Casa de Habsburgo-Lorena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casa de Habsburgo-Lorena
Haus Habsburg-Lothringen
Brasão da casa de Habsburgo-Lorena
Estado Civil ensign of Austria-Hungary (1869-1918).svg Áustria-Hungria
Banner of the Holy Roman Emperor (after 1400).svg Sacro Império Romano
Flag of Mexico (1864-1867).svg México
Título Rei dos Romanos
Rei da Germânia
Imperador da Áustria
Imperador da Áustria-Hungria
Sacro Imperador Romano
Imperador do México
Origem
Fundação 1780
Casa originária Habsburgo
Etnia Caucasiana
Soberania
Pretendente Carlos Tomás
Linhagem secundária
Hohenberg
Habsburgo-Este
Habsburgo-Itúrbide
Habsburgo-Gueroust
Família imperial austríaca
Casa de Habsburgo-Lorena
Imperial Coat of Arms of the Empire of Austria (1815).svg

SAI&R o arquiduque Karl
SAI&R a arquiduquesa Francesca

  • SAI&R a arquiduquesa Eleonore
  • SAI&R o arquiduque Ferdinand
  • SAI&R a arquiduquesa Gloria

  • SAI&R a Condessa Herdeira de Neipperg
  • SAI&R a Duquesa de Santángelo
  • SAI&R a arquiduquesa Michaela
  • SAI&R a arquiduquesa Gabriela
  • SAI&R a arquiduquesa Walburga
  • SAI&R o arquiduque Georg
    SAI&R a arquiduquesa Eilika
    • SAI&R a arquiduquesa Zsófia
    • SAI&R a arquiduquesa Ildiko
    • SAI&R o arquiduque Károly-Konstantin

A casa de Habsburgo-Lorena foi uma das mais importantes e mais longas casas reais reinante história da Europa.[1] Atualmente a casa é dirigida por Carlos de Habsburgo-Lorena, o imperador titular de Áustria, Hungria, Boêmia, Croácia, bem como o titular Rei de Jerusalém.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Após o fracasso dos sacro imperadores José I e Carlos VI para produzir um filho e herdeiro, a Pragmática Sanção de 1713 deixou o trono a filha ainda por nascer deste, Maria Teresa. Em 1736, o imperador Carlos arranjou seu casamento com o duque Francisco III de Lorena, que concordaram em trocar suas terras hereditárias para o Grão-Ducado da Toscana (bem como Ducado do Teschen do imperador).

Com a morte de Carlos em 1740, as terras dos Habsburgos foram passadas ​​para Maria Teresa e Francisco, que mais tarde foi eleito imperador do Sacro Império Romano como Francisco I. A união dinástica precipitada de Habsburgo-Lorena causou a Guerra da Sucessão Austríaca. As filhas de Francisco e Maria Teresa, Maria Antonieta e Maria Carolina tornaram-se rainhas de França e das Duas Sicílias respectivamente; enquanto seus filhos José II e Leopoldo II sucederam ao título imperial.

Para além dos domínios dos Habsburgos principais, incluindo as coroas triplas de Áustria, Hungria e Boêmia, vários ramos jovens da casa de Habsburgo-Lorena reinaram nos ducados italianos da Toscana (até 1860), Parma (até 1847) e Modena (até 1859). Outro membro da casa, o arquiduque Maximiliano da Áustria, foi imperador do México.

Em 1900, o arquiduque Francisco Ferdinando da Áustria (então herdeiro presuntivo do trono do Império Austro-Húngaro) contraiu um casamento morganático com a condessa Sofia Chotek. Seus descendentes, conhecidos como a casa de Hohenberg, foram excluídos da sucessão à coroa austro-húngaro, mas não a de Lorena, onde o casamento morganático nunca foi banido. No entanto, Oto de Habsburgo, o neto mais velho do irmão mais novo Francisco Ferdinando foi universalmente considerado como o chefe da casa. Foi em Nancy, a antiga capital da casa de Vaudemont, que o príncipe casou com a princesa Regina de Saxe-Meiningen em 1951.

Abolição da monarquia e fim do poder[editar | editar código-fonte]

Após a Primeira Guerra Mundial, o imperador austro-húngaro Carlos I emitiu uma proclamação cuidadosamente redigida em que reconheceu o direito do povo austríaco para determinar a forma do estado. Em 12 de novembro de 1918, um dia após o armístico da Grande Guerra e a proclamação de Carlos, foi declarada a República da Áustria Alemã. Embora amplamente tem sido citado como uma "abdicação", essa palavra nunca foi mencionado em qualquer proclamação. Na verdade, ele deliberadamente evitou usar a palavra abdicação na esperança de que o povo da Áustria ou Hungria votaria para lembrar dele.

Após Carlos e sua família irem para exílio em Portugal, ele morreu de pneumonia em 1922. A soberania da casa foi passada para seu filho, Oto de Habsburgo-Lorena, que ficou no cargo até 2007, quando renunciou os direitos em prol de Carlos Tomás, o atual chefe. Todos os títulos nobres, reais ou imperiais são ilegais na Áustria e na Hungria e a família não os usa nestes países

Governo no México[editar | editar código-fonte]

Os conservadores mexicanos viram em Maximiliano da Áustria a possibilidade de manter um sistema político que lhes era cômodo e que lhes parecia seguro por contar com o apoio da França, do Reino Unido e da Santa Sé. O arquiduque austríaco, por sua vez, de certo modo condenado a ser sempre o irmão do imperador da Áustria, aceitou o papel que lhe era oferecido desempenhar em um país completamente desconhecido para ele e submerso numa profunda crise política. Devido a suas tendências liberais, Maximiliano logo perdeu o apoio dos conservadores. Foi alvo da hostilidade dos seguidores de Benito Juárez, os republicanos, ao ordenar a execução sumária de seus líderes em 1865. A única proteção de Maximiliano era a presença de tropas francesas. Encarando o ocorrido sob a perspectiva de Maximiliano, quando as tropas francesas se retiraram, ele assumiu pessoalmente o comando de seus soldados. Após um cerco em Santiago de Querétaro, foi julgado por uma corte marcial e fuzilado juntamente com seus generais Tomás Mejía e Miguel Miramón.

Com sua morte, a pretensão ao trono mexicano foi reivindicada por dois ramos distintos. Os Habsburgo-Itúrbide, por adoção dos netos do primeiro imperador do México Agustín de Itúrbide, e outro ramo os Habsburgo-Gueroust.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Casa de Habsburgo-Lorena

Referências

  1. Benjamin Arnold, Princes and Territories in Medieval Germany, ISBN 0-521-52148-3. Páginas 263 e 264.
  2. Gordon Brook-Shepherd, Uncrowned Emperor: the Life and Times of Otto von Habsburg. Continuum International Publishing Group, 2003. ISBN 1-85285-439-1 . Páginas XI, 179, 216