Carro de guerra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Mapa histórico aproximado da difusão dos carros de guerra entre 2000 e 500 a.C.

Carro de guerra é um tipo de carruagem que se utiliza de tração animal (quase sempre cavalos)[1] para proporcionar rápida potência motora a quem a utiliza. Carros deste tipo eram utilizados tanto durante guerras quanto em eventos pacíficos, como desfiles e triunfos, ou para caça e corridas, além de servir como o principal meio de transporte para muitos povos antigos, quando a velocidade de deslocamento era mais importante do que o peso que estava sendo transportado. Carros de boi, espécies de proto-carruagens, foram construídas pelos proto-indo-europeus,[carece de fontes?] e sua existência na Mesopotâmia remonta a 3000 a.C. Os carros de guerra originais eram veículos rápidos, leves, abertos e com duas rodas, puxadas por dois ou mais cavalos atrelados um ao lado do outro; consistiam de pouco mais que uma plataforma com uma estrutura semi-circular na altura da cintura do seu condutor. Estes veículos foram muito utilizados durante as idades do Bronze e do Ferro. Sua proteção era limitada a um escudo.

Os termos 'carro', 'carroça' e 'carruagem' todos remontam ao latim carrus, que por sua vez era um empréstimo linguístico do gaulês. Na Roma Antiga e em outros países do Antigo Mediterrâneo chamava-se um carro movido por dois cavalos de biga, por três de triga e por quatro de quadriga.

A invenção fundamental para a construção de carros de guerra leves e movidos a tração equina foi a invenção das rodas com raios. Os primeiros carros a utilizarem esta tecnologia datam de 2000 a.C., e o ápice de seu uso se deu por volta de 1300 a.C. (Batalha de Kadesh). Deixaram de ter importância por volta do século IV a.C., porém corridas de carros continuaram a ser popular em Constantinopla até pelo menos o século VI a.C.

Referências

  1. Haviam algumas raras exceções ao uso de cavalos em carros de guerra, como por exemplo o carro conduzido por leões descrito por Plutarco em sua Vida de Antônio.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Anthony, D. W., & Vinogradov, N. B., Birth of the Chariot, Archaeology vol.48, no.2, Mar & April 1995, 36-41
  • Anthony, David W., 1995, Horse, wagon & chariot: Indo-European languages and archaeology, Antiquity Sept/1995
  • Di Cosmo, Nicolo, The Northern Frontier in Pre-Imperial China, Cambridge History of Ancient China ch. 13 (pp. 885–966).
  • Litauer, M.A., & Grouwel, J.H., The Origin of the True Chariot', "Antiquity" vol.70, No.270, December 1996, 934-939.
  • Sparreboom, M., Chariots in the Veda, Leiden (1985).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.