Edain

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Casa de Haleth)
Ir para: navegação, pesquisa

Os Edain (/ˈɛdaɪn/) eram, na obra de Tolkien, os Humanos que entraram em Beleriand na Primeira Era, e que eram amigos dos Elfos

A palavra em Sindarin Edain, ou em Quenya Atani, significa literalmente Segundo Povo, e originalmente se referia a todos os Humanos, mas posteriormente passou a referir-se só aos Humanos de Beleriand. Eram chamados também de Hildor "Os Sucessores", Engwar "Os Enfermiços" e Fírimar "Os Mortais".

As Três Casas dos Edain[editar | editar código-fonte]

Os Edain se dividiam em três grupos, a saber:

A Casa de Bëor[editar | editar código-fonte]

A Primeira Casa de Homens, a Casa de Bëor, era a menor das Três, tendo, no tempo de sua entrada em Beleriand, "não mais que dois mil homens adultos; e eram pobres e parcamente equipados, mas acostumados com jornadas sofridas e penosas carregando cargas pesadas, já que não tinham animais de carga". A maioria dos integrantes da casa tinha cabelos castanhos e olhos castanhos ou cinzentos, e alguns tinham a pele morena. Eram mais altos que o Povo de Haleth, mas mais baixos que os da Casa de Hador. Os Bëorianos eram "pacientes com a miséria e a tristeza, de raro choravam ou riam; e sua fortitude não se sustentava da esperança." Eram semelhantes ao Povo de Hador, falando uma língua parecida, que foi quase totalmente esquecida posteriormente.

A Casa de Hador e a de Bëor eram uma só, tendo viajado junto do leste da Terra-média rejeitando o Senhor do Escuro Morgoth. Separaram-se no caminho e passaram por um tempo a viver em praias opostas do Mar de Rhûn, o Povo Menor (Bëorianos) nas colinas do sudoeste e o Povo Maior (Marachianos) nos bosques do noroeste. Depois ambos os povos foram para oeste, cruzando as Montanhas Nevoentas e Eriador, onde muitos viveram em épocas posteriores, e ascendentes do povo de Bri.

O Povo Menor, liderados por Bëor, o Velho, foi o primeiro a cruzar as Montanhas Azuis e descer até os bosques de Ossiriand no leste de Beleriand. Lá tornaram-se amigo do rei-elfo Finrod Felagund. Mas os Elfos Verdes não gostaram da invasão, e então Finrod levou o povo de Bëor para planícies antes governadas por Amras, e que chamavam-se Estolad. Logo o Povo de Marach os acompanhou.

Os Edain logo se foram de Estolad, pois os Reis dos Noldor mandaram mensagens de permissão a todos que quisessem morar com seu povo. A maioria do povo de Bëor, aliados das Casas de Finrod e Finarfin, foram então a Dorthonion, ficando a serviço de Angrod e Aegnor. Mas alguns se arrependeram de sua vinda a Beleriand, já que se viram envolvidos nas guerras de Morgoth, de quem fugiam. Num conselho, Bereg, bisneto de Bëor, levou milhares de seu povo para o sul, e não se ouviu mais falar deles. Muitos ficaram em Estolad, mas o povo de Bëor se foi, e a província do Ladros em Dorthonion foi oficialmente entregue a seu senhor, Boromir.

Lá os Edain viveram em paz por meio século, pois na Batalha das Chamas Repentinas Morgoth quebrou o Cerco a Angband, e muitos do Povo de Bëor coi morto. A maioria fugiu de Dorthonion, indo para junto da Casa de Hador em Dor-lómin ou para a Casa de Haleth em Brethil. Barahir ainda se manteve lá por cinco anos até ser assassinado.

