Casa de Windsor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casa de Windsor
House of Windsor
Brasão da casa de Windsor
Estado
Título Rei do Reino Unido
Imperador da Índia
Príncipe de Gales
Duque da Cornualha
Duque de Cambridge
Duque de Iorque
Conde de Wessex
Duque de Rothesay
Duque de Kent
Origem
Fundador Jorge V do Reino Unido
Ano de fundação 1917
Parte da dinastia Wettin
Soberania
Soberano Isabel II do Reino Unido
Linhagem secundária
-
Família real britânica
Casa de Windsor
Badge of the House of Windsor.svg

A Rainha
Filipe, Duque de Edimburgo


A casa de Windsor é uma família nobre e casa real da parte ocidental e setentrional da Europa, descendente da casa de Saxe-Coburgo-Gota, sendo a sua soberana, Isabel II, pertencente à dinastia homônima atualmente no poder do Reino Unido e dos países da Comunidade das Nações, tais como Canadá, Bahamas, Nova Zelândia, Granada, Papua-Nova Guiné, Tuvalu, Austrália, Jamaica, Barbados, São Vicente e Granadinas, Belize, Santa Lúcia, Ilhas Salomão, São Cristóvão e Nevis e Antígua e Barbuda. Passou a ter a denominação atual no ano de 1917, durante a Primeira Guerra Mundial, ocasião em que um sentimento anti-germânico no povo britânico fez com que a família real britânica trocasse todos os seus títulos e sobrenomes alemães para versões inglesas.

Origem[editar | editar código-fonte]

O nome alemão veio com o casamento da rainha Vitória com o príncipe Alberto, filho do duque Ernesto I de Saxe-Coburgo-Gota, em fevereiro de 1840. Saxe-Coburgo-Gota, no entanto, não era o sobrenome pessoal do príncipe consorte, mas o nome dinástico da sua família - seu sobrenome era Wettin. Sendo assim, o nome von Wettin foi transformado em Windsor, que se tornou também o nome da família real através de uma Ordem ao Conselho (Order-in-Council) do rei Jorge V.

Todavia, a ordem ao conselho referia-se apenas aos homens descendentes da rainha Vitória, e não necessariamente às mulheres descendentes. Em abril de 1952, dois meses depois da sua subida ao trono, a rainha Isabel II pôs fim à confusão com o nome dinástico quando declarou ao seu conselho particular a sua "vontade e satisfação de que eu e meus filhos sejamos chamados e conhecidos como membros da Casa e Família de Windsor, e que meus descendentes que se casem e seus respectivos descendentes carreguem o nome Windsor."

Mais tarde, no dia 8 de fevereiro de 1960, a rainha emitiu outra Order-in-Council, confirmando que ela e seus quatro filhos seriam parte da dinastia, casa e família de Windsor respectivamente, e que ela e outros descendentes da linhagem masculina (exceto aqueles que possuíam o título de príncipe ou princesa e eram conhecidos como Sua Alteza Real) seriam conhecidos pelo nome de Mountbatten-Windsor.

Qualquer futuro monarca do Reino Unido pode trocar o nome dinástico se assim quiser. Qualquer Order-in-Council pode revogar os promulgados por Jorge V e Isabel II. Se o príncipe de Gales, por exemplo, subir ao trono ele pode mudar a sua casa real para Mountbatten em homenagem ao seu pai, príncipe Filipe, duque de Edimburgo, e ao seu tio-avô, Louis Mountbatten, 1.º Conde Mountbatten de Burma.

Monarcas da Casa de Windsor[editar | editar código-fonte]

Imagem Nome Início Término
George V of the UK (head).png Jorge V do Reino Unido 17 de Julho de 1917 20 de janeiro de 1936
The Duke of Windsor (1945).jpg Eduardo VIII do Reino Unido 20 de janeiro de 1936 11 de dezembro de 1936
King George VI of England, formal photo portrait, circa 1940-1946.jpg Jorge VI do Reino Unido 11 de dezembro de 1936 6 de fevereiro de 1952
Elizabeth II.jpg Isabel II do Reino Unido 6 de fevereiro de 1952 Incumbente

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.