Carlos, Príncipe de Gales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos
Príncipe de Gales e Duque de Rothesay
Esposas Diana, Princesa de Gales(1981–1996)
Camila, Duquesa da Cornualha (2005–presente)
Descendência
Guilherme, Duque de Cambridge
Henrique de Gales
Nome completo
Carlos Filipe Artur Jorge
Casa Windsor
Pai Filipe, Duque de Edimburgo
Mãe Isabel II do Reino Unido
Nascimento 14 de novembro de 1948 (66 anos)
Palácio de Buckingham, Londres, Reino Unido
Religião Anglicana

Carlos ou Charles (Londres, 14 de novembro de 1948) é o atual Príncipe de Gales, filho mais velho e herdeiro aparente da rainha Isabel II do Reino Unido. Conhecido na Escócia como o Duque de Rothesay e no Sudoeste da Inglaterra como Duque da Cornualha,[1] ele é o mais antigo herdeiro da história britânica, estando nessa posição desde 1952.[2] Ele também é o herdeiro mais velho do trono desde 1714.[3]

Carlos nasceu no Palácio de Buckingham como o primeiro neto do rei Jorge VI do Reino Unido e da rainha consorte Isabel Bowes-Lyon. Ele estudou nas escolas de Cheam e Gordonstoun, em que seu pai Filipe, Duque de Edimburgo, estudou quando criança, além da Geelong Grammar School em Vitória, Austrália. Depois de conseguir um bacharelado de artes no Trinity College, ele serviu na Marinha Real de 1971 até 1976.

Em 1981, ele se casou com Diana Spencer e teve dois filhos, os príncipes Guilherme, Duque de Cambridge e Henrique de Gales. O casal se divorciou em 1996, logo após casos extra-conjugais muito noticiados. No ano seguinte, Diana morreu em um acidente de carro. Carlos se casou em 2005 com Camila Shand em uma cerimônia civil,sendo o primeiro herdeiro casar em cerimonia civil.

Nascimento e títulos[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 14 de Novembro de 1948 no Palácio de Buckingham, filho de Sua Alteza Real, a princesa Isabel, Duquesa de Edimburgo e Filipe, Duque de Edimburgo. Era neto do rei Jorge VI do Reino Unido e de sua esposa, a rainha Isabel Bowes-Lyon. Por ser neto de um monarca, em seu nascimento recebeu o tratamento de Sua Alteza Real, o Príncipe Carlos de Edimburgo. Quando sua mãe ascendeu ao trono, em 1952, ele recebeu o título de Duque da Cornualha e também Duque de Rothesay e Conde de Carrick, adquirindo os títulos escoceses adicionais de Barão de Renfrew, Lorde das Ilhas e Príncipe e Grande Intendente da Escócia.

O sobrenome oficial do príncipe é Windsor, de acordo com documentos legais, mas ele tem regularmente utilizado o sobrenome Mountbatten-Windsor em documentos oficiais que requereram a utilização de um sobrenome, i.e., certidão de casamento e de divórcio.

Educação[editar | editar código-fonte]

O príncipe de Gales estudou no Goronstoun College, na Escócia, e freqüentou, por um período, o campus educacional ao ar-livre Timbertop, do Geelong Grammar School, na Austrália. Ele também freqüentou a universidade no Trinity College, Cambridge onde estudou antropologia e arqueologia, mais tarde estudou história, ganhando um diploma. O príncipe também freqüentou a University College de Gales, Aberystwyth, onde foi com a intenção de aprender galês - a primeira vez que um príncipe inglês faz uma tentativa de aprendê-la.

Príncipe de Gales[editar | editar código-fonte]

O Príncipe de Gales em visita aos Estados Unidos, 1981

O Duque da Cornualha tornou-se príncipe de Gales e Conde de Chester em 1958, embora sua atual investidura só viesse a ocorrer em 1 de julho de 1969. Foi uma cerimônia grandiosa no Castelo Caernarfon no norte de Gales, um local tradicionalmente associado à criação do título no século XIII. Investiduras anteriores ocorreram em várias localidades, incluindo o Palácio de Westminster, a casa do parlamento. A cidade galesa de Swansea teve seu status elevado para marcar a ocasião.

A investidura despertou consideravelmente a ira entre os nacionalistas galeses, e houve alguns focos de violência.

No final da década de 1970, o príncipe de Gales tornou-se o primeiro membro da família real desde o Rei Jorge I da Inglaterra a freqüentar o encontro do Cabinet britânico, sendo convidado pelo primeiro-ministro trabalhista James Callaghan para observar de perto os trabalhos governamentais.

