e a cabeça amarela pálida. A plumagem de outono é parecida em ambos os sexos, mas o macho distingue-se por um babeiro amarelo.[12] Em algumas regiões os pintassilgos perdem todos os traços de amarelo durante o inverno e apresentam tons cinzento bronze ou cor de azeitona.

As crias e juvenis não têm a mesma cor dos adultos. Apresentam plumagem castanha mate na parte inferior e amarela pálida na superior, As asas e a cauda são negras com marcas cor de camurça e não brancas. A cor é igual nos dois sexos.[12]

O pintassilgo americano emite uma série de chilreios melodiosos que começam com uma nota longa. Os adultos emitem dois tipos de chamamentos para defender o ninho: um destina-se aos outros pintassilgos para o ajudarem a distrair um possível predador e outro é para prevenir e tranquilizar as crias.[13]

Referências

  1. Linnaeus, Carolus. Systema Naturae (em latim). Holmiae: Laurentii Salvii, 1758. p. 320. OCLC 174638949. Acesso a 11-02-2013.
  2. Thirty-third Supplement to the American Ornithologists' Union Check-list of North American Birds. American Ornithologists' Union. Consultado em 14 de março de 2012
  3. BayScience Foundation Carduelis tristis(American Goldfinch). Consultado em 14 de março de 2012
  4. Ferreira, A Gomes. Dicionário Latim-Português. Porto: Porto Editora.
  5. a b c d American Goldfinch Carduelis tristis. The birds of North America online. Consultado em 15 de março 2012.
  6. Zamora, J; Moscoso J, Ruiz-del-Valle V, Ernesto L, Serrano-Vela JI, Ira-Cachafeiro J, Arnaiz-Villena A. (2006). "Conjoint mitochondrial phylogenetic trees for canaries Serinus spp. and goldfinches Carduelis spp. show several specific polytomies". Ardeola 53(1): 1–17.
  7. a b American Goldfinch. Cornell Lab of Ornithology.
  8. a b E. Hayakawa American Goldfinch. Hinterland Who's Who.
  9. a b K. McGraw, G. Hill, R. Parker American Goldfinch.
  10. K. McGraw, G. Hill, R. Parker, «The physiological costs of being colourful: nutritional control of carotenoid utilization in the American goldfinch, Carduelis tristis», em Animal Behaviour, 2005, volume 69, 653-660.
  11. American Goldfinch (Carduelis tristis). Michigan Department of Natural Resources.
  12. a b Unitt, Philip; Perretta, Nicole (Winter 2001). The American, Lawrence's, and Lesser Goldfinches.
  13. R. Knight, A. Temple, « Nest defence in the American Goldfinch », em Animal Behaviour, 1987, volume 34, pp 887-897.