Carga do elétron

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A carga do elétron é de -1,60217653(14)×10−19 C ,que é o valor oposto à carga do próton.

Esta é uma constante fundamental da física e a unidade de carga elétrica no sistema de unidades atômicas.

Foi medido primeiramente na famosa experiência da gota de óleo de Robert Andrews Millikan em 1909, a carga do elétron é considerada indivisivel.

O grande mérito de Millikan for usar em sua experiência gotas de óleo, uma vez que outros experimentos semelhantes já haviam sido feitos porém com gotas de água que evaporam (muito) mais rápido que gotas de óleo, alterando rapidamente a massa da partícula (gota) analisada, o que não acontece com a gota de óleo.

Acredita-se que os quarks, propostos primeiramente nos anos 60, tenham cargas elétricas fracionárias (nas unidades de e/3), mas para existir somente nas partículas com uma carga inteira. Nunca foram detectados quarks sozinhos. Em 1982 Robert Laughlin tentou explicar o valor fracionário usando o efeito Hall, predizendo a existência de quaseparticulas fracionárias carregadas. Em 1995, a carga fracionária de quasiparticulas de Laughlin foi medida diretamente em um eletrômetro na universidade Stony Brook University, Nova Iorque. Em 1997, dois grupos de físicos no Weizmann Institute of Science da ciência em Rehovot, Israel, e no Commissariat à l'Énergie Atomique perto de Paris, reivindicaram ter detectado tais quasiparticulas carregadas em uma corrente elétrica.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]