Castóreo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O castóreo é uma secreção oleosa glandular do castor, que este animal usa para se impermeabilizar, engordurando sua pelagem. As glândulas secretoras (duas) situam-se junto aos órgãos genitais do animal.

Tem a cor parda, sólida, forte odor característico, é composta basicamente por colesterol, ácido benzóico e ácido salicílico, tendo seu uso em perfumaria e na farmacologia, como estimulante e antiespasmódico.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

Existem dois tipos de castóreo: o extraído do castor-europeu e outro extraído do castor-americano. Tem consistência mole e untuosa, quando fresca, e dura e quebradiça, quando desidratada. De cor escura, tem odor forte e característico. O gosto é muito amargo.

Sua composição é complexa, variando conforme a origem - se russa ou canadense. No castóreo do Canadá é composto por matéria resinosa, mucos, sais e água. Há também o óleo volátil, do colesterol (chamada de castorina - mesmo nome do tecido feito com o pêlo do castor e lã) e também os ácidos orgânicos. Distingue-se do castóreo russo por sua maior proporção de resina e pela menor proporção de água e carbonato de cálcio. Foi destilado pelo químico Whoeler, usando a água, e resultando nos ácidos benzóico, salicílico e fenicado. Ao fim do século XIX já estava em desuso na medicina, mas era usado no preparo de certas pílulas.[2]

Referências

  1. Dicionário Aurélio, verbete castóreo
  2. Este texto foi extraído da Noveau Larousse Illustré - Grand Dictionnaire universel du XIXe siècle, enciclopédia, ed. 7 vol., Librarie Larousse, Paris, 1866-1877, em domínio público.
Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.