Castelo de Pèlerin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde abril de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.

O Castelo de Pèlerin, no original Château Pèlerin em francês e cuja tradução em português corresponde a Castelo do Peregrino, situado a sul de Haifa e do seu porto, junto do mar Mediterrâneo, no Reino de Jerusalém, hoje em Israel, foi a maior fortaleza pela Ordem do Templo e seus cavaleiros templários, construída em 1218, ajudados por Valter II de Avesnes, para dar apoio aos peregrinos cruzados, podendo ser visto como sua sede no Oriente deste então.

Esta fortaleza nunca foi tomada e será também o último reduto cristão em terra do Reino Latino de Jerusalém, abandonada em 14 de Agosto de 1291, após a capitulação de São João de Acre em 28 de Maio do mesmo ano. Após ela ficará para o fim a Fortaleza de Arwad, não muito longe e igualmente pertencente à Ordem do Templo, mas numa ilha no seio do Mediterrâneo.

Permaneceu intacto durante centenas de anos, apesar de ter sido logo saqueado pelas forças muçulmanas, até ficar quase totalmente danificado por um terramoto sísmico em 1837.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Castelo de Pèlerin