Romances[editar | editar código-fonte]

Família real britânica
Casa de Windsor
Badge of the House of Windsor.svg

A Rainha
Filipe, Duque de Edimburgo


A vida amorosa do príncipe de Gales foi sempre objeto de especulação. Ele foi relacionado a numerosas mulheres incluindo Georgina Russell (filha do Embaixador do Reino Unido na Espanha), Davina Sheffield, Fiona Watson, a Lady Sarah Spencer, a Lady Tryon (esposa do terceiro Barão Tyron), e a divorciada Jane Ward entre outras. Ainda assim, nenhuma delas pode ser considerada possíveis esposas. Como príncipe-herdeiro ao trono, o príncipe de Gales tinha que escolher uma moça com passado impecável para desposar, de preferência uma protestante ainda virgem. Presumivelmente o seu único e verdadeiro amor, atual esposa, a então Camilla Shand que o ajudou a escolher a professora de jardim de infância de 19 anos, Diana Spencer, filha do conde Spencer e irmã mais nova de Sarah Spencer. O Palácio de Buckigham anunciou o noivado em 24 de fevereiro de 1981.

Primeiro casamento[editar | editar código-fonte]

Em 29 de julho de 1981, o príncipe de Gales e Lady Diana casam-se na Catedral de São Paulo frente a 3500 convidados e 750 milhões de pessoas no resto do mundo, pela televisão. Todos os chefes de estado da Europa participaram (exceto o rei Juan Carlos I da Espanha, que foi advertido a não participar, já que a lua-de-mel poderia passar pelo território de disputa de Gibraltar). Também a maioria dos chefes de Governo, com a notável exceção de Karamanlis da Grécia, que recusou o convite já que o rei exilado Constantino II, amigo pessoal do príncipe, ter sido convidado como "rei da Grécia" (descrição tecnicamente correta a monarcas exilados que não abdicaram) no convite, o que enfureceu republicanos gregos; Patrick Hillery, então presidente da Irlanda, foi advertido pelo primeiro-ministro Charles J. Haughey a não comparecer por causa dos problemas envolvendo britânicos e a Irlanda do Norte.

Com o casamento com o príncipe-herdeiro, Lady Diana recebeu o título de princesa de Gales juntamente a Sua Alteza Real; embora ela fosse inúmeras vezes chamada de "Princesa Diana", essa forma está incorreta. Eles se instalaram em Highgrove em Gloucestershire e no Palácio de Kensington. Quase imediatamente, a Princesa de Gales tornou-se uma estrela, perseguida por paparazzi, e suas mudanças (incluindo as de estilo de cabelo) foram conferidas por milhões em fotos vendidas por milhares de dólares a tablóides e jornais do mundo inteiro.

Críticos da princesa de Gales alegavam que ela era insustentável e temperamental. Com apenas cinco anos de casamento o conto de fadas de Gales já estava à beira de um colapso. Ironicamente, o príncipe e princesa de Gales se pareciam em algumas coisas: ambos tiveram problemas de infância. Ambos levaram seus papéis públicos a sério e dedicaram-se muito a trabalhos voluntários, sendo bastante bem-vistos por isso. (A Princesa de Gales notavelmente dedicou-se muito tempo ajudando pessoas com SIDA (Aids), enquanto o Príncipe de Gales dedicou muito esforço aos grupos marginalizados de centros urbanos através de seu programa Prince's Trust).

Ambos os parceiros subsequentemente admitiram casos extra-conjugais, que formalmente consistiam em adultério ou fornicação, ele com Camilla Parker-Bowles, ela com Dodi Al-Fayed. Embora eles permanecessem um casal em público, eles se separaram no começo dos anos 90, ele ficou morando em Highgrove, e ela se mudou ao Palácio de Kensington. A imprensa notou o distanciamento do casal e o constrangimento deles quando estavam juntos. Evidência de infidelidade começou a surgir nos noticiários. Em 1992, era óbvio que o casamento estava acabado. O casal formalmente se separou, com as fontes da imprensa assumindo posições distintas em que lado ficar na chamada "Guerra dos Galeses".

O casamento do príncipe e princesa de Gales terminou formalmente em divórcio em 28 de agosto de 1996. Eles tiveram dois filhos, William de Gales e Harry de Gales. Pese embora as evidências de adultério, não se põe em causa que os dois rapazes sejam efetivamente filhos de Carlos.

Morte da Princesa Diana[editar | editar código-fonte]

Príncipe Charles em 2011

Diana, Princesa de Gales morreu em um acidente de carro em 1997, em Paris. Como Diana não era mais membro da família real, a responsabilidade do funeral coube a seus parentes de sangue, os Spencers. O príncipe de Gales voou a Paris para acompanhar o traslado do cadáver de sua ex-esposa e insistiu que fosse dado a ela um funeral real formal; uma nova categoria de funeral formal foi criado especialmente a ela. O papel de pai do príncipe ganhou mais simpatia, em particular em como ele lidou com a crise da revelação que seu filho mais novo, Príncipe Harry, estava usando drogas. De impopular em meados dos anos 90, O príncipe de Gales tornou-se um dos membros mais populares da Família Real.

