Casa de Liechtenstein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Casa de Liechtenstein
Haus von Liechtenstein

Atual brasão de armas da Casa de Liechtenstein.
País:  Liechtenstein
Títulos: Príncipe de Liechtenstein
Fundador: Carlos I
Atual soberano: Hans Adam II
Ano de fundação: 1608
Etnia: Caucasianos
Castelo de Valtice costumava ser a principal residência da família até a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A Casa de Liechtenstein (em alemão: Haus von Liechtenstein), da qual o principado de Liechtenstein toma o seu nome (e vice-versa), é uma família nobre européia de origem austríaca, e Casa principesca soberana de Liechtenstein.

É uma das famílias nobres mais antigas da Europa, sendo soberana desde 1140 da área do principado, tendo sido, também, de outros territórios ao redor. Em 23 de janeiro de 1719, Carlos VI, Sacro Imperador Romano-Germânico, decretou a unificação de Schellenberg e Vaduz e elevou toda a área à dignidade de principado (em alemão: Fürstentum), com o nome de "Liechtenstein", em honra do nome da família soberana, na pessoa de Anton Florian de Liechtenstein (1656-1721). Com a dissolvição do Sacro Império Romano Germânico em 1806, o principado de Liechtenstein, em 12 de julho do mesmo ano, tornou-se independente, após o tratado de Pressburg, assinado pelo príncipe Johann I Josef.

A família, para além de soberana do principado, é dona do Liechtenstein Global Trust - LGT, um grupo bancário bilionário.

O atual príncipe soberano é Sua Alteza Sereníssima Hans-Adam II.

História[editar | editar código-fonte]

A família vem do Castelo de Liechtenstein, na Baixa Áustria, que ela possuiu de 1140 até o século XIII e, novamente, de 1807 em diante. Ao longo do tempo, a dinastia adquiriu várias terras, predominantemente na Morávia, na Baixa Áustria, na Silésia e na Estíria. Contudo, muitos desses territórios estavam contidos em feudos de outros senhores feudais, particularmente de várias linhagens da Casa de Habsburgo, à qual muitos príncipes da Casa de Liechtenstein serviram como conselheiros. Consequentemente, não faziam parte do Reichstag.

Os Liechtenstein aspiraram bastante aos poderes que uma posição no governo imperial traria e, como resultado, buscaram somente propriedades com o Sacro Imperador Romano-Germânico como autoridade direta, sem suseranos intermediários. Em 1699, a família pôde adquirir o senhorio (em alemão: Herrschaft) de Schellenberg e, em 1712, o condado de Vaduz. As possessões foram compradas da família Hohenems e tinham exatamente o status político requerido pelos Liechtesntein.

No dia 23 de janeiro de 1719, Carlos VI, Sacro Imperador Romano-Germânico, decretou a unificação de Schellenberg e Vaduz e elevou toda a área à dignidade de principado (em alemão: Fürstentum), com o nome de "Liechtenstein", em honra da família soberana, na pessoa de Anton Florian de Liechtenstein (1656-1721). Com a dissolvição do Sacro Império Romano Germânico em 1806, o principado de Liechtenstein, em 12 de julho do mesmo ano, tornou-se independente, após o tratado de Pressburg, assinado pelo príncipe Johann I Josef.

A família, para além de soberana do principado, é dona do Liechtenstein Global Trust - LGT, um grupo bancário bilionário.

O atual príncipe soberano é Hans-Adam II.

Títulos[editar | editar código-fonte]

De acordo com a constituição de Liechtenstein, de 26 de outubro de 1993, todos os membros da Casa são príncipes e princesas de Liechtenstein e condes e condessas de Rietberg. O príncipe-soberano, por sua vez, detém este último e os títulos de duque de Troppau e Jägerndorf.

O tratamento dado aos membros é o de Sua Alteza Sereníssima (S.A.S.).

Linha de sucessão ao trono[editar | editar código-fonte]

A legislação de Liechtenstein sobre a linha de sucessão, que foi regulada em 1606, só permite homens na linha de sucessão, excluindo totalmente as mulheres. Tais regras remontam, portanto, a antes da independência do principado do Sacro Império Romano-Germânico, em 1806.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]