Casseta & Planeta: A Taça do Mundo É Nossa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Taça do Mundo É Nossa
A Taça do Mundo É Nossa (PT/BR)
 Brasil
2003 • cor • 86 min 
Direção Lula Buarque de Holanda
Roteiro Casseta & Planeta
Elenco Beto Silva
Bussunda
Cláudio Manoel
Helio de la Peña
Hubert, Marcelo Madureira
Reinaldo
Género Comédia
Idioma português
Estúdio Conspiração Filmes
Tabajara Pictures
Distribuição Warner Bros.
Globo Filmes

Casseta & Planeta: A Taça do Mundo é Nossa é um filme da Conspiração Filmes, estrelado e escrito pelos humoristas do Casseta & Planeta.

Nele, faz-se uma sátira aos anos do regime militar no Brasil, quando militantes comunistas comandados por Frederico Eugênio — personagem de Bussunda — planejam roubar a taça da Copa do Mundo de 1970 das mãos dos futebolistas Pelé e Carlos Alberto Torres.

O objetivo dos militantes é desmoralizar o ufanismo e a capitalização política do título mundial por parte da junta militar, comandada por um fictício general "Mirandinha" (interpretado por Cláudio Manoel).

Personagens principais[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Os jogadores Carlos Alberto Torres (o "Capita") e Jair Ventura Filho (Jairzinho), integrantes da Seleção Brasileira de Futebol vencedora da Copa do Mundo FIFA de 1970, participaram do filme interpretando a si mesmos nas cenas do desfile da Seleção em carro aberto. Pelé, por sua vez, é satirizado por Hélio de La Peña, como costumeiramente é feito no seriado. Os restantes são figurantes.
  • O nome da personagem de Maria Paula, Lucy Ellen Imbiruçu, é uma paródia a Amália Lucy, filha do general e futuro presidente da República Ernesto Geisel.
  • O personagem de Hubert, Peixoto Carlos, é uma sátira ao cantor Roberto Carlos.
  • Os personagens Denílson (Hélio de La Peña), Vladimir (Bussunda) e Peixoto Carlos (Hubert) formaram no filme um suposto grupo terrorista chamado Partido Anarco-Nacionalista Anticarnívoro Carlos (PANAC). O primeiro nome deste movimento, Movimento Revolucionário do Vladimir (MRV), é uma sátira a um grupo guerrilheiro dos anos 70, o Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR8), liderado pelo ex-militar Carlos Lamarca.

Créditos finais[editar | editar código-fonte]

Para dar um toque humorístico final, eles criaram estes "créditos":

  • Cabo man: "Tripé"
  • Contra regra: Absorvente Sempre Xeca
  • Reprodutor associado: Boi Barroso
  • Figurantes que têm jogo: Daniela, Rebeca, Carla e Jorjão (Jorjão?!)
  • Figurantes que não jogo: Silvia, Mariana e Silvanete
  • Versão brasileira: Hubert Richards (sátira ao estúdio Herbert Richers)

Desempenho[editar | editar código-fonte]

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, o filme chegou perto da marca de 1 milhão de espectadores em 2003.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

  1. Pra Frente, Brasil - Zeca Pagodinho
  2. É Papo Firme - Os Paralamas do Sucesso
  3. Vem Quente Que Eu Estou Fervendo - Mu Chebabi e Peixoto Carlos
  4. Não Vou Ficar - Max de Castro
  5. Maluco Beleza - Lenine
  6. Vou Tirar Você Deste Lugar - Los Hermanos
  7. Imunização Racional (Que Beleza) - Roberto Frejat
  8. BR-3 - Tony Tornado
  9. Esqueça (Forget Him) - Marisa Monte
  10. Guajira Guantanamera - Cidade Negra
  11. Fumaça Sonora (Melô do Denilson) - Marcelo D2
  12. Eu Te Amo, Meu Brasil - Casseta & Planeta e Mu Chebabi
  13. Que Dureza - Roberto Frejat (paródia de Imunização Racional (Que Beleza))

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.