Carlos Alvarado-Larroucau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde fevereiro de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.


Carlos Alvarado-Larroucau
Nascimento 1964
Tucumán, Argentina
Nacionalidade  Argentina
Ocupação Poeta, escritor, ensaísta

Carlos Alvarado-Larroucau é um escritor, poeta e ensayista nascido em San Miguel de Tucumán (Argentina) em 1964 . Ao termino de seus estudos secundários na província de Tucumán se radica em Buenos Aires, onde realiza estudos de idiomas, filosofia e direito. Por estudos, durante mais de doze anos residirá no Canadá, Estados Unidos e França. Carlos Alvarado se graduó com honras em literatura comparada e literatura francófona na Universidade de Montreal (Canadá), onde fosse becario do Ministério de Educação do Quebec. Também obtém diplomas com honras na Universidade Internacional de Flórida, FIU, (Estados Unidos) e na Universidade da Sorbona (França). É docente em diferentes universidades e instituições argentinas e publica em meios especializados em literatura. Foi convocado em várias oportunidades por diferentes universidades do mundo para dar conferências sobre literatura. É membro da Golden Key International Honour Society, do PEN Clube Internacional, do PEN Clube de Argélia , de Gente de Letras de Paris e de outras reconhecidas instituições, académicas, literárias, culturais e sociais. No ano 2008 foi especialmente convidado a Argélia , pelo Ministério da Cultura para expor sua conferência: Lhe silence au cœur d’um système de représentation purement algérien (O silêncio no centro de um sistema de representação puramente argelino), disertación que deu início à sessão geral de conferências durante o Primeiro Encontro Internacional de Tradução Literária de Argel, organizado pelo Ministério de Cultura de Argélia em cooperação com o Instituto Superior Arabe de Tradução, o PEN Clube Internacional e o PEN Clube de Argélia . No ano 2009, em Buenos Aires, participa com uma conferência sobre a literatura marroquina e Borges do «Coloquio Borges-França. IV Coloquio Internacional de Literatura Comparada», organizado pela Universidade Católica Argentina, congresso presidido pelo Prof. Pierre Brunel da Universidade da Sorbona, patrocinado pela Embaixada da França na Argentina e auspiciado pelo Ministério de Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto da República Argentina. O escritor tem dado várias conferências sobre a literatura francófona da Argentina. Por publicar em espanhol e em francês, indistintamente, é considerado como um autor francófono da Argentina.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Seu trabalho como escritor lhe valeu a obtenção de vários prêmios entre os que se destacam: 1999: o «Fleur de Lys» da Sociedade de Franceses Hugonotes da Flórida. 2003: Primeiro Prêmio, Diploma de Honra, no concurso «Petits Poèmes em Prose» da Sorbona. 2008: Menção de Honra da SADE (Sociedade Argentina de Escritores), SADE filial Vales Calchaquíes, ao melhor livro tucumano de poemas publicado em 2007, para seu livro Com tinta de amapolas. 2008: Menção de Honra da cidade de Voghera (Itália), por seu artigo «Ernesto Nava», publicado no livro Italianos em Tucumán, histórias de vida.

Comentários sobre sua obra[editar | editar código-fonte]

Sobre sua obra poética, o professor Adrián Baró (especialista argentino), comenta: Seria impossível não encontrar na poesia de Alvarado certos ecos que são próprios à literatura francófona que ele estuda. Como outros escritores de fala francesa tem dialogado intimamente com a obra dos grandes poetas galos como Saint-John Perse, Max Jacob e Mallarmé; absorvendo uma verdadeira dose de melancolia da leitura inevitável de Proust . Na obra de Alvarado há um verdadeiro lirismo herdado de um romantismo «que não cessa», que cohabita com o despojo inquisidor dos poetas contemporâneos. Em seu labor literário há uma aspiração a atingir uma poderosa síntese, evocando um clima interior a partir da mera observação das simples coisas à moda de Rilke ; e isto se faz visível em vários de seus versos como em «o nimio: o perfeito; o passageiro: o eterno». O poeta afirma-se antes de mais nada «tucumano», e assim é sua palavra; seu dizer está carregado com os matizes de sua terra, com certa maneira de expressar-se própria a toda a região do noroeste argentino. Indubitavelmente o poeta não desconhece as obras dos poetas tucumanos Pablo Vermelhas Paz, Omar Estrela, Ariadna Chaves, e David Lagmanovich, entre outros. Seu verso como o dos poetas de sua terra é livre e cuidado, seu adjetivación tão austera como certera. Adrián Baró