Relação com Camilla Parker-Bowles[editar | editar código-fonte]

A relação do príncipe de Gales com Camilla Parker-Bowles eventualmente tornou-se publicamente conhecida quando ela tornou-se consorte não-oficial. O casamento permanecia impedido de ocorrer por dois problemas principais requirindo resolução e aceitação. Como futuro Chefe Supremo da Igreja da Inglaterra, o panorama de seu casamento com Camilla, com quem ele havia tido um relacionamento enquanto ambos eram casados, foi mal-visto por alguns. Ambos eram divorciados, mas como seu ex-marido ainda estava vivo, seu segundo casamento ficaria mais problemático e controverso. As opiniões — tanto públicas quanto da Igreja — mudou de um jeito para que o segundo casamento fosse aceitável.Se tornou clara a relação um com o outro depois de uma revista americana relatar uma ligação,onde Carlos dizia que gostaria de ser o absorvente de Camilla.

Segundo casamento[editar | editar código-fonte]

O Príncipe de Gales e Camilla em visita a Jamaica, 2008

Em 10 de Fevereiro de 2005, foi anunciado pela Clarence House que o príncipe de Gales e Camilla Parker-Bowles iriam casar-se em 8 de abril daquele ano numa cerimónia civil no Castelo de Windsor com uma benção religiosa na Capela de São Jorge. Subsequentemente, a localidade foi mudada para a Prefeitura de Windsor, possivelmente depois da descoberta de que o Castelo de Windsor deveria ficar livre para o casamento de outras pessoas. Em 4 de Abril foi anunciado que o casamento seria adiado em um dia indo para 9 de Abril devido ao funeral do Papa João Paulo II, para o qual o príncipe de Gales foi convidado.

O Príncipe foi o primeiro membro da família real a casar-se em uma cerimónia civil na Inglaterra. Stephen Shetney questionou se Carlos e Camilla poderiam casar-se numa cerimónia civil, sendo a família real especificamente excluída da lei que institui casamentos civis na Inglaterra. A rede britânica de televisão BBC, publicou um documento oficial que dizia que os membros reais não poderiam se casar pelo civil na Inglaterra, mas a Clarence House rejeitou o aviso.

O casamento com Camila aconteceu no dia 9 de abril de 2005, tendo a Igreja Anglicana dado sua benção ao eventual casamento do príncipe Charles, herdeiro da coroa britânica, com Camila, segundo informa o jornal The Times; a posição foi manifestada pelo Lord Carey, ex-arcebispo da Cantuária e primaz da Igreja Anglicana, que qualificou a união entre Carlos e Camila como "natural".Em 10/07/2014 ocorreu o divorcio.

O arcebispo da Cantuária, Rowan Williams, deu sua benção pessoal ao príncipe. A decisão da Igreja Anglicana acaba com anos de debate sobre o casamento do príncipe herdeiro com Camilla que tornou-se Camila Rosemary Mountbatten-Windsor. Para não desagradar a opinião pública, a coroa britânica já tomou as providências para que Camilla não se torne rainha, hipótese rejeitada por 98% dos britânicos, segundo pesquisa do jornal Daily Express, caso o aparente príncipe herdeiro da Coroa do Reino Unido assuma o trono, Camilla vai ser princesa consorte. Até lá, entrará para a família real como Duquesa da Cornualha, uma região situada no sudoeste da Inglaterra e da qual o príncipe Carlos ganhou o título de Duque, passado sempre ao filho mais velho do soberano britânico, quando sua mãe Elizabeth II foi coroada rainha.

O mais velho Príncipe de Gales[editar | editar código-fonte]

Carlos completa 60 anos longe do trono[editar | editar código-fonte]

Com 60 anos completados no dia 14 de Novembro de 2008, Carlos segue como o mais velho Príncipe de Gales - título concedido a herdeiros diretos do trono - que a família real já teve. Diferente do primeiro Príncipe de Gales Eduardo II que em 1307 foi coroado com 23 anos de idade. Antes de Carlos, somente os reis George IV, que assumiu com 63 anos em 1820, e Eduardo VII, que reinou a partir de 1901 com 59 anos, chegaram perto da idade, mas não eram sucessores diretos. Carlos segue distante do trono, e pode nunca chegar a assumi-lo. A sua mãe, a rainha Elizabeth II, já deu indícios de que não pretende abdicar do trono em favor do filho, mesmo aos 86 anos. Se a atual Rainha viver até 101 anos ou mais, como a Rainha-Mãe, ele terá 79 anos quando finalmente se tornará Rei.[4]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Titles and Heraldry PrinceOfWales.gov.org. Visitado em 16 de outubro de 2013.
  2. Prince Charles becomes longest-serving heir apparent BBC (20 de abril de 2011). Visitado em 16 de outubro de 2013.
  3. Rayner, Gordon (19 de setembro de 2013). Prince of Wales will be oldest monarch crowned The Telegraph. Visitado em 16 de outubro de 2013.
  4. "O mais velho Príncipe de Gales longe do trono" - no UOL.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Carlos, Príncipe de Gales
Casa de Windsor
Ramo da Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
14 de novembro de 1948
Precedido por
Eduardo VIII
Coat of Arms of Charles, Prince of Wales.svg
Príncipe de Gales
26 de julho de 1958 – presente
Titular