Carlos Chagas (jornalista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Chagas
Nascimento 20 de maio de 1937 (77 anos)
Três Pontas, MG  Brasil
Nacionalidade Brasileira
Ocupação Advogado
Professor
Jornalista

Carlos Chagas (Três Pontas, 20 de maio de 1937) é um advogado, professor e jornalista brasileiro.

Carlos é o pai de Helena Chagas, atual ministra-chefe da Secretaria de Comunicação Social do governo Dilma Rousseff.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formação acadêmica e início da carreira[editar | editar código-fonte]

Formado em Direito pela PUC-Rio, Carlos foi professor da Universidade de Brasília (UnB) durante 25 anos.

Como jornalista[editar | editar código-fonte]

Iniciou no jornalismo como repórter de O Globo, em 1958. Depois passou pelo O Estado de S. Paulo, onde permaneceu durante 18 anos.

Como apresentador, colunista e comentarista[editar | editar código-fonte]

Apresentou o programa Jogo do Poder, exibido pela CNT e que antes ia ao ar pelas redes Manchete e RedeTV!. Agora, recentemente apresenta o programa Falando Francamente.

Além de apresentador, é um colunista de 12 jornais onde comenta e critica a forma com que a imprensa brasileira atua. É também um comentarista de política do Jornal do SBT em Brasília e na Jovem Pan.

Como escritor[editar | editar código-fonte]

Publicou, entre outros livros "O Brasil sem Retoque: 1808 - 1964", "Carlos Castelo Branco: o Jornalista do Brasil" e "Resistir é Preciso".

Na vida pública[editar | editar código-fonte]

Foi assessor de imprensa da Presidência da República em 1969[1] no governo Costa e Silva.

Caso Sociedade dos Amigos de Plutão[editar | editar código-fonte]

Em 2 de setembro de 2006, Carlos publicou no site da revista "Brasília em Dia" uma notícia sobre a criação de uma ONG chamada Sociedade dos Amigos de Plutão[2] . Na notícia, Carlos divulgou detalhes sobre a suposta ONG apontando número de diretores, valores destinados à organização e uma ligação íntima entre o presidente da ONG (supostamente um ex-líder sindical, filiado à CUT e ao PT) e o então presidente Lula.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A notícia em questão gerou grande repercussão dentro e fora da internet, atingindo seu ápice quando o então senador piauiense Heráclito Fortes do então PFL (atual Democratas) propôs uma CPI para apurar a suposta criação da ONG.

Desfecho[editar | editar código-fonte]

Carlos publicou uma retratação no dia 2 de outubro em sua coluna na Tribuna da Imprensa. Nela, afirmou que tudo aquilo não passava de uma metáfora que, entretanto, não estava devidamente caracterizada[3] .

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.