Comentários sobre sua poesia em francês[editar | editar código-fonte]

Carlos Alvarado-Larroucau nutre o idioma francês, seu idioma de adopção e também seu idioma de poeta, com esses nomes sonoros e exóticos. O fala-nos de viagens, os seus (Viveu nos Estados Unidos, no Canadá e na França), e daqueles que têm precedido seu nascimento : não está ele "exilado de um exilado povoo migrador?" Seus ancestros chegaram da França a Argentina, Casualidade ou Signo? Eles vinham de Oloron-Sainte-Marie , como os pais de Jules Supervielle. Jogaram seus raices no norte do país, em uma zona verde e montanhosa que se parece um pouco, nos diz ele, ao País Basco. Na família transmitia-se o francês como uma tradição. As imagenes mais ricas desta poesia vêm de um continente amerindio : magnolias em flor, espigas verdes de maíz, no entanto nem a nostalgia nem o lamento são palavras de ordem em seu poemario [Je suis aussi... ]. Aquilo que domina em Carlos Alvarado-Larroucau é a preocupação pela oferenda, a busca da luz : O interessou-se durante um tempo na arte do vitral. Dominique Barbéris

Carcaza vazia e tornasolada de um escarabajo, que deposito sobre o altar da vida

- Fragmento (tradução) de um poema em francês de Carlos Alvarado-Larroucau, do poema "J'écris: voyage".

Bibliografía[editar | editar código-fonte]

  • « Lhes Précieuses argentines. Littérature francophone d'Argentine » em Francofonía , Nº 18, Universidade de Cádiz, 2010.
  • « A cor da vida, não os detalhes ». Apresentação da obra do artista plástico Enrique Ponce Boscarino; em Catálogo da mostra “Percepciones”, Celebrações do Bicentenario, Câmara de Deputados do Congresso da Nação Argentina, Abril 2010.
  • Je suis aussi... prefácio de Dominique Barbéris, Paris: L’Harmattan (Coll. Poètes dês cinq continents), 2009.

Écritures palestiniennes francophones. Quête d’identité em espace néocolonial. Paris: L’Harmattan (Coll. Critiques Littéraires), 2009.

  • "Écrire ces vers" e "Tatuajes e corpos escritos", A turucuto, nº1, San Miguel de Tucumán, Argentina, novembro 2009.
  • « Poemas para uma noite quieta », em Espelhos do tempo, espelhos da alma, antología, Yerba Boa (Tucumán): Lucio Piérola Edições, 2009.
  • « Traduire a littérature algérienne de langue française. Lhe silence au cœur d’um système de représentation purement algérien ». in Revista Internacional de Tradução Moderna do Laboratório de Investigação, Idiomas e Tradução da Faculdade de Letras, Línguas e Artes. Departamento de Tradução. Universidade Mentouri de Constantina (Argélia), n° 4, julho de 2009.
  • «Prefacio crítico», em María Elisa GALO: Teclas negras, Yerba Boa (Tucumán): Lucio Piérola Edições, 2008.
  • «Contos e poesias», em Escritores de Tucumán, século XXI, antología de escritores de Tucumán, obra conjunta, Yerba Boa (Tucumán): Lucio Piérola Edições, 2008.
  • «Ernesto Nava», em Alva OMIL (comp.): Italianos em Tucumán, histórias de vida (obra conjunta, biografias). Yerba Boa (Tucumán): Lucio Piérola Edições, 2007.
  • Com tinta de amapolas (poesia). Yerba Boa (Tucumán): Lucio Piérola Edições, 2007.
  • «Jean-Marie Adiaffi et sa carte d’identité. Une identité à chercher et à défendre», em Philanthropie (revista de estudantes africanos e africanistas na Sorbona). Paris: ADEAS, n.º 3, fevereiro de 2005.