A Casa de Bëor então deixou de ser um povo independente, e nos anos seguintes a maioria fugiu para as Fozes do Sirion e para a Ilha de Balar, ou deixaram Beleriand para vagar pelos ermos. Aqueles que restaram foram para Númenor após a Guerra da Ira, sobrevivendo como comunidades independentes por um longo período. Já tinham esquecido, por desuso, sua antiga língua, e agora usavam mais o Sindarin do que o próprio Adûnaico. Também notou-se que os Bëorianos tinham a vida mais curta que a dos outros Númenorianos.

Os senhores da Casa de Bëor[editar | editar código-fonte]

  • Bëor, o Velho: chamado originalmente de Balan, trouxe seu povo a Beleriand, mas logo mudou-se definitivamente a Nargothrond e entregou o poder a seu filho.
  • Baran: primogênito de Bëor. Tinha morado em Estolad, mas aparentemente mudou-se para Dorthonion depois de algum tempo. Alguns chamam-no de Bëor, o Jovem.
  • Boron: primogênito de Baran.
  • Boromir:primogênito de Boron. Ganhou as terras do Ladros em Dorthonion, e lá morou com seu povo. O Capitão Boromir de Gondor foi nomeado em sua homenagem.
  • Bregor: filho de Boromir.
  • Bregolas: primogênito de Bregor. Morto na Dagor Bragollach.
  • Barahir: filho mais novo de Bregor. Desafiou as forças de Morgoth, mas foi assassinado posteriormente.

Outros membros da Casa[editar | editar código-fonte]

  • O filho mais novo de Bëor era Belen. Seu filho chamava-se Beldir e seu neto Belemir. Belemir casou-se com Adanel, a sábia da Casa de Hador, e seu quinto filho chamava-se Beren. Emeldir, terceira filha de Beren casou-se com Barahir e era mãe de Beren Erchamion.
  • Baranor era o segundo filho de Baran, e seu filho era Bereg'.
  • O filho mais novo de Boron era Belegor, e suas filhas Beril e Andreth.
  • Bregor tinha três filhas, Bregil, Hirwen e Gilwen. O marido de Bregil era Arachon, e seu filho era Brandir e sua filha Beldis.
  • A filha de Bregolas era Beleth, e dela descende Erendis de Númenor. Tinha ele também dois filhos chamados Baragund e Belegund. A filha de Baragund era Morwen, e a de Belegund era Rían.
  • Beren Erchamion era filho de Barahir e Emeldir, esposo de Lúthien e pai de Dior.: de cabelos negros, eram fortes e se assemelhavam aos Noldor. Foram encontrados por Finrod Felagund, Senhor de Nargothrond, e por ele foram guiados até o lugar chamado mais tarde de Estolad. Eram leais à Casa de Finarfin, e posteriormente foram para as terras de Dorthonion.

Casa de Haleth[editar | editar código-fonte]

Os Homens de Brethil, outro nome para os Haladin, tinham cabelos e olhos escuros, parecidos com os da Casa de Bëor, mas "mais baixos e largos, mais severos e menos ágeis. Não lhes interessava tanto suas tradições e falavam pouco, pois desgostavam dos grandes salões dos homens, e alguns amavam a solidão e o livre vagar pelos bosques verdes". Eram um povo recluso, e mantinham-se afastados das outras Casas dos Edain, pois não tinham parentesco com os Bëorianos nem com os Hadorianos, e falavam um idioma diferente. No entanto, sempre acompanhavam um outro ramo da humanidade, os chamados Drúedain.


Casa de Marach[editar | editar código-fonte]

A terceira Casa dos Homens, chamados Povo de Marach ou, posteriormente, Casa de Hador, era a maior das três, tendo à época da chegada deles a Beleriand mais de seiscentos homens adultos. O Povo de Marach foi descrito como "rápido para se enfurecer e para rir, feroz na batalha, generosos com os amigos, de decisões rápidas, leais, alegres de coração, como os filhos de Ilúvatar na juventude da humanidade". Eram próximos da Casa de Bëor e falavam uma língua similar, chamada Taliska.

