Carlos Alberto da Mota Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Carlos Mota Pinto)
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Mota Pinto
Carlos Mota Pinto
Primeiro-ministro de  Portugal
Período de governo 22 de Novembro de 1978 a 1 de Agosto de 1979
Antecessor(a) Alfredo Nobre da Costa
Sucessor(a) Maria de Lurdes Pintassilgo
Ministro do Comércio e do Turismo
Período de governo 25 de Março de 1977 a 30 de Janeiro de 1978
Antecessor(a) Álvaro Barreto
Sucessor(a) Basílio Horta
Vice-Primeiro-Ministro e Ministro da Defesa Nacional
Período de governo 9 de Junho de 1983 a 15 de Fevereiro de 1985
Antecessor(a) Diogo Freitas do Amaral
Sucessor(a) Rui Machete
Vida
Nascimento 25 de Julho de 1936
Pombal
Morte 7 de Maio de 1985 (48 anos)
Coimbra
Dados pessoais
Partido Partido Social Democrata
Profissão Jurista

Carlos Alberto da Mota Pinto GCCGCIP (Pombal, 25 de Julho de 1936Coimbra, 7 de Maio de 1985) foi um jurista e político português.

Professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde se licenciou e obteve o grau de doutor em Ciências Jurídicas, foi um teórico influente no campo do Direito Civil. Nessa área, a sua obra mais conhecida é o manual Teoria Geral do Direito Civil. Leccionou também na Universidade Católica Portuguesa, bem como em algumas universidades estrangeiras.

Após o 25 de Abril ajudou a fundar, juntamente com Sá Carneiro, Pinto Balsemão e Magalhães Mota, o Partido Popular Democrático (actual PSD).

Pelo mesmo partido, foi eleito deputado à Assembleia Constituinte e à Assembleia da República (cujo nome é, aliás, devido a uma proposta legislativa por si apresentada, durante os trabalhos da Constituinte). Foi igualmente presidente do Grupo Parlamentar do PSD.

Ao partido deu também o slogan "Hoje somos muitos, amanhã seremos milhões", incluído no seu discurso no 1.º comício do PSD, realizado no Pavilhão dos Desportos de Lisboa, em 1974. Entrou em ruptura com Sá Carneiro no Congresso de Aveiro, em dezembro de 1975, tendo-se posteriormente reconciliado com ele e com o partido. À data da morte de Sá Carneiro era mandatário nacional da candidatura presidencial do candidato da AD, General Soares Carneiro.

Foi igualmente ministro do Comércio e Turismo no I Governo Constitucional (1976-1977), 152.º primeiro-ministro do IV Governo Constitucional (1978-1979), nomeado por iniciativa presidencial de Ramalho Eanes, e ainda vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa do IX Governo Constitucional (1983-1985).

Liderou a Comissão Política Nacional do PSD, entre 1984 e 1985, depois de 1983 a 1984 ter liderado o partido junto com Nascimento Rodrigues e Eurico de Melo, na chamada "Troika". Faleceu subitamente nesse mesmo ano, em Coimbra, dias antes da realização do congresso, na Figueira da Foz, que daria a chefia do partido a Cavaco Silva.

Casou com Maria Fernanda Cardoso Correia, de quem teve três filhos: Paulo, Nuno e Alexandre.

Distinções[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2014-05-11. "Resultado da busca de "Carlos Alberto da Mota Pinto"."
  2. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2014-05-11. "Resultado da busca de "Carlos Alberto da Mota Pinto"."
Precedido por
Alfredo Nobre da Costa
Primeiro-ministro de Portugal
(IV Governo Constitucional)
1978 - 1979
Sucedido por
Maria de Lourdes Pintasilgo
Precedido por
Nuno Rodrigues dos Santos
Presidente do PSD
1984 - 1985
Sucedido por
Aníbal Cavaco Silva
Precedido por
Diogo Freitas do Amaral
Ministro da Defesa Nacional
IX Governo Constitucional
Sucedido por
Rui Machete
Precedido por
Diogo Freitas do Amaral
Vice-Primeiro-Ministro
IX Governo Constitucional
Sucedido por
Rui Machete
Precedido por
Álvaro Barreto
Ministro do Comércio e Turismo
I Governo Constitucional
Sucedido por
Basílio Horta