Castelo d'Écouen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fachada do Château d'Écouen.

O Château d'Écouen é um palácio francês situado em Écouen, a norte de Paris. Foi construído entre 1538 e 1550 para Anne de Montmorency, nomeado connétable (chefe dos exércitos Reais) em 1538, o qual havia herdado o domínio em 1515.

Actualmente acolhe o Musée national de la Renaissance (Museu nacional da Renascença).

História[editar | editar código-fonte]

As campanhas de construção de Anne de Montmorency em Écouen beneficiaram da sua experiência directa na supervisão dos trabalhos Reais no Château de Saint-Germain-en-Laye e no Château de Fontainebleau.[1]

O arquitecto parece ter sido Jean Bullant, o qual foi contratado para desenhar o túmulo do Grande Condestável. Anne de Montmorency era um importante patrono das artes em França e um protector dos artistas Huguenotes, num periodo em que a Corte era fortemente Católica: a sua capela foi decorada com esculturas de Jean Goujon. Jean Bullant, Barthlémy Prieur, Bernard Palissy e alguns membros da família Androuet du Cerceau encontraram protecção e trabalho em Écouen.[2]

Infelizmente, não sobreviveu qualquer registo do processo de construção, pelo que a sequência precisa da construção não pode ser seguida em pormenor;[3] os painéis de vitrais grisaille na galeria da ala oeste são datados de 1542 e 1544,[4] e a ala este foi pavimentada entre 1549 e 1550. O edifício recebeu afrescos e foi mobilado, na década de 1550, no estilo da Escola de Fontainebleau.

Fachada do Château d'Écouen.

Em 1576, o Château d'Écouen foi ilustrado em gravuras na obra Les Plus excellents bastiments de France (As mais excelentes construções de França), de Jacques Androuet du Cerceau.

Em 1787, a ala este (entrada do palácio) foi demolida pelo proprietário, Luís José de Bourbon, Príncipe de Condé. Quando este foi forçado a fugir para o estrangeiro devido à Revolução Francesa, o Château d'Écouen caiu nas mãos do Estado como um "bien national" (bem nacional).

No século XIX foram feitas muitas alterações no palácio.

Seguindo uma ideia de André Malraux, foi profundamente renovado por arquitectos dos Monuments Historiques (Monumentos Históricos), depois de ter servido como escola para as filhas dos cavaleiros da Légion d'Honneur, entre 1807 1962.[5] Estas obras tiveram como fim instalar no palácio o Musée national de la Renaissance (Museu nacional da Renascença), o qual contém objectos das colecções do Museu de Cluny, nos simpáticos arredores.

Uma série de pequenas exposições, altamente focalizadas, têm estado instaladas no Château d'Écouen ao longo dos anos, desde que o museu abriu totalmente ao público em 1982. É neste museu que se encontram alguns dos pouquíssimos vestígios que restaram do Château de Madrid.

Uma das alas do Château d'Écouen.

Notas

  1. Ver Brigitte Bedos Rezak, Anne De Montmorency: Seigneur de la Renaissance, (Paris:Publisud) 1990, parte III.
  2. Janet S. Byrne, "Monuments on Paper" The Metropolitan Museum of Art Bulletin New Series, 25.1 (Verão de 1966, pp. 24-29) p 28.
  3. A. Bertrand, Un château à Écouen (1974); John Cornforth, "Château d'Écouen, Seine et Oise" Country Life Magazine 12 de Julho de 1984, pp 164-67.
  4. Muitos dos vitrais do Château d'Écouen encontram-se, actualmente, no Museu Condé, o qual está instalado no Château de Chantilly. Michael Archer, "'Monmorency's Sword' from Écouen" The Burlington Magazine 129 No. 1010 (Maio de 1987, pp. 298-303) p 301.
  5. Rebecca Rogers, Les demoiselles de la Légion d'honneur: Les maisons d'éducation de la Légion d'honneur au XIX siècle (Paris: Plon) 1992.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Castelo d'Écouen