Os futuros Povos de Hador e Bëor eram originalmente um povo único, e viajaram juntos do Leste da Terra-Média depois da rebelião contra Morgoth. Eles se separaram no caminho e por um tempo estiveram em margens opostas do Mar de Rhûn, como o Povo Menor (Bëorians) nas montanhas ao Sudoeste e o Grande Povo (Marachians) nas florestas à Nordeste. Posteriormente os dois povos foram para o oeste, mas uma grande parte do povo de Marach permaneceu nas terras de Rhovanion, e deles descendeu os Bardos de Valle, os Éothéod e os Homens de Mirkwood. Alguns poucos ficaram em Eriador ou viajaram mais ao Leste posteriormente.

A vanguarda do Grande Povo, liderada por Marach, foram os primeiros a chegar a Ered Luin, mas eles se desanimaram com a grande altura da montanhas e partiram para o sul, procurando um meio de circundar as montanhas. Assim eles vieram a Beleriand do Sul quando as outras casas já estavam estabelecidas. Marach liderou seu povo diretamente pelas Montanhas Azuis pela Passagem dos Anões. Este trecho da história foi aparentemente rejeitada por Tolkien no Silmarillion. Marach consequentemente levou seu povo às planícies de Estolad, onde eles se estabeleceram à sudeste dedo Povo de Bëor.

Logo os Edain começaram a migrar de Estolad novamente, quando os Reis do Noldor diseram que qualquer um que quisesse vir e se unir a eles poderia. Malach, filho de Marach, viveu em Hithlum durante quarenta anos, e logo ele liderou alguns do seu povo ali, e uma grande parte partiu sob a liderança do seu filho Magor paraa as terras próximas às fontes do Taeglin ao sul do Ered Wethrin. Mas alguns retornaram de Beleriand, tendo se envolvido nas guerras com Morgoth, de quem eles fugiram. Então, uma hoste do Povo de Marach voltou para Eriador pelas Ered Luin, E muitos homens permaneceram em Estolad até a Dagor Bragollach mas muitos da Terceira Casa abandonaram aquela terra por volta do ano 380 e em 416 a terra de Dor-lómin em Hithlum foi oficialmente concedida ao seu senhor Hador.

A casa de Hador se tornou a mais renomada dos Edain, lutando pelo povo de Fingolfin e Fingon. Eles eram bastante de resistentes ao frio e temidos por ir longe ao norte e lá manter vigilância sobre os movimentos das forças de Morgoth. Muitos deles caíram quando o Cerco a Angband foi quebrado na Dagor Bragollach, mas Hithlum ainda foi defendida, e os Homens de Hador guardaram a torre de Barad Eithel. Eles lutaram valorosamente sob o comando de Húrin durante a Nirnaeth Arnoediad. Suas forças defenderam a retirada do exército de Turgon, aguentando pelo menos até Serech, onde muitos foram mortos.

Para Hithlum nenhuma notícia chegou da batalha, até que Morgoth enviou os Easterlings. Os remanescentes da Casa de Hador foram feitos prisioneiros; os que podiam trabalhar foram levados às minas ao norte ou trabalharam como escravos, e os mais velhos foram mortos ou abandonados paara morrer de fome. Alguns poucos permaneceram como ladrões e foras-da-lei, se escondendo em cavernas e, ou escaparam para o sul nas fozes do Sirion.

O domínio pelos Easterlings sobre ordens de Morgoth durou quase um século, até que a Hoste dos Valar chegou a Beleriand e a Guerra da Ira começou. Os remanescentes das Três Casas então lutaram do lado dos Valar, e depois da derrota de Morgoth, eles tiveram concedida a Ilha de Númenor para habitar. Os descendentes da Casa de hador compunham a maioria da população, e a língua deles, o Adûnaico, se tornou a principal da ilha, e mais tarde se propagou como a Língua Comum do Oeste. Muitos do povo de Gondor e Arnor eram assim descendentes tanto da Casa de Hador quanto daqueles do seu povo que nunca cruzaram as Montanhas Azuis.

Ver também[editar | editar código-fonte]