Carmo do Cajuru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Carmo do Cajuru
"Cajuru"
Bandeira de Carmo do Cajuru
Brasão desconhecido
Bandeira Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 27 de dezembro
Fundação 27 de dezembro de 1948 (65 anos)
Gentílico cajuruense
Prefeito(a) José Clarete Pimenta[1] (DEM)
(2013–2016)
Localização
Localização de Carmo do Cajuru
Localização de Carmo do Cajuru em Minas Gerais
Carmo do Cajuru está localizado em: Brasil
Carmo do Cajuru
Localização de Carmo do Cajuru no Brasil
20° 11' 02" S 44° 46' 15" O20° 11' 02" S 44° 46' 15" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Oeste de Minas IBGE/2008 [2]
Microrregião Divinópolis IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Igaratinga, São Gonçalo do Pará, Divinópolis, Claudio, Itaguara, Itatiaiuçu, Itaúna
Distância até a capital 112 km
Características geográficas
Área 455,005 km² [3]
População 20 018 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 44 hab./km²
Clima Tropical de Altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,774 alto PNUD/2000 [5]
PIB R$ 168 145,088 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 8 501,19 IBGE/2008[6]
Página oficial

Carmo do Cajuru é um município do estado de Minas Gerais, no Brasil. Localiza-se a 112 quilômetros de Belo Horizonte, a quinze quilômetros de Divinópolis e a 25 quilômetros de Itaúna.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Carmo" é uma referência a Nossa Senhora do Carmo. "Cajuru" provém da língua tupi. Significa "boca do mato", através da junção de ka'a ("mata")[7] e îuru ("boca")[8] .

História[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos colonizadores portugueses, no século XVI, toda a região do atual estado de Minas Gerais era ocupada por povos indígenas do tronco linguístico macro-jê[9] .

Carmo do Cajuru foi fundada pelo capitão Manoel Gomes Pinheiro, vindo de Nossa Senhora do Desterro, por volta de 1815, quando pediu licença ao imperador dom Pedro I para erguer a Capela de Nossa Senhora do Carmo, cuja provisão data de 16 de agosto de 1823. O nome Cajuru, nome da Fazenda de Manoel Gomes, consta em documentos datados de 1785 e dava nome também ao Morro do Cajuru, atual Morro da Cruz, localizado à margem direita do Ribeirão do Empanturrado. Em 1834, a Câmara Municipal de Pitangui criou o distrito de Cajuru, quando passou a ter cartório e juiz de paz.

Antiga Boca da Mata, Carmo do Cajuru abrange alguns distritos rurais: Angicos, Marimbondo, São José dos Salgados e Jacuba. Sendo uma área pequena, esta cidade é diferente de Divinópolis, sua irmã, distante doze quilômetros. Tem uma população pequena (cerca de 21 000 habitantes); tem bom nível educacional destacando-se como um dos melhores do estado de Minas Gerais. Carmo do Cajuru tem sua própria usina hidrelétrica que se situa no Lago Barragem. Seus principais pontos turísticos são o Morro da Cruz, a Barragem, a Prainha e a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo.

Aspectos Econômicos e Sociais[editar | editar código-fonte]

A economia local começou com as antigas fábricas de manteiga, cerca de 1915. Mas o dinamismo se deu com a agropecuária - arroz, feijão, milho, mandioca. Em 1922, o beneficiamento de arroz; em 1925, fábrica de macarrão; em 1941, fábricas de macarrão e farinha; em 1959, após a emancipação do município (em 27 de dezembro de 1948), fundada uma siderúrgica; em 1960, fundição de ferro; em 1977, fundição de alumínio. Mas foi a indústria de móveis que realmente impulsionou Carmo do Cajuru. Hoje, contam-se 117 fábricas de móveis, sendo o segundo maior polo moveleiro do Brasil. Os móveis aqui produzidos são vendidos em todo o país e alguns países. As indústrias de móveis aqui instaladas empregam cerca de oitenta por cento da mão de obra economicamente ativa da cidade. A maior e pioneira fábrica de móveis da cidade emprega, sozinha, cerca de oitocentas pessoas. Mas, ainda sim, Carmo do Cajuru está carente de investimentos em hotelaria, gastronomia, indústria laticinista, indústria do café (torrefação e moagem), indústria da construção civil, indústria da transformação, produção de bens de consumo, tecnologia e informática.

