Carmine Nicolao Caracciolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carmine Nicolao Caracciolo

Carmine Nicolao Caracciolo (Bucchianico, 6 de julho de 1671Madrid, 26 de julho de 1726) foi um vice-Rei espanhol do Peru de 5 de outubro de 1716 até 26 de janeiro de 1720.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu nome era pronunciado de diversas maneiras, incluindo Carmine Nicola Caracciolo, Carmine Niccolo Caracciolo, Carmine Nicolás Caracciolo e Carmino Nicolás Caracciolo.[1]

Carmine Caracciolo era descendente de uma antiga família nobre de Nápoles e era um príncipe do Sacro Império Romano-Germânico. Ele foi exilado de Nápoles, em 1707, quando a cidade ficou sob o controle da Coroa da Áustria, porque ele era um defensor dos Bourbons. Seus bens foram confiscados. Ele era um homem culto, foi embaixador em Roma e Veneza (1702). Ele se casou com Donna Giovanna Costanza Ruffo dei Duchi di Bagnara.

Foi o primeiro italiano a ser nomeado vice-Rei do Peru. Isto ocorreu em 1713, apesar de a viagem para a América ter levado algum tempo. Ele chegou em Cartagena das Índias na Batalha do Conde de Vega Flórida, onde ele se tornou ciente da corrupção na política e no comércio do vice-reinado. Trouxe com ele as ordens da Coroa para acabar com o contrabando francês, algo que tinha sido protegido e incentivado pelos seus antecessores imediatos.

Entrou em Lima e tomou posse em 5 de outubro de 1716. Em comemoração de sua chegada, o poeta Peralta publicou um Panegírico em sua honra, como fez Bermúdez de la Torre, "El sol en el zodíaco". Ambos são extravagantes em seus elogios para o novo vice-rei.

Em 1717 o Vice-Reino de Nova Granada foi criado no norte do Peru, incorporando a Real Audiência de Bogotá, Quito e Panamá. No entanto, este estabelecimento durou apenas até 1724, quando os territórios foram devolvidos ao Vice-Reino do Peru. (O vice-reinado de Nova Granada foi restabelecido em uma base mais permanente em 1734.)

Entre os eventos mais importantes de sua administração pode ser recordado o fato de não ter conseguido parar o contrabando. Os missionários construíram muitos mosteiros nas montanhas e foi fundado o Colégio de Ocopa. Uma epidemia atingiu 60.000 indígenas. Um decreto real proibiu a marca nos escravos negros. Devido ao abuso cometido por encomenderos do sistema de Mita, Caracciolo solicitou a sua abolição. O rei, porém, não aceitou o pedido.

Em 15 de agosto de 1719 o primeiro eclipse total do sol foi registrado em Lima desde a conquista espanhola, pouco antes do meio-dia. Foi necessário utilizar o farol, e o eclipse estimulou procissões de penitentes.

Seu cargo de vice-rei durou até 1720, Carmine Caracciolo morreu em 1727.

Referências

  1. No total, 'Don Carmine Nicolás Caracciolo, quinto Príncipe de Santo Buono, oitavo duque de Castel de Sangro, Duodécimo Marqués de Buquianico, conde de Esquiabi, y de Santobido de Capracota, Barão de Monteferrato, Castillón, Belmonte, Roca Espinalberti, Frainefrica, y Grandinarca Castelnuovo, señor de Nalbeltide y de la ciudad de Auñón, y Grande de España de primera clase '

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Diego Morcillo Rubio de Auñón
Vice-rei do Peru
17161720
Sucedido por
Diego Morcillo Rubio de Auñón