Carolina Amália de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Augustenburg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carolina Amália
Rainha consorte da Dinamarca
Duquesa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Augustenburg
1796 Caroline Amelie.jpg
Carolina Amália
Governo
Coroação 28 de junho de 1840 no Palácio de Frederiksborg
Consorte Cristiano VIII da Dinamarca
Vida
Nascimento 28 de Junho de 1796
Copenhaga, Dinamarca
Morte 9 de Março de 1881 (84 anos)
Copenhaga, Dinamarca
Pai Frederico Cristiano II de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Augustenburg
Mãe Luísa Augusta da Dinamarca

Carolina Amália de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Augustenborg (18 de junho de 1796 - 9 de março de 1881), foi rainha-consorte da Dinamarca como segunda esposa do rei Cristiano VIII entre 1839 e 1848.

Família[editar | editar código-fonte]

Carolina era a filha mais velha da princesa Luísa Augusta da Dinamarca e do duque Frederico Cristiano II de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Augustenburg. Era tia do príncipe Cristiano de Schleswig-Holstein, marido da princesa Helena do Reino Unido, filha da rainha Vitória. Os seus avós paternos eram o duque Frederico Cristiano I de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Augustenburg e a princesa Carlota de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Plön. Os seus avós maternos eram o rei Cristiano VII da Dinamarca e a princesa Carolina Matilde da Grã-Bretanha.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Estátua da rainha por Vilhelm Bissen no jardins do Castelo Rosenborg.

Carolina Amália nasceu em Copenhaga onde viveu até 1807, ano em que se mudou com a família para Augustenborg.

Foi prometida ao herdeiro do trono dinamarquês, o futuro rei Cristiano VIII, em 1814 e o casamento realizou-se em 1815. Cristiano tinha-se divorciado da sua primeira esposa, a duquesa Carlota Frederica de Mecklemburgo-Schwerin, algum tempo antes e tinha acabado de regressar à Dinamarca depois de ter abdicado do trono norueguês, o que significava que se podia dedicar às ciências, à mineralogia e à geologia. Enquanto Cristiano foi celebrado como um homem das ciências, Carolina era compositora e escreveu várias partituras de piano. O facto de aceitar as traições do marido fazia com que fosse admirada na altura.

Entre 1816 e 1817, o casal viveu em Odense onde Cristiano prestava serviço como governador de Fiónia. Entre 1818 e 1822, o casal realizou várias viagens por toda a Europa.

Rainha da Dinamarca[editar | editar código-fonte]

O rei a rainha da Dinamarca durante a coroação no Palácio de Frederiksborg. Retrato por Joseph-Désiré Court localizado no Museu Nacional de Arte da Dinamarca.

Em 1839, quando o rei Frederico VI morreu, Carolina Amália, como esposa de Cristiano VIII, tornou-se rainha da Dinamarca. A rainha era considerada instrumental no partido pró-alemão no assunto dos ducados de Schleswig-Holstein. A influência política que teria é pouco clara, mas sofreu alguma hostilidade durante a guerra entre Dinamarca e Holstein, sendo acusada de conspirar com os seus irmãos contra a Dinamarca.

Envolveu-se em muitos projectos sociais e humanitários, principalmente através da criação e apoio de orfanatos. Carolina foi também defensora de Nikolai Frederik Severin Grundtvig, o líder do partido eclesiástico dinamarquês. Tirando as suspeitas que caíram sobre ela durante o conflito entre Holstein e a Dinamarca, era bastante popular e continuou a sê-lo como rainha-viúva.

Carolina tornou-se viúva em 1848, tendo vivido mais de trinta anos do que o marido. Também viveu mais dezassete anos que o seu enteado, tendo assim vivido o suficiente para ver o rei Cristiano IX a subir ao trono e a sobrinha do seu marido tornar-se sua rainha-consorte.

Morreu em 1881, sem filhos. O seu corpo encontra-se enterrado na Catedral de Roskilde ao lado do marido.

Referências