Há forte carência no setor da saúde. Há somente uma clínica municipal (sem internação), existem poucos consultórios médicos, mas não há médicos residentes no município. Dos poucos médicos existentes, são odontologistas, oftalmologistas e fisioterapeutas são os trabalhadores da área da saúde mais presentes.

Jovens cajuruenses têm procurado, com muita frequência, cursos técnicos em outras cidades. Cursos procurados pelo jovens; marcenaria, eletrônica de máquinas e motores, eletrotécnica, edificação, informática (suporte, infraestrutura, software e hardware, montagem e manutenção de micros) e tecnologia, química, mecânica, além de outros em serviços pessoais (manicure, pedicure, cabeleireiro, garçom, telemarketing e outros). Alguns eventos em nível regional e estadual acontecem regularmente - ciclismo, motociclismo, automotivos, rodeios, shows e exposições. Um dos agentes que agitam a economia da cidade são as fábricas de móveis (Carmo do Cajuru é conhecida em Minas Gerais como "A cidade do móveis"), agropecuária e prestação de serviços. A Segurança Pública é garantida pela presença do Batalhão de Polícia Militar e pela Polícia Civil. Não há, contudo, destacamento do Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e outros serviços públicos.

A captação, tratamento, distribuição e fornecimento de água, bem como a coleta de esgotos, são feitos por uma autarquia municipal. Não há estação de tratamento de esgotos. Apenas no ano de 2010 iniciou-se uma mobilização de conscientização da população para separação de lixo reciclável e a coleta seletiva de lixo. A Hidrelétrica de Carmo do Cajuru fornece energia para a cidade e para Divinópolis.

Educação[editar | editar código-fonte]

A primeira escola pública de Carmo do Cajuru - apenas para meninos - foi criada em 1857 e funcionava em prédios alugados ou emprestados. Após 25 anos (1882), foi criada a escola pública para as meninas e em 1928, construída a Escola Princesa Isabel, com sede própria. Com um nível bom de educação suas principais escolas são a Escola Princesa Isabel, Escola São Francisco de Assis, Colégio Padre João Parreiras Villaça e Colégio Vigário José Alexandre. Carmo do Cajuru já ganhou um certificado de honra ao mérito pela alto nível da educação, uma grande conquista.

Mesmo assim, falta escola técnica/profissionalizante, tão procurada pelos jovens cajuruenses, que buscam formação profissional em outras cidades (Divinópolis, Itaúna e Formiga), nas mais diversas áreas: da saúde (enfermagem, bioquímico), administrativa (contabilidade, administração etc), vendas (gestão de comércio, telemarketing etc.), técnicos (eletricidade, eletrotécnico, metalurgia etc.).

Turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com aspectos naturais vantajosos como a Pedra do Calhau, o Bosque, a Serra do Galinheiro e a Prainha (que está desativada desde o ano de 1994) e outros aspectos não naturais, como a Barragem de Carmo do Cajuru (moldada com a construção da Hidrelétrica de Carmo do Cajuru) e as igrejas do Rosário, Matriz de Nossa Senhora do Carmo e de Nossa Senhora do Líbano (ainda em fase de construção).

Referências

  1. Prefeitura de Carmo do Cajuru
  2. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  4. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  7. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm
  8. NAVARRO, E. A. Método Moderno de Tupi Antigo. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p. 265
  9. http://www.cedefes.org.br/index.php?p=colunistas_detalhe&id_pro=7

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.