Conferências[editar | editar código-fonte]

  • 09/2009 "O Menino de areia (de Tahar Ben Jelloun), de Marrocos a Buenos Aires. Homenagem a francófono a Borges Poeta". Coloquio Borges-França. IV Coloquio Internacional de Literatura Comparada, Universidade Católica Argentina. Buenos Aires.
  • 03/2009 "Écrivains argentins d’expression française, sul lhes poètes: María Isabel Biedma et Susana Calandrelli, Littérature francophone d’Argentine de 1869 à 2009". Aliança Francesa de Buenos Aires.
  • 12/2008 "Traduire a littérature algérienne de langue française. Lhe silence au cœur d’um système de représentation purement algérien". Argel (Argélia).
  • 09/2008 "Assia Djebar, uma escritora argelina na Academia Francesa". Centro Cultural Alberto Rougés, Tucumán.
  • 07/2008 "Assia Djebar, uma escritora argelina na Academia Francesa". Aliança Francesa de Buenos Aires.
  • 11/2007 "Da vida à morte. Cerimónias e ritos egípcios desde o nascimento à morte. Exploração dos contos egípcios". Ente Cultural da Província de Tucumán, Tafí do Vale (Tucumán).
  • 05/2007 "A identidade, um tema recorrente em uma literatura emergente. Poesia de expressão francesa do Mashrek". IIIer Maio das Letras em Tucumán, A Secretaria de Estado de Cultura da Província de Tucumán. Tucumán.

Referências[editar | editar código-fonte]

Parte da biografia do autor tem sido extraída de:

  • ALVARADO, Carlos: Com tinta de amapolas (poesia). Yerba Boa (Argentina): Lucio Piérola Edições, 2007.
  • «Família, misticismo e amor feito poesia», Artes & espectáculos, O Jornal de Tucumán, 11 de março de 2008.
  • «Antología de microrrelatos»; A Gaceta de Tucumán, 11 de outubro de 2009.
  • «Ces écrivains argentins qui écrivent em français», entrevista de Barbara Vignaux a Carlos Alvarado na quarta-feira 18 de março de 2009, publicada no Petit Journal (diário dos franceses e francófonos no estrangeiro) o 20 de março de 2009 (Dia Internacional da Francofonía).
  • «A littérature francophone est celle qui a émergé après o fim dês colonies»; entrevistado por Farida Belkhiri para o diário Horizons de Argel (Argélia) (suplemento Cultura) publicado o 16 de dezembro de 2008.
  • «Lhe traducteur et a littérature algérienne d’expression française», Dalila Kaddour entrevista a Carlos Alvarado para o diaro O Oumma Ao Arabia. Argel (Argélia), 4 de dezembro de 2008.
  • «Apresentação do livro de poemas “Com tinta de amapolas”». María Branca Nuri entrevista a Carlos Alvarado para Os jogos da cultura (programa de televisão por cabo, Canal 3, Cablevisión de Tucumán), San Miguel de Tucumán, quinta-feira 20 de março de 2008.
  • «Família, misticismo e amor feito poesia», artes & espectáculos, O jornal de Tucumán, 15 de março de 2008.
  • «Reflexões sobre a vida e a morte, na literatura», junto aos escritores Daniel Posse e David Slodki, para Os jogos da cultura, programa de televisão por cabo, CCC, Canal 3, Cablevisión de Tucumán, conduzido por María Branca Nuri (directora de Letras e Pensamento Crítico do Organismo de Cultura da Província de Tucumán), Tafí do Vale (Tucumán), 2 de novembro de 2007.
  • «Une vision relativement large», L’Expression (pág. 20), Argélia, 3 de dezembro de 2008.
  • «Algérie, 1er rencontre internationale d’Alger sul a traduction littéraire», na Tribune d’Algérie, 4 de dezembro de 2008.
  • «Um vínculo marcado pela ironía», Nota de Página/12, sobre o IV Coloquio Internacional de Literatura Comparada Borges-França, 2 de setembro de 2009.