Carlos da Áustria-Teschen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde fevereiro de 2012). Ajude e colabore com a tradução.
Carlos de Áustria-Teschen
Arquiduque da Áustria
Duque de Teschen
Georg Decker 002.jpg
Governo
Consorte Henriqueta de Nassau-Weilburg
Casa Real Casa Imperial da Áustria
Dinastia Habsburgo-Lorena
Vida
Nascimento 5 de Setembro de 1771
Florença, Flag of the Grand Duchy of Tuscany (1840).svg Toscana
Morte 30 de abril de 1847 (75 anos)
Viena, Flag of the Habsburg Monarchy.svg Áustria
Filhos Maria Teresa
Alberto
Carlos
Frederico
Rodolfo
Maria Carolina
Guilherme
Pai Leopoldo II, Sacro Imperador Romano-Germânico
Mãe Maria Luísa da Espanha

Carlos Luís João José Lourenço da Áustria (em alemão: Karl Ludwig Johann Josef Lorenz von Österreich; em italiano: Carlo Luiggi Giovanni Giuseppe Lorenzo d'Asburgo) (Florença, 5 de setembro de 1771Viena, 30 de abril de 1847), foi arquiduque da Áustria, príncipe da Toscana, duque de Teschen e marechal-de-campo austríaco.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Carlos era o terceiro filho do imperador Leopoldo II e da infanta Maria Luísa da Espanha. Seus avós paternos foram Francisco I, Sacro Imperador Romano-Germânico e Maria Teresa I, Imperatriz da Áustria; e seus avós maternos foram o rei Carlos III de Espanha e Maria Amália da Saxônia. Entre seus irmãos encontram-se Maria Teresa, rainha da Saxônia, Francisco I, imperador da Áustria, Fernando III, Grão-duque da Toscana, Maria Clementina, primeira esposa do futuro Francisco I das Duas Sicílias e Rainiero, primeiro vice rei do Reino Lombardo-Vêneto.

Devido às sua crises de epilepsia, o arquiduque foi inicialmente destinado à vida eclesiástica, embora se interessasse bastante pela carreira militar. Após a morte de seus pais, em 1792, Carlos foi adotado por seus tios, a arquiduquesa Maria Cristina e o príncipe Alberto de Saxe-Teschen, que tiveram apenas uma filha, morta na infância. Os duques de Teschen apoiaram e incentivaram suas aspirações militares, além de torná-lo o único herdeiro de seu imenso patrimônio (incluindo o célebre palácio de Viena, atual sede da Galeria Albertina).

Carreira militar[editar | editar código-fonte]

Carlos iniciou sua carreira nos Países Baixos Austríacos, onde os duques de Teschen eram governadores. Sua primeira atuação foi durante a Revolução Francesa. Ele comandou uma brigada na Batalha de Jemappes e, na campanha de 1793, distinguiu-se nas batalhas de Aldenhoven e Neerwinden. Nesse ano, recebeu a patente de marechal-de-campo e tornou-se governador dos Países Baixos Austríacos. Ocupou altos comandos no restante da guerra e participou da Batalha de Fleurus.

Serviu no Reno em 1795, tornando-se comandante-em-chefe de todas as forças austríacas ao longo desse rio no ano seguinte. Sua conduta durante as operações contra Jean-Baptiste Jourdan e Jean Victor Marie Moreau, em 1796, elevou sua reputação à dos maiores generais da Europa.

Guerras Napoleônicas[editar | editar código-fonte]

Em 1797, Carlos foi enviado à Itália para deter a marcha vitoriosa do general Bonaparte e conduziu a retirada das esgotadas tropas austríacas com os melhores resultados. Derrotou Jourdan em duas outras ocasiões: em 1799, na Batalha de Ostrach e, em 1800, na batalha de Stockach, na sequência da bem sucedida invasão da Suíça e da derrota de André Masséna na Primeira Batalha de Zurique, após o que o arquiduque voltou a entrar na Alemanha e novamente empurrou os franceses de volta ao Reno.

O vitorioso arquiduque Carlos durante aBatalha de Aspern-Essling.

Sua doença, contudo, o obrigou a retirar-se para a Boêmia, de onde logo foi chamado para deter o avanço de Jean Victor Marie Moreau sobre Viena. No entanto, o resultado desastroso da Batalha de Hohenlinden forçou-o a assinar o armistício de Steyr. Sua popularidade foi tal, que o governo de Ratisbona decidiu, em 1802, erigir uma estátua em sua homenagem e conferir-lhe o título de Salvador da Pátria; honrarias que Carlos recusou.

Na quarta e desastrosa guerra de 1805, Carlos comandou aquilo que pretendia ser o maior exército na Itália, mas os acontecimentos fizeram da Alemanha o teatro de operações mais decisivo da Europa e as derrotas sofridas no Danúbio acabaram por neutralizar o êxito obtido pelo arquiduque contra Masséna na desesperada Batalha de Caldiero. A paz trouxe a oportunidade de se iniciar a reorganização do exército, que foi posto à prova em 1809. Como Generalíssimo dos exércitos, Carlos havia sido nomeado marechal-de-campo alguns anos antes.

Em 1806, Francisco I da Áustria o nomeou Comandante-em-chefe do exército austríaco e chefe do Conselho de Guerra. Apoiado pelo prestígio de ser o único general que havia se mostrado capaz de derrotar os franceses, iniciou reformas de longo prazo que substituíram os métodos obsoletos do século XVIII pela organização e táticas dos exércitos franceses. O exército austríaco foi surpreendido em pleno processo de transição pela guerra de 1809, onde Carlos atuou como Comandante-em-chefe. Nessa guerra, mostrou ser um inimigo muito mais formidável que antes e só sucumbiu às irregulares tropas que Napoleão enviou contra ele após uma luta acirrada.

Seu êxito inicial foi neutralizado pelo revés das batalhas de Abensberg, Landshut e Eckmühl mas, após a evacuação de Viena, o arquiduque logrou uma magnífica vitória na Batalha de Aspern-Essling. Na sequência, a Batalha de Wagram, nos arredores de Viena, foi ainda mais acirrada e terminou com a derrota dos austríacos que, todavia, mantiveram suas posições. Carlos infligiu aos exércitos de Napoleão um número considerável de baixas (aproximadamente 50 milhares). Ao final da campanha, colocou à disposição da coroa todos os seus cargos militares.

A vida na reserva[editar | editar código-fonte]

Arquiduque Carlos com sua família.

Quando a Áustria entrou para as fileiras dos aliados durante a Guerra da Sexta Coalizão, Carlos não recebeu nenhum comando e o posto de Comandante-em-chefe do Grande Exército da Boêmia foi dado ao príncipe Carlos Felipe de Schwarzenberg. Carlos passou o resto de sua vida na reserva, exceto por um curto período de tempo, em 1815, quando dirigiu a Fortaleza de Mainz. Em 1822, tornou-se o titular do Ducado de Saxe-Teschen.

Casou-se em 15 de setembro de 1815, em Weilburg, com a princesa Henriqueta de Nassau-Weilburg, filha de Frederico Guilherme de Nassau-Weilburg e Luísa Isabel de Kirchberg.

Morte[editar | editar código-fonte]

Carlos morreu em Viena, em 30 de abril de 1847. Seu corpo encontra-se na sepultura n.º 122 da Cripta Nova, na Cripta Imperial de Viena. Em sua memória foi erigida uma estátua equestre em 1860, na Heldenplatz (Praça dos Heróis), em frente ao Palácio de Hofburg, em Viena.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.